Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconReligião
line break icon

 As igrejas queimadas no Chile e a educação de nossos jovens

CHILE

Felipe Vargas Figueroa | NurPhoto via AFP

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 25/10/20

Está havendo, isso sim, um crescimento da violência por parte de grupos pequenos e um clima de raiva cada vez mais difuso

O Chile vive, já há algum tempo, um contexto de grande agitação social. É uma situação paradoxal. O país apresente um dos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) mais altos da América Latina, sugerindo que o povo vive relativamente bem, ao menos em comparação com seus irmãos latino-americanos. Contudo, é também um país altamente desigual.

Há décadas, vem passando por um processo de desenvolvimento econômico focado na eficiência econômica e nos mercados, onde o Estado abdicou de parte de suas funções de proteção social (exatamente o problema do paradigma neoliberal criticado por Francisco na Fratelli tutti, FT 163-169). Nenhum outro governo sul-americano avançou tanto numa perspectiva neoliberal quanto o chileno. O resultado dessa priorização do econômico não foi tanto o aumento da qualidade de vida e o bem comum, mas uma situação de piora da vida das pessoas e um clima de revolta com a dignidade humana ultrajada pelas dificuldades materiais crescentes.

A população, relativamente politizada, realizou – em 2019 – os maiores e mais violentos protestos sociais após a redemocratização do país (1988). Duas lições restaram desses protestos. A primeira é que o Estado, nas democracias ocidentais, não pode deixar de cumprir suas funções de proteção social, particularmente quando ainda existem bolsões de pobreza e desigualdades gritantes – sob o risco de arrastar toda a nação para o caos social. A segunda é que os protestos, por si, não conseguem conduzir o país para um futuro melhor. É necessário um clima de entendimento nacional e diretrizes claras de como mudar a situação, quais os sacrifícios pedidos à população na atualidade, quais ganhos devem ser alcançados e quando serão atingidos. Sem isso, a desordem gera apenas caos, sem levar à transformação. Além disso, a raiva e a frustração aumentam o ressentimento e estimulam os grupos violentos – que sempre são minoritários, mas se expressam com maior ou menor vigor dependendo da situação como um todo.

A estratégia da violência

Desde os anos ’80, espalhou-se pelo mundo uma tática que consiste na presença, em meio a protestos de massas, de grupos organizados e violentos, que realizam atos de vandalismo contra estruturas que consideram “símbolos do sistema opressor” –  bancos, lojas, prédios governamentais, estações de metrô e até… igrejas. Os militantes desses grupos, os chamados black bloc (grupo de preto, em alusão às roupas escuras e máscaras que costumam usar), são geralmente jovens que misturam um posicionamento ideológico anárquico com um profundo ressentimento e raiva das instituições sociais.

É nesse quadro que se deram os incêndios das igrejas de Assunção e São Francisco Borja, em Santiago, no domingo, 18 de outubro. Seguindo o roteiro de outros atentados feitos com essa mesma estratégia, o número de envolvidos é muito pequeno em relação ao conjunto de manifestantes: uns poucos militantes numa manifestação com milhares de pessoas. Não se pode extrapolar a mentalidade dos perpetradores desses atos para toda a multidão presente nas praças. Essas igrejas não foram queimadas porque está havendo uma onda ideológica cristofóbica no Chile. Porém, está havendo, isso sim, um crescimento da violência por parte de grupos pequenos e um clima de raiva cada vez mais difuso, que favorece e acoberta essas ações.

Contudo, uma outra questão deveria nos incomodar. As ideologias não conseguem se sobrepor aos fatos. Uma concepção ideológica (uma “falsa consciência”) penetra na mentalidade de uma pessoa porque aconteceram fatos que, de um modo ou de outro, fizeram com que essas ideias parecessem críveis. Se alguns jovens queimaram uma igreja, se quem estava em volta deixou isso ocorrer, é porque, na história de algumas pessoas, o cristianismo não foi apresentado como sinal do amor de Deus no mundo, que confirma e valoriza a dignidade de cada ser humano.

Não se trata aqui de defender os violentos e culpar os violentados. A imensa maioria dos católicos é vítima dessas atrocidades, que os comovem e ferem sua dignidade. Porém, se queremos evitar que essas coisas se repitam e se espalhem, temos que entender como chegam a acontecer.

O testemunho que nossos jovens precisam

No caso do Chile, a porcentagem de católicos na população caiu drasticamente após escândalos de pedofilia: três em cada 10 católicos deixaram de declarar-se como tal entre 2005 e 2014. Assim como no caso dos jovens que atearam fogo às igrejas, delitos praticados por poucos afeta a muitas. Por outro lado, os testemunhos positivos sempre chegam com muito mais dificuldade aos jovens.

Não adianta culparmos a imprensa. Os jornalistas são pessoas como todas as outras, noticiam aquilo que os impacta, são vulneráveis às ideologias quando não encontram os fatos que as desmentem. Jornalistas, professores, militantes políticos e jovens são formados tanto pelas ideias quanto pelos testemunhos que encontram. Quanto mais débeis forem os testemunhos, mas indefesos estarão tanto eles quanto os demais diante das ideologias.

Mas qual é o testemunho que vence as ideologias? Pensamos muitas vezes que é o testemunho da nossa coerência, da nossa adesão voluntarista aos princípios da fé e da moral. Pobres de nós! Somos todos pecadores e, portanto, falíveis. A inteligência da ideologia está em explorar justamente as falhas que acontecem com todos. O testemunho que não desilude é aquele do amor e da misericórdia recebidos e compartilhados. Aquele que encontrou um testemunho de amor sincero, gratuito e verdadeiro, nunca o esquece. Poderá, nos momentos da juventude, condená-lo por causa da falibilidade humana, mas – com o passar dos anos – irá compreendê-lo e admirá-lo cada vez mais. O testemunho da coerência vai se enfraquecendo com o tempo, o testemunho do amor vai se fortalecendo.

O fascínio despertado pelo Papa Francisco, como vimos em outro artigo, nasce justamente de sua capacidade de testemunhar o amor. É uma lição preciosa para todos nós cristãos de nosso tempo. Se queremos que nossos jovens não sigam ideologias que proclamam a violência e que se voltam contra a Igreja, temos que ser testemunhas vivas do amor de Cristo, que nos atinge e que, por nosso intermédio, pode atingir a todo o mundo.


Igrejas queimadas no Chile

Leia também:
Igrejas queimadas: bispos de língua espanhola se solidarizam com chilenos


Exorcista padre José Antonio Fortea

Leia também:
Demônio e queima de igrejas: exorcista diz que haverá “perseguição generalizada”

Tags:
PerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia