Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconAtualidade
line break icon

ONU nomeia médica defensora da prostituição adolescente para alto cargo

Flickr / International Women's Health Coalition (CC BY-NC-ND 2.0)

Tlaleng Mofokeng

Reportagem local - publicado em 11/09/20

A ativista pró-aborto Tlaleng Mofokeng será Relatora Especial para o Direito à Saúde

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou a nomeação da médica pró-aborto, Tlaleng Mofokeng como Relatora Especial para o Direito à Saúde. O cargo, que será exercido durante 6 anos pela médica sul-africana, é considerado de grande influência.

Tlaleg Mofokeng foi oficialmente apresentada como “ativista pelos direitos das mulheres e da saúde sexual e reprodutiva”. Ela própria também afirma que “presta serviços de aborto há mais de uma década”, motivo pelo qual a sua nomeação foi prontamente saudada e apoiada por Álvaro Bermejo, diretor geral da Planned Parenthood, maior conglomerado multinacional de clínicas de aborto no planeta, envolvida em escândalos de tráfico de partes de corpos de bebês abortados e de recebimento indevido de verba pública destinada a apoiar pequenas empresas nesta crise do coronavírus.




Leia também:
Executivas de rede de aborto confessam venda de tecidos de bebês abortados


PLANNED PARENTHOOD

Leia também:
80 milhões para combater coronavírus foram para conta de multinacional de aborto

Reações fortes

Por outro lado, a organização norte-americana C-Fam (Centro para a Família e os Direitos Humanos), publicou neste 4 de setembro um artigo crítico no qual recorda que Tlaleg Mofokeng, além de promotora ideológica do aborto como “direito reprodutivo”, ainda fomenta a prostituição adolescente.

Em abril, de fato, Mofokeng foi fortemente criticada por mulheres vítimas de exploração sexual por ter publicado um artigo na revista Teen Vogue incentivando as adolescentes a considerarem o “trabalho sexual” como “mais uma opção de trabalho”.

No artigo, intitulado “Por que considero o trabalho sexual digno“, a recém-nomeada Relatora Especial para o Direito à Saúde da ONU afirma:

“O trabalho sexual e os direitos das profissionais do sexo também são direitos das mulheres, direitos à saúde e direitos trabalhistas, e constituem a prova de fogo do feminismo transversal (…) A ideia de comprar a intimidade e pagar por esses serviços pode ser positiva para muitas pessoas que precisam de conexão humana, amizade e apoio emocional (…) Algumas pessoas podem satisfazer certas fantasias e preferências sexuais escabrosas graças aos serviços das profissionais do sexo”.

Para o C-Fam, o cargo da médica ativista na ONU possibilitará que ela impulsione “a sua campanha para descriminalizar a prostituição em todo o mundo”.

Indignação entre organizações que combatem a escravidão sexual

Outras organizações internacionais que ajudam vítimas do tráfico humano também reagiram à nomeação dessa ativista pela ONU. Representando a Open Gate International e a Strike Out Slavery, Deidre Pujols destacou:

“É um mito persistente a ideia de que legalizar ou descriminalizar o sexo comercial iria reduzir os seus danos. Muitos afirmam que, se o comércio sexual fosse legal, regulamentado e tratado como qualquer outra profissão, ele seria mais seguro. Mas as pesquisas indicam exatamente o contrário. Os países que legalizaram ou descriminalizaram o sexo comercial tendem a sofrer um aumento do tráfico de pessoas, lenocínio e outros crimes relacionados”.

A vice-presidente do Centro Internacional de Exploração Sexual (ICOSE), Haley McNamara, mencionou um desses estudos, realizado nos Estados Unidos, segundo o qual 75% das mulheres prostituídas declararam ter sido estupradas por quem paga por sexo. Ela acrescenta:

“Os compradores de sexo não veem as mulheres que compram como pessoas dignas de respeito, mas como objetos subumanos para serem usados”.

O artigo da C-Fam observa que outras agências da ONU, como a ONU Mulheres, a UNAIDS e o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, vêm assumindo “posições neutras em relação à descriminalização da prostituição”.

A diretora Helen Taylor, da Exodus Cry, organização de combate à exploração sexual comercial, corrobora esta observação:

“A lei que a dra. Mofokeng defende despenaliza completamente todos os aspectos do comércio sexual, incluindo proprietários de bordéis e cafetões. A ONU deveria ser o último lugar onde se defendesse a legalização dos traficantes de pessoas e se apoiassem os consumidores que alimentam essa demanda”.

Uma das mulheres resgatadas pela Exodus Cry, Jewell Baraka, testemunhou a respeito:

“Sistematicamente, a violência é inerente à prostituição. A maioria das sobreviventes de violência sexual contam histórias não de escolha, mas de violência, engano e coerção, fatores que as empurraram para a prostituição e as impediram de abandoná-la”.

“Fale de sexo com a Dra. T”

Tlaleng Mofokeng foi co-fundadora e vice-presidente da Coalizão de Justiça Sexual e Reprodutiva da África do Sul. Em 2016, ela foi reconhecida pela Fundação Bill & Melinda Gates como uma liderança na área de planejamento familiar. Como não é inusual que médicos alinhados a ideologias pró-aborto recebam espaço diferenciado na mídia, Tlaleng Mofokeng também é apresentadora do programa televisivo sul-africano “Fale de sexo com a Dra. T”.

Com informações da agência ACI Digital




Leia também:
“Super-freiras” da aliança Talitha Kum lutam contra o tráfico de pessoas na Índia

Tags:
IdeologiaSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia