Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

A série de televisão Dark, a pandemia e Deus que nos fala

ayhanmustafa / Shutterstock.com

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 09/08/20

O que explica o êxito de uma série que obriga os espectadores a estudarem e manterem uma atenção que lembra um vestibular de física?

Atualmente, o maior sucesso da TV mundial é a série Dark, tão genial quanto difícil, uma produção alemã da Netflix, avaliada pelos críticos como a melhor da plataforma de streaming. Vale-se de conceitos da física quântica, que tornariam possíveis viagens no tempo e entre universos paralelos, explorando suas implicações lógico-filosóficas e ficcionais. Afora o fato de ser uma série muito bem construída, em termos de roteiro, ambientação e interpretações, o que mais explica o êxito de uma série que obriga os espectadores a estudarem e manterem uma atenção que lembra um vestibular de física?

Em primeiro lugar, uma nostalgia inegável pelo mistério do mundo, a intuição de que as coisas não são só aquilo que parecem a nossos olhos. Ao longo da história das civilizações, o ser humano continuamente criou e recriou mitos, fábulas e teorias para dar conta dessa sua percepção de que um “totalmente Outro” se esconde, fascinante, nos paradoxos e surpresas da realidade. É a percepção da existência de Deus, gravada por Ele em nosso coração, que se manifesta com maior ou menor clareza em diferentes ocasiões.

Por outro lado, a física quântica e a imaginação de ficcionistas e filósofos levaram a percepção da relatividade do mundo a um novo patamar. Ao longo do século XX, o relativismo consolidou-se proclamando que não existiriam fatos precisos, mas apenas “narrativas”, versões diferentes, dadas por autores diferentes, para os acontecimentos. Paralelamente, não haveria respostas certas ou ideias verdadeiras, pois cada versão comportaria sua própria verdade.

A nova relativização da realidade, que saiu dos meios teóricos e ganhou as ruas na virada do século XX para o XXI, é bem ilustrada pela teoria da dualidade entre matéria e energia: uma partícula pode ter simultaneamente os caráteres de corpo material e forma de energia. A relatividade é fruto de nossa incapacidade de ver toda a complexidade do universo, as várias possibilidades que coexistem ao mesmo tempo. Num certo sentido, a visão relativa das coisas ampliou-se, pois agora refere-se à própria realidade material e não só aos acontecimentos humanos; mas, em outro sentido, se reestabelece um absoluto, que é esse mundo multifacetado ao qual nossa sensibilidade cotidiana não tem acesso.

Voltando a Dark, a série se nutre justamente desse fascínio pelo mistério e por essa recém-descoberta complexidade do real. A isso se soma uma boa dose de suspense e até terror, ecoando nosso medo ancestral do desconhecido. E, nesse aspecto, a série – com temporadas lançadas em 2018, 2019 e 2020 – se encerra num momento emblemático para o mundo.

A pandemia lançou-nos em um mundo de incerteza. Um evento único, que pareceria insignificante, um vírus que se adaptava a um novo hospedeiro, mudou nosso futuro e nossa percepção da realidade. Nossas expectativas, nossos sonhos, nossos projetos, a casa nova, a viagem de férias, o trabalho e o casamento, a educação dos filhos e a aposentadoria, nada mais será o mesmo. Em tudo pisamos no terreno escorregadio da dúvida e da incerteza – justamente como acontece com os personagens da série alemã. Dark simboliza, simultaneamente, esse tempo fugaz de incerteza e nossa percepção, indelével e permanente, do mistério.

Compreender o quanto a realidade é relativa (absoluto é só Deus) e o quanto nossa vida é incerta, não são, em si, coisas ruins. O problema é se essa percepção da relatividade e da incerteza nos abre para uma busca, cheia de esperança e confiança, pela Verdade e pelo Amor; ou se nos mergulha no cinismo relativista, que nos acomoda em um mundo autocentrado, e no desespero diante da incerteza.

Obras de ficção podem ser convites para se aproximar de Deus ou distrações que não deixam ouvir o Seu chamado no real. O Senhor sempre nos “primereia”, isto é, toma a iniciativa, diz o Papa Francisco na Evangelii Gaudium (EG 24). Ocasiões tão insuspeitas, como uma série de TV ou uma epidemia, podem ser ocasiões onde essa iniciativa de Deus se manifesta. Cabe a nós ficarmos atentos, para não deixar de ouvir Sua voz.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ArteCinemaCoronavírusPandemia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia