Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconReligião
line break icon

Silêncio pelos 160 anos do massacre do Império Otomano contra cristãos maronitas

guerra drusos maronitas

Jan-Baptist Huysmans / Domínio Público

Reportagem local - publicado em 13/07/20

Na mesma semana que recordou um dos massacres de cristãos mais cruéis da história contemporânea, a Turquia voltou a transformar a histórica basílica de Santa Sofia em mesquita

Passou praticamente em brancas nuvens pela autodeclarada “grande mídia”, nesta última semana, um episódio de dramática memória para a história da humanidade: um dos massacres perpetrados pelo Império Otomano contra os cristãos.

A guerra civil de 1860 começou no Monte Líbano, então pertencente a esse vasto império territorial cuja capital era Istambul, na moderna Turquia. O estopim foi a rebelião dos camponeses cristãos maronitas libaneses contra o domínio dos drusos, minoria religiosa autônoma cuja fé guarda certa relação com o islã, embora não sejam reconhecidos como muçulmanos. As batalhas se estenderam até a cidade de Damasco, capital da Síria atual, onde ocorreu um dos massacres de cristãos mais cruéis da história contemporânea, com apoio de autoridades militares, soldados turcos otomanos, outros grupos drusos e paramilitares sunitas.

A carnificina durou três dias, de 9 a 11 de julho, mas o dia 9 é recordado como o mais sangrento: milhares de cristãos foram mortos naquela data, assim como foram devastadas e incendiadas igrejas, escolas cristãs, conventos e até mesmo vilas inteiras. O massacre obrigou milhares de pessoas a fugirem e levou à ocupação do território sírio por tropas francesas.

O historiador espanhol José Ramón Hernández Figueiredo, doutor em História Eclesiástica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, comenta o motivo do massacre, conforme reportagem da agência ACI Digital:

“Naquele ano, o sultão [do Império Otomano] emitiu um decreto pelo qual todos os súditos tinham os mesmos direitos em impostos e ocupação de cargos públicos. Os maometanos ficaram indignados, porque consideravam os cristãos entre raças inferiores excluídas da lei durante doze séculos”.

O historiador recorda que quase 6 mil cristãos foram mortos, mutilados ou sofreram abusos em vários povoados do atual Líbano. Na manhã de 9 de julho, os drusos chegaram a Damasco na vigília do Ramadã e começaram a matança atacando o bairro cristão de Arat-el-Nassara, onde o número de mortos, em três dias, chegou a 3 mil. O emir argelino Abb-al-Kadar, embora fosse grande defensor do islã, deu asilo a 1.500 cristãos. Entre os refugiados havia religiosas Filhas da Caridade e religiosos Jesuítas, Paulinos e Franciscanos, que chegaram a sofrer tortura nas mãos da multidão violenta. Os franciscanos foram atormentados com o facão dos beduínos e com as baionetas dos turcos. “Cada assassinato era recebido com imensa alegria por aquela multidão, ansiosa por exterminar“, afirmou José Ramón Hernández, ainda segundo a matéria da ACI Digital.

O pesquisador relatou que os criminosos tentaram fazê-los renunciar à fé cristã. Como eles resistiram, ofereceram-lhes riquezas, igualmente recusadas. Então os martirizaram. O historiador recorda que estava entre as vítimas o pe. Engelbert, que se negou “de forma decidida e tenaz a pisar na cruz do Redentor, protestando em língua árabe contra os atos de selvageria dos partidários de Maomé presenciados por ele, suportando e perdoando, como Deus manda perdoar os inimigos da Igreja“.

A Igreja reconhece vários santos e beatos mártires desse massacre, que, porém, não foi o único nem o último perpetrado pelo Império Otomano. No artigo abaixo, conheça mais sobre o genocídio cometido contra os cristãos armênios, cujo ápice ocorreu em 1915, durante a I Guerra Mundial e já nos anos finais daquele império em decadência.

Na última sexta-feira, 10 de julho de 2020, em pleno aniversário de 160 anos do massacre otomano contra os cristãos maronitas, o atual presidente da Turquia, república que veio a substituir o antigo Império Otomano, decretou que a histórica basílica de Santa Sofia volta a ser transformada em mesquita.




Leia também:
Chega às telas a epopeia do genocídio contra os cristãos armênios




Leia também:
Santa Sabedoria, iluminai-nos: basílica de quase 1.500 anos volta a virar mesquita

______________

Com informações da agência ACI Digital

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
HistóriaMuçulmanos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia