Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconEm foco
line break icon

4 pontos importantes para a construção do "novo normal"

DOKONYWANIE WYBORÓW

Nomad_Souls | Shutterstock

Reportagem local - publicado em 23/07/20

"Precisamos deixar de ser espectadores da tragédia e nos transformarmos em protagonista de uma obra que urge mudança de direção", diz reitor da Universidade Católica da Costa Rica

“Nunca desperdice uma boa crise”, dizia Winston Churchill. Resignar-nos apenas a voltar a um “novo normal”, sem questionarmos o que é isso e como podemos construir essa normalidade implica desperdiçar as oportunidades de aprendizagem que a pior crise que esta geração já viveu nos proporciona.

O Dr. Fernando F. Sánchez Campos, reitor da Universidade Católica da Costa Rica, publicou um artigo tendo como pano de fundo essa preocupação. “Precisamos deixar de ser espectadores da tragédia e nos transformarmos em protagonista de uma obra que urge mudança de direção. Cabe a nós assumirmos o papel de construtores do novo normal”, diz ele

Segundo o reitor, estes são os quatro pontos-chave para construirmos algo melhor depois da crise.

1Desenvolvimento solidário

Em primeiro lugar, devemos nos questionar se queremos voltar a um modelo de desenvolvimento marcado pelo egoísmo ou construir um modelo que tenha a solidariedade como farol.

A pandemia mostrou que as sociedades mais igualitárias e prósperas, com setores produtivos sólidos e instituições públicas fortes e solidárias são essenciais. Da mesma forma, ficou claro que o maior fator de risco da pandemia não é a obesidade, a hipertensão ou o diabetes, mas a pobreza.

Certamente, o confinamento e o teletrabalho não são opções para quem não tem casa, emprego ou internet. Por outro lado, os efeitos globais e acelerados da atual pandemia deveriam servir de exemplos para mudanças nos hábitos de consumo, levando em conta o aquecimento global e a deterioração do meio ambiente.

Como o Papa Francisco já alertou, “Deus perdoa sempre, nós também perdoamos algumas fezes, mas a natureza – a criação – não perdoa nunca”. Essa crise deixou claro que “construir a solidariedade” é preservar a vida.

2Democracias capazes de gerar confiança

Em segundo lugar, devemos decidir se queremos voltar aos sistemas políticos desgastados, inoperantes e pouco transparentes ou se queremos construir democracias mais robustas, eficientes e geradoras de maior confiança.

Em países com sistemas políticos ineficientes, o enfrentamento dos efeitos da pandemia não pode se transformar em justificativa para limitar a democracia. Como diz Alexis de Tocqueville, “os problemas da democracia são resolvidos com mais democracia”.

Um poder executivo eficaz e claro em relação a propostas, execução e manejo da informação, poderes legislativos e judiciários autônomos e responsáveis e meios de comunicação críticos, independentes e conscientes de seu trabalho são as bases nesta proposta.

A pandemia não deveria apenas ensinar o valor de um sistema político funcional, como também a importância de os cidadãos se comportarem sempre como eleitores conscientes e maduros.

Nunca foi tão certo o ditado que diz que “o cidadão que erra menos ao escolher seus governantes é aquele que vota antecipando uma grande crise”.

3Famílias integradas

Em terceiro lugar, devemos nos perguntar se queremos voltar às famílias cada vez mais desintegradas ou construir famílias integradas e funcionais.

Paradoxalmente, em tempos de pandemia a caridade e a consideração com o próximo se manifestam em meio ao distanciamento físico. Os vínculos sociais e os laços afetivos fora da nossa família nuclear devem ser conservados e, se possível, desenvolvidos remotamente.

Independentemente das dificuldades, é fundamental compreender que nosso principal desafio não é idealizar planos para “ficarmos próximos enquanto estamos distantes”, mas nos reencontrarmos com aqueles que sempre nos foram próximos e pareciam estar distantes.

Além das situações singulares que cada família enfrenta, a pandemia é uma oportunidade para recuperar e fortalecer nossa família nuclear.

Resolver problemas latentes no núcleo familiar, afinar a comunicação com cada membro, revisar prioridades, projetos e metas comuns, compreender que a identidade de cada membro enriquece a identidade do núcleo e valorizar o privilégio de viver e crescer acompanhados são tarefas inadiáveis.

4 Sociedades com visão transcendental

Finalmente, devemos discernir se queremos voltar às sociedades marcadas pelo imediato, o material e o efêmero ou se queremos construir sociedades a partir de pessoas com maior profundidade espiritual e melhor compreensão do transcendental.

Parafraseando o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, com a pandemia “a narrativa da ressurreição dá lugar à ideologia da saúde e da sobrevivência”. Sem entender que se movem em diferentes níveis do saber, a virologia quer se impor sobre a teologia.

Porém, a fortaleza espiritual permite, segundo Santo Inácio de Loyola, “transformar a felicidade dos tempos de tranquilidade e sucesso em paciência durante os momentos de dificuldade e provação”.

Se a pandemia conseguiu nos ensinar isso, mesmo que na marra, teremos passado por um tempo de preparação muito proveitoso, parecido com uma árvore que, depois de podada, dá mais e melhores frutos.

O Dr. Sánchez Campos conclui:

“Não podemos desperdiçar a crise que enfrentamos, conformando-nos somente com uma volta à nova normalidade. A situação nos impõe que, a partir do momento que aprendemos e tomamos melhores decisões no que se refere ao modelo de desenvolvimento, sistema político, relações familiares e crescimento espiritual, passaremos a ser construtores do novo normal que passaremos a viver. Superar a pandemia não é somente sair vivos da provação, mas também sairmos mais fortes, mais sensíveis, mais sábios e mais bem preparados.”


GIRL

Leia também:
Conselhos práticos para viver o ‘novo normal’

Tags:
FamíliaPandemiaPolíticasolidariedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia