Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconReligião
line break icon

Como o verdadeiro católico vota?

voting

Joaquin Corbalan P | Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 25/10/20

Deixemos claro que a Igreja Católica não oferece apoio a qualquer partido político, pois por ser católica (= total) não pode reduzir-se apenas a uma sigla partidária

À Igreja cabe, enquanto mãe e mestra – ainda que sob perseguições –, orientar seus fiéis também quanto ao voto correto. Eis a razão deste artigo.

De início, deixemos claro que a Igreja Católica não oferece apoio a qualquer partido político, pois por ser católica (= total) não pode reduzir-se apenas a uma sigla partidária (= parte). Daí decorre que os fiéis são livres para optar por sistemas diversos de governo (monarquia, parlamentarismo, presidencialismo) ou apoiar partidos de centro, de direita ou de esquerda etc. Todavia, sempre que estejam em jogo temas de fé e moral, a mãe Igreja deve emitir seu juízo (cf. Gaudium et Spes, 75-76. Catecismo da Igreja Católica n. 2246). Aqui, apresentamos, portanto, quatro princípios inegociáveis que o verdadeiro católico jamais pode abrir mão na hora de votar.

  1. A defesa incondicional da vida desde a concepção até o seu fim natural. Em outras palavras, a justificação do aborto e/ou da eutanásia por um partido político e/ou candidato já os fazem indignos do voto do verdadeiro católico (cf. João Paulo II. Evangelium vitae, 1995, n. 63 e 65; Discurso do Papa Francisco na Assembleia Geral da ONU, 25/09/2020, online).
  2. A defesa da família como célula base da sociedade (cf. João Paulo II. Familiaris consortio, 1981; Francisco. Amoris laetitia, 2016). Deve haver a defesa do “casamento como uma união entre um homem e uma mulher; os direitos e deveres dos pais de educar seus filhos segundo suas convicções, ou seja, o respeito ao pátrio-poder” (Monsenhor Juan Cláudio Sanahuja. Poder global e religião universal. Campinas: Ecclesiae, 2012, p. 135; cf. Catecismo da Igreja Católica n. 2201-2233). Acrescente-se aqui a rejeição à ideologia de gênero que nega a natureza humana como foi criada por Deus (cf. Congregação para a Educação Católica. Homem e mulher os criou: para um diálogo sobre a questão do gender na educação. Vaticano, 2019, online).
  3. O repúdio ao laicismo. Este quase sempre se manifesta no ataque às expressões públicas das sadias convicções religiosas das pessoas (orações, símbolos religiosos em locais públicos, escritos católicos etc.). “Infelizmente permanecem ainda, inclusive nas sociedades democráticas, expressões de laicismo intolerante, que hostilizam qualquer forma de relevância política e cultural da fé, procurando desqualificar o empenho social e político dos cristãos, porque se reconhecem nas verdades ensinadas pela Igreja e obedecem ao dever moral de ser coerentes com a própria consciência; chega-se também e mais radicalmente a negar a própria ética natural. Esta negação, que prospecta uma condição de anarquia moral cuja consequência é a prepotência do mais forte sobre o mais fraco, não pode ser acolhida por nenhuma forma legítima de pluralismo, porque mina as próprias bases da convivência humana” (Pontifício Conselho “Justiça e Paz”. Compêndio da Doutrina Social da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2011, n. 572).
  4. A rejeição do comunismo/socialismo e a consequente defesa do princípio de subsidiariedade. Os Papas, de modo constante, sempre tiveram o comunismo como “intrinsecamente perverso” (Pio XI. Divini redemptoris, 1937, n. 58). Ainda que ele se apresente sob variadas formas de “socialismos” não pode ser aceito pelos verdadeiros católicos (cf. Pio XI. Quadragesimo anno, 1931, n. 111-125). Tal norma é válida até nossos dias (cf. Dom Estêvão Bettencourt, OSB. Curso de Doutrina Social da Igreja. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 1992, p. 168). A Igreja propõe o princípio de subsidiariedade. “Esse princípio indica que uma sociedade de ordem superior não deve assumir a tarefa própria de uma sociedade de ordem inferior; privando-a das suas competências, mas deve, antes, apoiá-la em caso de necessidade” (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Loyola, 2005, n. 403).

Se o (a) candidato(a) respeita esses princípios, ainda que não seja católico(a), merece o nosso voto. Que o Divino Espírito Santo nos inspire nas escolhas! Amém.

Vanderlei de Lima

Tags:
Política
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia