Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como a cultura pornográfica deseduca os jovens para o sexo

HOLDING HANDS

Burst | Pexels CC0

Octavio Messias - publicado em 17/08/20

Modelos de relações mecânicas e performáticas impede com que se estabeleçam conexões verdadeiras

A cultura dos filmes pornográficos – que se tornou muito mais popular com a internet – presta um enorme desserviço à educação sexual de milhões de jovens em todo o mundo. A indústria pornô está criando uma geração de ansiosos e sexualmente frustrados.

Psicólogos e urologistas demonstram preocupação por meninos – tão jovens quanto 12 anos – estarem fazendo uso recreativo de medicamentos como Viagra (originalmente destinado a idosos).

No Reino Unido, grande parte da publicidade do comprimido é destinada ao público jovem.

Especialistas alertam para o risco de dependência psicológica, que vem se tornando cada vez mais comum entre adolescentes e adultos, e quanto aos efeitos colaterais do medicamento, com risco ao coração. 

A explicação para esse fenômeno é que, impressionados com o modelo de virilidade sustentado pela cultura pornô, os jovens tentam reproduzir tais performances – mal sabem eles que astros pornô já tomavam substâncias para turbinar a ereção, muitas delas mais perigosas à saúde, décadas antes do lançamento do Viagra, em 1998.

Além de estabelecer um padrão não natural de homem que coloca a saúde física e psicológica em risco, a cultura pornô ensina como fazer sexo da maneira errada.

Sexólogas cada vez mais apontam como o prazer da mulher está relacionado a carícias e a sutilezas, e os homens chegam na cama achando que vão agradar reproduzindo uma série de movimentos mecânicos.

Mais do que isso, a indústria pornô está criando uma legião de maus-amantes.

Sexo de qualidade está muito mais relacionado a intimidade conjugal, carinho, cumplicidade, conexão.

A repetição de movimentos descompassados em série consiste, no máximo, em uma masturbação a dois. Não é como se atinge o vínculo simbiótico gerado pela união carnal. 

Por isso recomenda-se que os pais conversem sobre sexo abertamente com os filhos sobre todo tipo de questão, inclusive as de natureza sexual, e os orientem. Disso surgirão adultos mais felizes e saudáveis, capazes de estabelecer vínculos profundos.




Leia também:
Meu marido é viciado em pornografia, o que devo fazer?

Tags:
AmorCasamentoSexualidade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia