Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Em foco

De "Dark" a Hitler: haveria sentido em matar um bebê para "mudar o futuro"?

Adolf Hitler infância

Deutsches Bundesarchiv / Wikimedia Commons (CC)

E. Chitolina - publicado em 17/08/20

42% dos respondentes à enquete matariam um bebê inocente para punir um adulto criminoso que ele não necessariamente precisaria tornar-se

Filmes e séries televisivas sobre viagens no tempo têm feito sucesso há décadas.

No final do século passado, as franquias “De Volta para o Futuro” e “O Exterminador do Futuro” garantiram vaga em muitas listas de clássicos da ficção científica.

A partir de 2005, “Lost” hipnotizou uma legião de espectadores com os entrecruzamentos de diversas espirais de tempo que permitiam que a mesma pessoa se mantivesse no presente da sua própria cronologia de vida e, simultaneamente, no passado de outra linha do tempo paralela, o que, em tese, permitiria que ela interferisse em eventos ocorridos muito tempo antes para tentar impedir as suas consequências.

Pelo menos foi com essa ideia que o protagonista retornou de 2007 a 1977 para tentar explodir a ilha na qual seu avião tinha caído em 2004: se a ilha não existisse mais, avião nenhum poderia cair nela.

Já a série espanhola “O Ministério do Tempo“, que estreou em 2015, propôs a abordagem oposta: os funcionários de um departamento ultrassecreto do governo da Espanha viajariam ao passado para impedir que outros viajantes do tempo alterassem a História tal como a conhecemos.

De 2017 a 2020, foi a vez da alemã “Dark” fazer barulho mundo afora com as suas viagens pelo tempo que se transformaram em sufocantes aprisionamentos em realidades alternativas com estética de pesadelos: assim como em “Lost”, os personagens queriam modificar acontecimentos do passado para tentar apagar as suas derivações futuras, mas, ao intervirem no que já tinha ocorrido e não era mais modificável de fato, acabavam dando início a ramificações cronológicas paralelas, com desdobramentos que apenas colocariam em novos contextos a ocorrência de tragédias iguais ou semelhantes às que tentavam impedir.

A visão de mundo marcadamente schoppenhaueriana-nietzschiana-hermética apresentada pelos roteiristas de “Dark”, aliás, considera impossível fugir do eterno retorno do sofrimento, porque “é assim que o mundo foi criado”. Para essa visão reducionista, a única forma de “resolver” completamente a dimensão dolorosa da própria existência é nem sequer existir. Um pessimismo existencial tão extremo leva diversos personagens a matar ou matar-se como se não houvesse nenhuma alternativa, e se revela, no fim das contas, a verdadeira e obscura essência da série, mais do que as licenças poéticas cientificistas que lhe deram um suposto ar de sofisticação acadêmica.

Não à toa, o título é “Dark” em vez de “Zeit” ou qualquer outro termo genérico ligado ao tempo, seu alegado tema principal. O mundo irreal de “Dark” está preso nos meandros tenebrosos de uma ideia doentia e, felizmente, mentirosa: a de que a vida gira sem sentido em torno ou dentro de uma caverna escura, da qual não existem saídas luminosas.

De “Dark” a Hitler

Continuemos nesse universo fatalista alemão, mas passando de seus filósofos pessimistas e da sua série sombria para um exercício de teoria moral: imagine que, assim como os personagens de “Dark”, você pudesse viajar ao passado e encontrar Adolf Hitler quando ele ainda era bebê.

Você já sabe que, quando crescesse, aquele bebê se tornaria um dos monstros mais insanos e cruéis de todos os tempos, responsável pela tortura e pelo extermínio de milhões de pessoas na pior de todas as guerras já causadas em toda a história da humanidade.

Você teria, diante dos seus olhos e ao alcance das suas mãos, a chance de tentar impedir uma das mais devastadoras ondas de sofrimento e destruição que já varreram a nossa história.

Você mataria aquele bebê?

Adolf Hitler infância
Deutsches Bundesarchiv / Wikimedia Commons (CC)

Esta foi a crua e controversa pergunta colocada pelo New York Times (NYT) aos leitores da sua seção Magazine em outubro de 2015, bem antes das emaranhadas idas e vindas de “Dark”, mas no embalo de um artificial frenesi gerado na época pelo fato de que era justamente aquele o “mês do futuro” para o qual haviam viajado os protagonistas de “De Volta para o Futuro 2“.

Pelo resultado da enquete, veiculado via rede social pela publicação norte-americana, 42% dos leitores responderam que matariam, sim, aquele garotinho. 30% disseram que não o matariam e 28% não souberam dizer o que fariam.

