Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

Documentário no Netflix traça panorama assustador das redes sociais

Snapchat

Snapchat ; application

Octavio Messias - publicado em 25/09/20

O Dilema das Redes mostra como as Facebook, Twitter etc. tiveram papel definitivo na polarização política e na disseminação de fake news 

Documentário mais comentado da pandemia, O Dilema das Redes, do diretor Jeff Orlowski, traça um panorama amplo, aprofundado e assustador do uso que fazemos de Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin, Pinterest etc. Disponível no Netflix, o longa foi inspirado no livro Dez Argumentos para Você Deletar Agora suas Redes Sociais (2018), de Jaron Lanier. As justificativas são realmente convincentes.

Como aponta o filme, só existem duas indústrias que se referem a seus clientes como usuários: o tráfico de drogas e as empresas de tecnologia. O Dilema das Redes faz o caminho desde o princípio, mostra como o Facebook partiu de uma lógica de valor de marca e com o tempo entendeu que poderia lucrar em cima de anúncios. 

Logo percebeu que seu maior bem, ou seu maior asset, para usar um jargão do meio, eram os dados que são coletados com a experiência do usuário, os algoritmos. Como diz a expressão, que é citada no filme: “Se você não está pagando pelo produto, você é o produto”. Existe uma área do conhecimento, chamada Big Data, que se debruça no estudo das relações entre essas informações que passaram a valer dinheiro alto nas mãos de grandes empresas. 

Esses dados foram inicialmente usados para engajar o usuário e torná-lo mais e mais viciado no uso das redes, problema que traz consequências cada vez mais graves, como jovens (e adultos) com problemas de ansiedade, atenção, concentração e depressão, que podem levar ao suicídio e atrapalham, inclusive, os relacionamentos interpessoais. 

Como explica um dos executivos que falam no filme, todos egressos de grandes empresas de tecnologia como Facebook, Google e Twitter, uma linha do tempo é desenhada de acordo com o princípio do reforço intermitente. De acordo com a teoria psicológica do behaviorismo, esse é o nome de quando um comportamento é reforçado sem frequência ou periodicidade fixas, o que deixa o cérebro dependente daquela dose moderada de dopamina que é descarregada quando aparece algo interessante. O que explica como ficamos vasculhando as redes sociais com o scroll compulsivamente até finalmente encontrarmos algo que prenda nossa atenção. Reações como o likes também reforçam esse comportamento. 

Com o aperfeiçoamento da análise dos algoritmos conseguiu-se não só interferir no tempo que o usuário passa diante da tela, como no seu comportamento de compra. Esses dados podem ser tão precisos a ponto de dizer mais sobre um usuário do que muitas vezes ele tem consciência de si mesmo. E como toda ferramenta poderosa, pode ser um perigo quando cai nas mãos erradas. 

Como vem ocorrendo notoriamente na política, em que os chamados bots (robôs) disparam conteúdos passando-se por humanos, as redes sociais tornaram-se ferramenta para a disseminação de fake news, perseguição de oponentes ideológicos etc. Ou seja, qualquer político pode implantar conteúdo de potencial viral e muitas vezes prejudicial sem precisar se expor. 

Além disso, as redes sociais são projetadas de uma maneira que gera a polarização. Por meio dos algoritmos (sempre eles), identifica-se a afinidade entre os usuários e regula-se para que eles só interajam entre si. Isso dá uma sensação de pertencimento e, ao mesmo tempo, de que um determinado grupo está do lado da verdade. Assim formaram-se as “bolhas”.

O que leva a humanidade a um impasse inédito, uma vez que nunca antes houve noções tão distintas de realidade ao mesmo tempo. Ao não regular informações falsas que dizem que a Terra é plana, por exemplo, as redes sociais criaram grupos que já não possuem os mesmos alicerces de realidade, não têm mais as premissas básicas de mundo que permitem um diálogo amplo ou universal. 

O documentário deixa uma perspectiva desanimadora: Se as nossas relações continuarem nesse passo, como a humanidade resistirá enquanto esses problemas não forem contidos? 

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CinemaInternetRedes sociais
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia