Aleteia

Ninguém tem o direito de nos roubar de nós mesmos

SAD WOMAN,
fizkes | Shutterstock
Compartilhar

Você já teve a sensação de não se reconhecer? Isso acontece quando alguém nos rouba de nós mesmos. Nesses casos, precisamos nos reencontrar

Você já se perguntou em algum momento: “Para onde foi aquela pessoa sonhadora que eu era?”. Ou então: “Quando eu me tornei assim? Eu era tão diferente!”
Em algum momento da vida, você já deve ter se perdido de você mesmo – assim como eu. São processos, dores, despedidas, sonhos adiados, promessas não cumpridas e expectativas frustradas que fazem com que percamos o que de mais precioso nós temos: nós mesmos.
Quando isso acontece, o que nos sobra é vazio. É tristeza. É solidão.
Perdemo-nos de nós mesmos tão rapidamente como um sopro, e quando percebemos, já não somos mais os mesmos. Nestes momentos, quando passamos a ter a real consciência de que nos perdemos pela jornada, é necessário nos reencontrarmos novamente. Para isso, precisamos voltar a momentos – muitas vezes – doloridos, para que possamos descobrir em qual momento de nossa jornada nós simplesmente nos deixamos para trás.
Só nos tornaremos completos, seguros e completamente felizes quando formos capazes de nos devolvermos a nós mesmos. No amor, despedidas acontecem como num passe de mágica. É a realidade. Contudo, quando a despedida acontecer, deixe com que o outro leve tudo, menos você. Ninguém tem o direito de nos roubar de nós mesmos.
Boletim
Receba Aleteia todo dia