Predestinação versus livre arbítrio

Pesquisas via internet, em geral, têm rigor científico discutível, mas essa enquete dá indício de que bastante gente parece assumir como válida a incidência da “predestinação” nos rumos de uma vida: de acordo com essa perspectiva, o indivíduo estaria “condenado” a se tornar alguém pré-definido irremediavelmente por um roteiro ineludível, como se não tivesse livre arbítrio e como se nada pudesse alterar a sua trajetória – exceto, talvez, a solução radical da sua eliminação da existência.

É uma concepção do ser humano que ignora a sua liberdade de escolhas, e, portanto, a sua capacidade de agir bem ou mal com base nas próprias decisões conscientes e no exercício imputável da própria vontade, e não num cego destino escrito por alguma inteligência etérea e nebulosa, como a que teria traçado as tragédias de Laio, Jocasta e Édipo (ou obrigado o próprio Sófocles a concebê-las e levá-las ao teatro).

A própria pergunta colocada pelo NYT contém em certo grau essa pré-concepção fatalista, e não só esta: contém ainda a pré-concepção de que matar o bebê Hitler extinguiria de antemão não só os atos do Hitler adulto, mas também as suas consequências. Mesmo “Dark” e “Lost” sugerem, porém, que as ramificações derivadas de uma teórica “alteração do passado” podem muito bem não impedir tragédias do presente ou do futuro.

No caso de Hitler, o seu eventual assassinato quando bebê não seria garantia de que a humanidade, por outras vias caprichosas da história, não viesse a provocar em outros contextos e com outros agentes a Segunda Guerra Mundial e todas as aberrações derivadas dela durante e depois. Mudar uma variável pode mudar a conta, mas não necessariamente os seus resultados negativos.

O agir e o ser

Esta reflexão, além do mais, é apenas uma parte do que merece ser discutido a partir da provocação da enquete do NYT: em vez de nos atermos às potenciais alternativas ao “agir” de Hitler, é significativo pensar também nas potenciais alternativas ao “ser” de Hitler.

Acaso ele precisava tornar-se o monstro que veio a ser, ou poderia ter escolhido ser um homem bom e justo? Esta pergunta leva espontaneamente a outra: a única forma de agir na sua infância para impedir que ele se tornasse um monstro precisaria ser o infanticídio?

42% dos respondentes à enquete do NYT matariam um bebê inocente para punir um adulto criminoso que ele não necessariamente precisaria tornar-se. Isto revela uma preocupante e sombria propensão de um número considerável de pessoas a enxergarem “pré-programações” absolutas na índole do ser humano, interpretado neste caso como a versão completa do “lobo do homem” descrito por Thomas Hobbes a partir da expressão dramatúrgica de Plauto.

O ser humano reduzido a um recorte de dados

O cenário se torna ainda mais preocupante quando sabemos que a nossa época nos acostumou a indexar a todos com base em dados indicadores e alegadamente preditivos de virtualmente tudo o que um indivíduo terá, dirá, fará ou será em decorrência de um determinado recorte de dados – ao mesmo tempo em que, paradoxalmente, influenciados por correntes ideológicas que misturam na mesma salada umas pitadas de mecânica quântica e outras de ética teórica, dizemos crer que tudo é relativo e que nem sequer existe a objetividade, mas somente perspectivas e narrativas.

Só esta contradição, entre as muitas em que transitamos fingindo não notar, já escancara que vivemos de fato em “realidades paralelas”, desdizendo-nos despudoradamente conforme as conveniências momentâneas: por um lado, pontificamos de modo bastante cego as previsões computacionais que avalizamos porque são “fundamentadas em fatos”; ao mesmo tempo, mas num incoerente universo paralelo, negamos a premissa básica da própria previsibilidade, que é o fato de existirem os fatos, já que reiterativamente pregamos a narrativa de que só existem narrativas (ou hermenêuticas, quando queremos ser adicionalmente pedantes).

Milhares de empresas, alheias a esta salada de contradições (e hipocrisias), pagam milhões de dólares por “inteligência” a nosso respeito – e, com base nessa “inteligência”, nos catalogam como “bons” ou “maus” e se arrogam o arbítrio de predestinar-nos conforme parâmetros econômicos, políticos e ideológicos focados em interesses que pouco provavelmente serão os nossos.

Se isto em si mesmo já é grave o suficiente para merecer reflexões (e ações) bastante sérias, é ainda mais grave constatar que, quando os “metadados” indicam que algo ou alguém é ou será “mau” a partir de um ponto de vista relativo, mas absolutizado, uma notável parcela das pessoas aceita essa catalogação com muito pouco senso crítico: 42%, no caso da brincadeira de “eugenia bem intencionada” da New York Times Magazine – uma abjeta contradição, aliás, não apenas em termos.


China social credit

Leia também:
“1984” em 2020: os estarrecedores “créditos sociais” da China para controlar o povo

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CiênciaFilosofiaIdeologiamoraltelevisao
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia