Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconEspiritualidade
line break icon

Por que juntamos as mãos para rezar?

4Max/Shutterstock

Philip Kosloski - publicado em 01/07/20

Acredita-se que o gesto deriva de uma tradição romana que simbolizava submissão

Os devotos, na hora de rezar, devem unir as mãos, manter os braços estendidos com as palmas para cima ou cruzá-las, como costumam fazer os monges? São perguntas comuns a muitos fiéis.

Embora possa parecer estranho, é um questionamento importante. Na verdade, os gestos são um aspecto fundamental da oração e permitem que os devotos deem sentido às suas práticas, que, muitas vezes, são enraizadas nas antigas e ​​tradições.

Muitos se lembram de terem sido ensinados a rezar com as mãos juntas. Um indivíduo relata o motivo (verdadeiro ou não) pelo qual as irmãs religiosas lhe ensinaram essa prática:

“Reze com as mãos juntas para que suas orações sigam diretamente para o céu.

Se suas mãos estiverem apontadas para baixo, suas orações cairão no inferno.

E se suas mãos estiverem de lado, suas orações ecoarão por toda a sala.”

Claro, isso é bastante ingênuo, e é provável que a instrução tenha se perdido na linguagem infantil. Na verdade, a razão pela qual a maioria dos devotos junta as mãos para orar tem um simbolismo muito mais profundo.

Na tradição judaica, há evidências de que as pessoas rezavam com as mãos juntas desde o período pós-exílico e continuaram após o estabelecimento do cristianismo.

Outra crença comum é que a postura de mãos unidas tenha sido derivada de uma prática romana que simbolizava a submissão. Historiadores religiosos conectam o gesto ao ato de prender as mãos de um prisioneiro com cipó ou corda: mãos unidas passaram a simbolizar submissão. Na Roma Antiga, um soldado capturado poderia evitar a morte imediata juntando as mãos, assim como agitar uma bandeira branca hoje em dia passa a clara mensagem de rendição.

Enfim, embora os cristãos não sejam obrigados a rezar com as mãos unidas, esse é um gesto muito significativo, com raízes antigas e profundo simbolismo.


Leia também:
https://pt.aleteia.org/2020/04/15/9-maneiras-de-rezar-com-o-corpo/

Tags:
HistóriaOração
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia