Aleteia

12 atitudes que podem ajudar a superar a depressão

HAND, WINDOW, SUN
AlexMaster | Shutterstock
Compartilhar

Sofro de depressão severa. Sair da crise foi extremamente difícil, mas eu consegui e quero compartilhar minha experiência com você

1
Exercício físico

Voltei a correr, pois me faz muito bem. A maioria dos médicos ressaltam a importância de se exercitar. Mas você deve escolher algo que realmente goste e que faça por prazer, não por obrigação. Nada que é uma obrigação te ajuda em períodos de crise.

2
Escrever

Amo escrever e isso me alivia quando estou triste demais, cansada demais, feliz demais, ou qualquer coisa demais. Ajuda a esvaziar o copo que as vezes fica tão cheio que chega a transbordar. Então voltei a publicar meus sentimentos no meu blog que se chama Confusão de Pensamentos.

3
Ler

Assim como escrever, amo ler. Passei a ler muitas matérias sobre a Depressão e afins. Leio tudo que pode me ajudar a obter mais conhecimento. Leio livros. Enfim, o que dá para ler, eu leio. Rsrs

4
Youtube

Num certo dia tentei gravar um vídeo como forma de um desabafo, e isso foi algo muito difícil. Não sabia que não conseguia falar do assunto nem comigo mesma. E foi aí que resolvi quebrar essa barreira. Passei a gravar vídeos sobre minha experiência e a postá-los no meu canal no Youtube. Isso me fez muito bem e me ajudou a encarar a Depressão de frente e a perder o medo de falar sobre ela com as pessoas.

5
Estudar

Voltei para a Universidade, e a me dedicar ao TCC (trabalho de conclusão de curso). E comecei um curso de bombeiro civil, pois meu sonho é poder ajudar as pessoas de todas as formas. A responsabilidade me deu mais autoconfiança e esperança.

6
Trabalhar

Voltei a trabalhar em casa por enquanto, já que estou me dedicando exclusivamente ao término da Graduação. Mas mesmo assim, passei a me sentir mais útil, e hoje em dia estou me candidatando a vários empregos.

7
Enfrentar medos

Quanto mais medo eu tiver de algo, mais impulso eu darei para derrotá-lo. Minha fobia social estava me impedindo de sair sozinha. Não conseguia de jeito nenhum. Mas foi num belo dia que eu decidi quebrar esse medo e sai de casa para andar sozinha. No começo fiquei muito tensa e com vontade de chorar, mas com o passar do tempo percebi que meus medos eram apenas imaginação da minha cabeça. Hoje me sinto mais forte para encarar qualquer coisa. E não há medo que me impeça de tentar.

8
Desabafo

Hoje todos à minha volta sabem do que passei. Não tenho mais vergonha nem medo de assumir minha doença. Essa exposição me permitiu conhecer pessoas maravilhosas que também passam pelo que eu passo. Então eu já não consigo mais saber o que é sentir-se completamente só. Compartilhar histórias, dividir experiências, dar e receber apoio, é algo que ajuda e muito o meu bem-estar.

9
Amor-próprio

Nunca tive amor próprio e sempre me subestimei. A partir do momento que decidi que nada nem ninguém mais pisaria em mim, minha autoestima cresceu e hoje EU estou em primeiro lugar na minha vida. Não é egoísmo. É que se não estivermos bem, como poderemos ajudar os que estão do nosso lado?

10
Terapia

A psicóloga abriu minha mente. E foi a primeira pessoa pela qual eu desabafei e realmente senti que não estava sendo julgada. Tive apenas cinco sessões que contribuíram muito a minha melhora. E daqui um tempinho começarei uma terapia intensiva, que será de extremo proveito para a minha pessoa.

11
Remédios

Superar uma crise não é assim tão fácil, e sim, no começo eu precisei de remédios. Tomava três, onde dois cortavam meus pensamentos suicidas e o outro era um antidepressivo. Atualmente não me medico mais, porém não descarto a possibilidade de ter que voltar a tomá-los.

12
Mudança de visual

Esse item talvez seja bobo, mas foi algo que aumentou muita minha autoestima e me ajudou a superar mais a tricotilomania. Eu olhava para o espelho e tinha desprezo por quem via. Não conseguia me reconhecer mais. Foi quando realizei meu sonho e virei ruiva. Meus dias se tornaram mais coloridos depois disso.

(Via Psiconlinews)

Boletim
Receba Aleteia todo dia