Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Histórias Inspiradoras

Esquecido herói brasileiro: morre o Comandante Murilo

Reprodução Facebook

Aleteia Brasil - publicado em 28/08/20

Ele salvou a vida de 104 pessoas a bordo do voo VASP 375: o sequestrador queria lançar o avião contra o Palácio do Planalto em 1988

Faleceu nesta quarta-feira, 26 de agosto, o Comandante Fernando Murilo de Lima e Silva, de 76 anos. Ele foi o herói que, no dia 29 de setembro de 1988, salvou a vida de 104 pessoas, entre passageiros e tripulantes, a bordo do voo VASP 375, que cobria a rota de Porto Velho ao Rio de Janeiro com escalas em Cuiabá, Brasília, Goiânia e Belo Horizonte.

O sequestro

Na etapa final, quando o avião já voava de Belo Horizonte para a capital fluminense, o passageiro Raimundo Nonato Alves da Conceição sacou um revólver que, devido aos deficientes controles de segurança existentes na época, havia conseguido levar consigo para dentro da aeronave. Ele ameaçou tripulação e passageiros, acessou a cabine dos pilotos, matou o co-piloto Salvador Evangelista com um tiro na nuca, baleou dois tripulantes e mandou o Comandante Murilo desviar o avião para Brasília.

Raimundo Nonato, de 28 anos, declarou explicitamente o motivo do sequestro: ele queria lançar o avião contra o Palácio do Planalto, na capital federal, para assassinar o então Presidente da República, José Sarney. O sequestrador tinha perdido o emprego como tratorista devido a uma das dramáticas crises que sacudiram o país na década de 1980 e pretendia “vingar-se” matando o presidente de modo espetacular.

As ações do comandante

Ao ver o desequilíbrio do terrorista, o Comandante Murilo tentou negociar com ele para dissuadi-lo da ideia absurda. Diante da atitude irracional do sequestrador, o comandante chegou a executar uma arriscada manobra com o Boeing 737 denominada de tonneau: trata-se de fazer o avião girar no ar sobre o próprio eixo, deixando-o de cabeça para baixo. O objetivo do piloto era desequilibrar o sequestrador para dominá-lo, o que quase funcionou. Raimundo, porém, conseguiu manter a arma e se recompor rapidamente, dando continuidade ao pesadelo.

Um caça Mirage da Força Aérea Brasileira passou a acompanhar o avião, num episódio que, a essa altura, já estava sendo seguido ao vivo pela televisão, numa época pré-internet.

Próximo do Distrito Federal, o comandante precisou realizar outra manobra de risco: uma descida rápida em parafuso, de 9.000 pés para uma altitude adequada ao pouso em Goiânia, dado que o avião já estava quase sem combustível. A falta de combustível, aliás, foi o argumento principal com que o piloto convenceu o sequestrador a trocar de aeronave.

O dramático final

Com o Boeing em solo no aeroporto de Goiânia, o terrorista ainda mantinha o comandante como refém e exigia um avião menor para prosseguir com o plano suicida de assassinar José Sarney, muito embora, obviamente, o presidente já estivesse em segurança a essa altura dos acontecimentos.

A Polícia Federal (PF) já tinha cercado o aeroporto da capital goiana. Quando o terrorista tentava acessar um avião Bandeirante, o Comandante Murilo conseguiu se soltar e correr, mas foi baleado na perna. Nesse momento, um agente da PF alvejou Raimundo Nonato no quadril. O sequestrador foi levado a um hospital, onde morreu três dias depois por causas que até hoje são matéria de especulação.

Um herói pouco reconhecido

O Comandante Murilo foi condecorado com a Ordem do Mérito Aeronáutico, mas, conforme ele mesmo testemunhou, José Sarney nunca reconheceu o seu gesto heroico:

“Ele nunca me dirigiu a palavra. Nunca me agradeceu. Mas não tenho mágoa. Estou tranquilo com minha consciência e sei que fiz meu papel”.

Estas palavras do comandante foram registradas em vasta reportagem do jornal O Estado de Minas por ocasião dos 30 anos do episódio, em 2018.

Em 2001, passados 13 anos desde o sequestro, o comandante recebeu o troféu Destaque Aeronauta do Sindicato Nacional dos Aeronautas por ter evitado aquela que poderia ter sido a maior tragédia da história da aviação no Brasil.

O Comandante Murilo atuou como piloto até os 60 anos. Ele faleceu em Armação dos Búzios, RJ, onde morava, e deixa esposa e dois filhos.

Que este profissional brasileiro, herói de um drama real que pareceria um filme de Hollywood, possa descansar em paz.




Leia também:
O bombeiro do 11 de setembro de 2001 que virou padre para salvar corpos e almas

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Valores
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia