Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
home iconReligião
line break icon

Cuidar dos doentes, aprendendo o que significa amar

EUTANAZJA

Photographee.eu | Shutterstock

Andrea Tornielli - publicado em 22/09/20

O Magistério sobre os temas do fim da vida reproposto pela carta "Samaritanus bonus", que contém acentos pastorais: a pessoa deve ser cuidada e cercada de afeto até ao fim

Incurável não é jamais sinônimo de “incuidável”: esta é a chave de leitura para compreender a carta da Congregação para a Doutrina da Fé “Samaritanus bonus“, que tem como tema “cuidar das pessoas nas fases críticas e terminais da vida”. O documento, diante de uma perda de consciência comum sobre o valor da vida e de debates públicos por vezes demasiados condicionados por casos individuais evidenciados pelas notícias, reafirma claramente que “o valor inviolável da vida é uma verdade básica da lei moral natural e um fundamento essencial da ordem jurídica”. Portanto “não se pode escolher diretamente de atentar contra a vida de um ser humano, mesmo que ele ou ela o requeira”. Deste ponto de vista, a arquitrave que sustenta “Samaritanus Bonus” não contém nada de novo: de fato, o Magistério disse repetidamente não a qualquer forma de eutanásia ou suicídio assistido, e explicou que a alimentação e a hidratação são suportes vitais a assegurar à pessoa doente. O Magistério também se manifestou contra a chamada “obstinação terapêutica”, porque na iminência de uma morte inevitável “é lícito tomar a decisão de renunciar a tratamentos que provocariam somente um prolongamento precário e penoso da vida”.

A carta propõe, portanto, de forma precisa o que foi ensinado pelos últimos Pontífices e tem sido considerado necessário face a legislações cada vez mais permissivas sobre estas questões. As suas páginas mais novas são as que têm um acento pastoral, que dizem respeito ao acompanhamento e cuidado dos doentes que chegaram à fase final das suas vidas: cuidar destas pessoas nunca pode ser reduzido apenas à perspectiva médica. Há necessidade de uma presença coral que os acompanhe com afeto, presença, terapias apropriadas e proporcionais e assistência espiritual. Significativas são as referências à família, que “precisa de ajuda e meios adequados”. É necessário que os Estados reconheçam a primária e fundamental função social da família “e o seu papel insubstituível, também nesta área, fornecendo  recursos e estruturas necessárias para a apoiá-la”, afirma o documento. De fato, o Papa Francisco recorda-nos que a família “sempre foi o ‘hospital’ mais próximo”. E ainda hoje, em muitas partes do mundo, o hospital é um privilégio para poucos, e está muitas vezes muito longe.

“Samaritanus bonus” mesmo que nos faça recordar o drama de muitos casos discutidos na mídia, ajuda-nos a olhar para os testemunhos dos que sofrem e dos que cuidam, para os muitos testemunhos de amor, sacrifício, dedicação aos doentes terminais ou a pessoas em persistente falta de consciência, assistidos por mães, pais, filhos, netos. Experiências vividas diariamente em silêncio, muitas vezes no meio de mil dificuldades. Na sua autobiografia, o cardeal Angelo Scola relatou um episódio que aconteceu anos atrás: “Durante uma visita pastoral a Veneza, um dia, enquanto saia da casa de uma pessoa doente, o pároco local apontou-me um senhor mais ou menos da minha idade com um ar muito discreto. Três semanas antes o seu filho tinha morrido, uma pessoa gravemente deficiente, incapaz de falar ou de andar, e que ele tinha carinhosamente cuidado durante mais de trinta anos, ajudando-o dia e noite e confortando-o com a sua presença constante. Único momento que se ausentava era nas manhãs de domingo, quando ia à missa. Diante desta pessoa senti um certo embaraço, mas como ocorre frequentemente a nós padres, senti-me obrigado a dizer algo. Deus o recompensará por tudo isso, balbuciei um pouco atordoado. E ele respondeu-me com um grande sorriso: “Patriarca, olha, eu já recebi tudo do Senhor porque Ele me fez compreender o que significa amar”.

(Leia aqui a íntegra da Carta Samaritanus Bonus)

(Vatican News)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
EutanásiaMorteVida
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia