Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconReligião
line break icon

Bento XVI e São João Paulo II: um Papa Emérito dá testemunho de um Papa Santo

RATZINGER JOHN PAUL II

CC

Reportagem local - publicado em 29/06/20

"Tenho certeza de que, ainda hoje, a bondade dele me acompanha e a bênção dele me protege"

Na primeira entrevista que concedeu após a sua renúncia ao pontificado, em 2013, o Papa Emérito Bento XVI falou da personalidade e da espiritualidade de seu predecessor, São João Paulo II, bem como da sua extraordinária relação de amizade com o Papa polonês quando era prefeito da Congregação para Doutrina da Fé.

Em uma das passagens da entrevista, realizada por Wlodzimierz Redzioch e publicada no livro “Ao lado de João Paulo II”, Bento resumiu como é que se pode compreender Karol Wojtyla:

“Só a partir da sua relação com Deus”.

Bento contou que, certa vez, disse a João Paulo que ele precisava descansar. Sua resposta: “Posso fazer isso no céu”. É um dos diálogos entre João Paulo II e o cardeal Joseph Ratzinger que revela um pouco da relação entre esses dois extraordinários servidores do Senhor.

Bento recorda que o seu primeiro encontro mais próximo com Wojtyla foi em 1978, durante o conclave que iria elegê-lo, mas já tinha participado de um grupo de trabalho com ele no Concílio Vaticano II: os dois colaboraram com a preparação da constituição Gaudium et Spes.

“Senti imediatamente, com força, o fascínio humano que ele emanava. E, do jeito que ele rezava, sentia-se o quanto era profundamente unido a Deus”.

Quando se tornou Papa, João Paulo II chamou o cardeal alemão para ser um dos seus mais próximos colaboradores como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

“A colaboração com o Santo Padre foi sempre caracterizada pela amizade e pelo afeto”.

A amizade foi se desenvolvendo nos inúmeros encontros e reuniões. O Papa Emérito comenta:

“Era sempre bonito, para os dois, procurar juntos a decisão justa”.

O primeiro grande desafio foi a Teologia da Libertação que se difundia na América Latina. A opinião comum era de que havia nessa corrente um interesse justo pelos pobres, mas com erros graves:

“Não era questão de ajuda e reforma, e sim de grande revolução (…) A fé cristã foi usada como um motor para esse movimento revolucionário, transformando-a numa força para a política. A uma falsificação da fé cristã é preciso opor-se por amor aos pobres e em prol do serviço a eles. [João Paulo II] nos guiou para desmascarar uma falsa ideia de libertação, por um lado, e, por outro, para expor a autêntica vocação da Igreja à liberdade do homem”.

Outro desafio importante: “o esforço para chegar a uma correta compreensão do ecumenismo” e do diálogo entre as religiões, assim como a saudável relação entre Igreja e ciência.

Bento XVI destaca a importância das encíclicas de São João Paulo II, começando pela primeira, a Redemptor hominis, que “ofereceu a sua síntese pessoal da fé cristã, caracterizada principalmente pela intensidade da sua oração e, portanto, profundamente radicada na celebração da Santa Eucaristia”.

A santidade de Karol Wojtyla

“Que João Paulo II era santo foi ficando para mim cada vez mais claro. A sua intensa relação com Deus, o fato de estar mergulhado na comunhão com o Senhor. Ele não pedia aplausos, nem olhava ao redor preocupado se as suas decisões tinham sido aceitas. Ele agiu a partir da fé e das suas convicções e estava pronto para sofrer os golpes. A coragem da verdade é, para mim, um critério de primeira ordem da santidade. Só a partir da sua relação com Deus é possível entender também o seu empenho pastoral. Ele se doou com uma radicalidade que não pode ser explicada de outro modo”.

Na última parte da entrevista, Bento XVI recorda o grande afeto que o ligava ao futuro santo:

“Muitas vezes ele teve razões suficientes para culpar, ou para dar fim ao meu cargo de prefeito. Mas ele me suportou com uma fidelidade e bondade absolutamente incompreensível”.

Quando chegou a sua própria vez de se tornar Papa, Bento pensou em “imitar” João Paulo?

“Não podia nem deveria tentar imitá-lo, mas procurei levar adiante a sua herança e a sua missão do melhor jeito que pude. Tenho certeza de que, ainda hoje, a bondade dele me acompanha e a bênção dele me protege”.


JAN PAWEŁ II, KARDYNAŁ RATZINGER

Leia também:
São João Paulo II faria 100 anos em 18 de maio – e Bento XVI escreve carta especial

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Bento XVIJoao Paulo IISantos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia