Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconAtualidade
line break icon

A batalha jurídica pelo direito à vida do filhote da égua Flor: "embrião é vida"

cavalo

Pexels | CC0

Imagem ilustrativa

Reportagem local - publicado em 20/08/20

É uma "luta pelo direito de nascer", resume o advogado que defende a égua e seu filhote contra determinação de eutanásia

De acordo com notícias veiculadas pela imprensa brasileira em julho, o presidente das Comissões de Proteção e Defesa dos Animais da OAB-RJ e da OAB-Nacional, Reynaldo Velloso, ingressou com processo no Ministério da Agricultura para tentar impedir a eutanásia da égua Flor e, por conseguinte, a morte do seu filhote, cujo nascimento está previsto para dezembro.

O contexto do caso: uma situação meramente normativa

Reynaldo Velloso foi procurado por uma família de Friburgo, RJ, que havia resgatado o animal já bastante debilitado. A égua Flor sofre de anemia equina. Existe uma instrução normativa que determina a eutanásia nesses casos para evitar a contaminação de outros cavalos, que são o único alvo da doença – ela não atinge os humanos.

O embasamento do caso: a óbvia realidade da vida do embrião

Velloso declarou, conforme veiculado pelo jornal carioca Extra, do grupo Globo:

“Estudos no mundo todo já comprovaram que os filhotes podem nascer sem a doença e perfeitamente saudáveis, o que motivou a luta pelo ‘direito de nascer’, que é como o recurso está sendo chamado. É uma ação inédita. Vamos à Justiça, se preciso for, para salvar o filhote e sua mãe”.

É louvável o reconhecimento da existência do direito de nascer.

O que não se entende com a necessária clareza e objetividade é a razão pela qual a mesma justiça que o reconhece no caso dos cavalos se enrede em tantos emaranhados ideológicos contraditórios para negá-lo em milhões de casos de seres humanos, sobretudo naqueles casos em que, a exemplo do filhote da égua Flor, eles “podem nascer sem doença e perfeitamente saudáveis”.

No recurso para suspender a eutanásia obrigatória pela normativa atual, o advogado Reynaldo Velloso se baseia, sempre segundo o jornal Extra, na constatação de que “o embrião é vida e deve ser respeitado como tal”.

E ele tem completa razão: o embrião é vida e deve ser respeitado como tal.

O que não se entende com a necessária clareza e objetividade é a razão pela qual a mesma justiça que o reconhece no caso dos cavalos se enrede em tantos emaranhados ideológicos contraditórios para negá-lo em milhões de casos de seres humanos, apelando para malabarismos teóricos anticientíficos que tentam contradizer a biologia para mentir que um ser humano vivo em seus estágios iniciais de desenvolvimento não é um ser humano vivo em seus estágios iniciais de desenvolvimento.

Velloso, ainda segundo o jornal carioca, faz votos de um final feliz para o filhote e para Flor, que é considerada a impetrante do processo jurídico:

“Que possa a impetrante felicitar-se com o seu rebento, assim como as mães humanas se deleitam com os seus descendentes”.

Que seja assim. Afinal, “o embrião é vida e deve ser respeitado como tal”.

Os enviesamentos ideológicos das discussões sobre a natureza do embrião

A natureza do embrião como vida não tem sido tão claramente reconhecida num debate mais amplo sobre a vida em gestação, em particular no caso do ser humano. Têm sido discutidos, muito mais frequentemente, aspectos casuísticos e circunstanciais para tentar forçar generalizações. Em algumas dessas circunstâncias, embora não em todas, pode ser muito bem aplicado o princípio do “mal menor”: por exemplo, em casos extremos de luta pela vida de mãe e filho, é lícito priorizar salvar a mãe ainda que, em decorrência da sua salvação, o filho infelizmente venha a falecer – desde que a morte do filho seja efeito inevitável e indesejado da lícita defesa da vida da mãe, mas nunca um fim buscado em si mesmo.

O fato que não tem sido destacado com a necessária objetividade científica é que, independentemente das casuísticas e circunstâncias da gestação, “o embrião é vida e deve ser respeitado como tal”. Isto vale para todos os casos: para aqueles em que se aplica o princípio do mal menor e, obviamente, também para aqueles em que nem sequer esse princípio pode ser evocado. A natureza viva do embrião é necessariamente evidente em si mesma, dado que a vida não surge por autogênese nem começa magicamente a partir da semana X por arbitrária determinação das preferências ideológicas vigentes em tal momento ou em tal local. A realidade biológica se impõe a quaisquer narrativas, em quaisquer discussões que se pretendam científicas de fato.




Leia também:
Provas científicas: embrião se comunica com mãe desde primeiros instantes de vida

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EutanásiaJustiçaVida
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia