Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Pandemia me fez deixar muitas coisas para trás, incluindo alguns relacionamentos

WEB3-MAN-WOMAN-GREET-COVID-MASK-ELBOW-shutterstock_1783183964-Mark-Nazh.jpg

Cerith Gardiner - publicado em 20/08/20

É um bom momento para fazer as escolhas que podem nos ajudar a abrir mão de afetos e amizades que não são saudáveis ​​e a criar novos

A pandemia mudou a nossa forma de interagir com o mundo e com as pessoas. Assim, afetou os nossos relacionamentos; de repente, começamos a passar muito mais tempo com algumas pessoas e muito menos com outras.

Tivemos a oportunidade não apenas de alterar os espaços que visitamos e ocupamos, mas também de fazer modificações neles.

Por exemplo, muitos de nós aproveitaram esta situação para organizar a casa e se livrar de coisas excessivas ou desnecessárias.

Escritórios e locais de trabalho também foram transformados pelas medidas de segurança e o “downsizing”, à medida que trabalhar em casa se torna mais comum.

Mas as circunstâncias da pandemia também tiveram um impacto significativo no mundo de nossos relacionamentos, causando uma série de mudanças neles.

A situação que vivemos nos permitiu perceber quem são as pessoas que estão sempre lá por nós e em quem confiamos. Algumas pessoas acabaram sendo uma bênção; já outras se afastaram.

Perder o contato com alguém pode nos deixar desapontados, tristes ou nostálgicos.

Um primeiro passo para a cura dessa tristeza é identificar quem são nossos relacionamentos mais importantes hoje, e avaliar se essas pessoas estão geograficamente próximas ou distantes.

Devemos analisar como estamos gerenciando as mudanças em nossos relacionamentos com eles e como podemos manter nossa conexão viva nas circunstâncias atuais e no futuro próximo.

Diferentes pessoas estarão abertas a diferentes graus e formas de contato, de acordo com suas particularidades e circunstâncias.

Interpretando equivocadamente os sinais

Quando presumimos que sabemos o que está acontecendo na vida da outra pessoa, não demonstramos apenas falta de empatia, mas também falta de humildade em pensar que sabemos o que é melhor para todos.

Para administrar nossos relacionamentos hoje, é necessário ter isto em mente: a maneira como as pessoas entendem “fazer a coisa certa” pode ser um pouco diferente de acordo com a avaliação do risco e percepções da realidade, incluindo o que e como pensamos, como vemos nosso mundo e como percebemos o perigo.

Algumas pessoas, talvez nós possamos ver pessoalmente, com os devidos cuidados; já outras, será preciso limitar o contato a mensagens e chamadas de vídeo.

Em meio a tudo isso, quando é necessário um esforço maior para manter os relacionamentos vivos, somos naturalmente convidados a nos perguntar quais casos valem realmente a pena.

A pandemia está nos permitindo fazer uma espécie de limpeza de nossos relacionamentos que pode nos ajudar a ser mais autênticos.

Podemos ver com quem realmente queremos passar o tempo e de quem precisamos nos despedir. Essas escolhas podem nos ajudar a abrir mão de afetos e amizades que não são saudáveis ​​e a criar novos.

Deixar ir embora

Qualquer pessoa que já perdeu seu telefone celular sabe como é perder suas conexões. Todos os nossos contatos estavam lá.

Podemos recuperar toda a nossa lista de contatos, mas provavelmente aqueles que se reconectaram espontaneamente em uma ou duas semanas são os que mais importam. Alguns virão depois e outros partirão para sempre, tendo cumprido certo papel necessário em determinado momento.

Terminar relacionamentos, mesmo aqueles que percebemos que não eram saudáveis ​​ou não eram essenciais para nossas vidas, pode ser doloroso.

Diante desse tipo de perda emocional, precisamos passar por um processo de cura no qual aprendemos a nos desapegar e a ser mais realistas, deixando de lado falsas expectativas e absorvendo o que aprendemos ao longo do caminho.

Quando vemos que um relacionamento precisa terminar ou acabou, devemos tentar ser gratos pelas lições que aprendemos e lembrar as coisas boas que vieram dessa conexão, enquanto ela durou.

Talvez essa pessoa tenha mudado desde que a conhecemos, talvez porque ela mudou para outra fase da vida, ou porque precisa de algo diferente do que poderíamos oferecer a ela.

Podemos nos sentir tristes, mas precisamos reservar um tempo para observar e apreciar as coisas positivas.

Muitos de nós temos uma tendência natural de estar alertas para apontar apenas as coisas negativas ao nosso redor. Mas é muito mais benéfico reforçar nossa memória destacando e preservando o que há de bom.

Quando se trata de enfatizar o que é positivo, pode ser útil focar no momento presente e em nossos sentimentos de apreciação e gratidão pelas pessoas que fazem ou fizeram parte de nossas vidas.

Mesmo lidando com aqueles que não são mais amigos, nós deve tratá-los bem, com palavras amáveis e com uma menção em nossas orações.




Leia também:



SHY

Leia também:
Como superar a timidez e fazer amigos

Tags:
Amizade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia