Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Outubro |
São João de Siracusa
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Algum dia voltaremos aos bons e velhos tempos de abraços e beijos?

COUPLE

Maksim Shmeljov | Shutterstock

María del Castillo - publicado em 30/09/20

A adaptação ao "novo normal" não é fácil, mas precisamos ter esperança e resiliência acima de tudo

A pandemia do novo coronavírus mudou o jeito de nos relacionarmos: abraços e beijos estão proibidos, enquanto máscara e distanciamento social são impositivos.

Quem nunca se pegou pensando: “Usar máscara é horrível. Não consigo mais ver a expressão das pessoas. Não posso mais abraçar ninguém”.

Essas são algumas das muitas preocupações que ouvimos sobre o uso de máscaras ou a necessidade de manter distância física dos outros.

Muitos se preocupam com o fato de as precauções adotadas por causa da pandemia do novo coronavírus estarem prejudicando a maneira como nos relacionamos e nos comunicamos. Assim, passamos a nos perguntar: “Por quanto tempo vai ser assim? Vamos nos tornar seres antissociais? O que estamos ensinando aos nossos filhos?”

Como enfrentar as mudanças

Em primeiro lugar, temos que pensar que as mudanças costumam nos estressar porque nos fazem perder nosso senso de controle e segurança. Somos criaturas de hábitos e rotina. Por isso pode ser difícil nos adaptarmos ao “novo normal” criado pela pandemia. Essa mudança é especialmente difícil, já que estamos acostumados a viver sem essas restrições que nos obrigam a nos comunicar e nos relacionar de maneiras limitadas e não naturais: nas telas, pelo telefone, com máscaras etc.

No entanto, se há uma coisa que a humanidade tem demonstrado ao longo da história é que as pessoas são capazes de se adaptar e evoluir. Isso significa que essa situação pode se tornar uma oportunidade de crescimento, inovação e desenvolvimento.

E aqui vai uma dica importante: praticar resiliência é uma estratégia-chave durante a pandemia. Ou seja: temos que abraçar a capacidade humana e nos adaptarmos a situações adversas, das quais mais tarde sairemos mais fortes.

O que nos torna resilientes

Uma importante fonte de resiliência é o amor, porque quando amamos deixamos nossa zona de conforto. Outra fonte de resiliência é nossa capacidade de pensar e raciocinar. Quando somos capazes de entender as causas e consequências de situações que trazem emoções dolorosas, conseguimos superá-las melhor. Essas duas capacidades são fundamentais em momentos como este.

Por outro lado, a compaixão pelos outros nos dá a motivação para enfrentar os desafios e continuar procurando as melhores maneiras de nos comunicarmos e nos relacionarmos com nossos entes queridos.

Mas será que algum dia seremos capazes de expressar nosso amor por meio do contato físico novamente? Claro que vamos! A história nos mostra que a humanidade emergiu de inúmeras crises que pareciam intransponíveis na época. Esta pandemia não será uma exceção.

Muitos países estão dedicando tempo e recursos para encontrar uma vacina. Junto com notícias que nos lembram de sermos cautelosos, também ouvimos informações esperançosas sobre os próximos tratamentos que nos trarão de volta à normalidade.

Até que isso aconteça, temos muitas alternativas à nossa disposição. Meios tecnológicos de trabalho e comunicação, visitas com máscaras e distanciamento social, ligações telefônicas são alguns exemplos.

A grande vantagem de lutar para ser resiliente diante das dificuldades é que desenvolvemos virtudes e forças fundamentais para o crescimento interior: confiança, paciência, temperança.

Em suma: devemos nos concentrar nesses motivos de esperança e alegria, confiando que mais cedo ou mais tarde, voltaremos a nos abraçar!


COVID

Leia também:
Acabe com a pandemia dentro de você antes que ela te mate


GIRL

Leia também:
Por que estamos exaustos da pandemia?

Tags:
CoronavírusPandemia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
3
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
6
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
7
JESUS
O São Paulo
Que os mortos enterrem seus mortos: o que Jesus quis dizer com is...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia