Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 25 Novembro |
São Pedro Yi Ho-Yong
home iconAtualidade
line break icon

O que fazer quando um familiar ou amigo está em uma seita?

© violetkaipa/SHUTTERSTOCK

Vicente Jara - publicado em 30/10/20

Conheça algumas pautas para saber como agir, sem jamais perder a esperança de ajudar a pessoa a discernir a verdade

É possível ajudar um familiar ou amigo a sair de uma seita. Não podemos perder a esperança. Porém, isso não significa um ato concreto, e sim um processo – muitas vezes longo e doloroso. Em tal processo, é preciso envolver a família, os amigos e os especialistas em seitas e psicologia clínica.

A seita não é um bom lugar

A seita, nenhuma seita, apesar de haver graus de periculosidade, jamais será um lugar adequado para se estar. Sabemos, além disso, que é possível sair de uma seita. Muitas pessoas permanecem, mas muitas outras conseguem sair.

Em suma, quando o grupo já não satisfaz as expectativas da pessoa, e esta percebe que lá fora ela pode se realizar, e além disso há um gatilho capaz de vencer o medo da mudança, a pessoa consegue sair. Não é fácil; é um processo difícil e doloroso. Inclusive, há seitas que impedem a saída dos seus membros, sob ameaças e coerções de todo tipo.

Diferentes tipos de seita, diferentes tipos de saída

Hoje em dia, dentro dos grupos sectários, existem muitos que são de estrutura menos rígida, mais "light", mais volúveis, permeáveis, tanto na forma de entrar como de sair. Falamos dos grupos, oficinas e atividades da Nova Era. Nelas, as pessoas entram e saem com grande liberdade, deixam um grupo ou guru e vão para outro, de maneira mais fácil que em uma seita organizada.

Vão perdendo o dinheiro de lugar em lugar, e satisfazendo desejos e frustrações de curso em curso, de oficina em oficina – com propostas pseudoespirituais, mágicas e de cura e interioridade. Não obstante, o que apresentamos aqui vale tanto para estas seitas New Age como para os grupos clássicos, mais organizados e estruturados.

A resistência a mudar para sair da seita

As seitas sempre enganam, mas também oferecem a promessa de suprir as necessidades dos adeptos. São necessidades não satisfeitas da pessoa, que a levam a continuar no grupo, inclusive apesar de ver as manipulações e enganos, mas justificando-os e permanecendo no grupo sectário.

As seitas são lugares que impedem, em maior ou menor medida, o fluxo e movimento de informação com o exterior; controlam os sentimentos, comportamentos e pensamentos do adepto mediante processos de prêmio e castigo, anulação do senso crítico e coerção psicológica; difundem a crença de que o exterior é ruim e o interior (o grupo) é bom, que só neles se encontra a verdade e lá serão salvos, que o líder é quem conhece os destinos e é onisciente, e que só ele é capaz de dar luz e respostas. O medo de romper os laços com a seita às vezes é um grande impedimento para muitas pessoas.

Algumas pautas gerais para ajudar uma pessoa a sair de uma seita

Apresentamos alguns princípios gerais, que deverão ser colocados em prática em cada caso concreto dentro do processo de ajuda.

– Grande envolvimento dos familiares, amigos, professores, agentes de pastoral, padres etc., que possam ser de ajuda e confiança para o afetado.

– Contar com a ajuda de especialistas em seitas, psicólogos e, às vezes, de advogados, segundo as necessidades de cada caso.

– Não é um ato, mas um processo, às vezes lento e doloroso, com recaídas e retrocessos. Não perder a esperança. A entrada não foi pontual, mas gradual. Por isso, é preciso ir com calma, conhecendo todas as causas que levaram a pessoa à seita.

– Às vezes, o afetado estava fugindo de uma situação familiar ou social, ou buscando o que não tinha no seu ambiente. É preciso sanar e restabelecer as condições prévias para acomodar a pessoa no ambiente do qual talvez fugiu.

– Não qualificar o grupo como seita, pois isso sempre tem uma conotação negativa. Falar apenas de "grupo".

– A pessoa deve ir, pouco a pouco, reconhecendo o grupo como seita, mas sozinha, nunca de maneira diretiva por parte de outros.

– Jamais cortar a comunicação com o afetado. Estar disponíveis para que ele possa conversar e se abrir com confiança. Escutar, e não ficar dando lições.

– Oferecer sempre proximidade e amor incondicional à pessoa. Os adeptos costumam permanecer na seita por medo da reação dos seus familiares e amigos, se ele voltar.

– No começo, a pessoa pode estar muito distante dos padrões, formas, concepções, ideias, linguagem dos seus familiares e amigos. É preciso ser pacientes. O afetado foi prejudicado em seu senso crítico e em seus sentimentos; foi reeducado e manipulado.

– O diálogo será mais frequente, íntimo e profundo com o tempo. Isso acontecerá de forma natural e gradual – talvez com retrocessos e recaídas. Tentar não abordar temas conflituosos ou profundos demais; buscar conversar sobre assuntos gerais e cotidianos, sobretudo se as relações familiares foram dissolvidas e estão se reconstruindo.

– Isso supõe um interesse real pelas atividades e pelo grupo sectário no qual a pessoa está ou esteve. Ela precisa sentir que seus familiares e amigos se interessam pelas suas coisas.

– Estar disponíveis, mas sem pular etapas; não exagerar em ligações e torpedos. A pessoa recuperará a confiança e vencerá seus medos aos poucos.

– Conforme for obtendo informação do grupo sectário e dos processos de captação vividos, é preciso comunicar isso aos especialistas, para receber orientações de como proceder.

– Valorizar o que o grupo oferece de positivo, mas mostrar (ainda que indiretamente) que nem tudo é tão perfeito nessa agrupação, ou que existem mais motivações e finalidades que as simples e aparentes. Mas quem deve ir percebendo a realidade global é a pessoa afetada.

– Por outro lado, nas seitas, a maioria das pessoas que as integram desconhece o que se faz na cúpula e como se manipula. Ajudar o afetado a diferenciar os integrantes das bases (muitos dos quais já são seus amigos agora) dos líderes das seitas.

– Evitar buscar culpados, nem com relação ao afetado, nem com relação aos familiares. A ajuda psicológica e terapêutica também deverá incidir nos demais familiares, para ajudar neste processo.

– Não dar dinheiro à pessoa, mas ajudá-la concretamente no que precisar (alimento, hospedagem, roupas etc.). Mas nunca dar-lhe dinheiro, porque este poderá ser destinado à seita.

– As seitas costumam reeducar os adeptos fazendo-lhes ler suas histórias de maneira negativa. Para curar isso, é preciso lembrar das coisas boas do passado, bem como ajudar a pessoa a reencontrar velhos amigos.

– Ajudar a pessoa a projetar-se de maneira feliz, livre e autônoma, em um futuro que ela construirá à margem do grupo sectário.

– Se necessário, buscar assessoria jurídica (em casos de doações ao líder ou ao grupo, perdas financeiras, testamentos etc.).

– O procedimento pode ver-se frustrado com a volta da pessoa à seita. Para que todo este processo de ajuda seja eficaz, é importante contar com a ajuda de especialistas no assunto, e não tentar fazer tudo sozinho.

– Certamente, rezar pela pessoa, pedindo a ajuda de Deus para o bom desenvolvimento deste processo.

A quem pedir ajuda?

Rede Ibero-americana de Estudo das Seitas (RIES).
Secretaria: ries.america@gmail.com.

BIBLIOGRAFIA

LIVROS:
-José Mª Baamonde, La manipulación psicológica de las sectas, Paulinas, Madrid, 2003.
-Varios autores de la RIES, "Sectas y familia", Revista Familia, Instituto Superior de Ciencias de la Familia, Universidad Pontifica de Salamanca, nº 44, Salamanca, 2012.
-Manuel Guerra, Las sectas. Su dimensión humana, sociopolítica, ética y religiosa, EDICEP, Valencia, 2011.

ÁUDIOS:
-Vicente Jara, "Conoce las sectas", Radio María España, programas "Ayudando a salir de la secta" (I) [http://estrategia.info/ries/?p=episode&name=2011-08-06_d-cd-2011-03-12.mp3], (II) [http://estrategia.info/ries/?p=episode&name=2011-08-06_d-cd-2011-03-26.mp3] y (III) [http://estrategia.info/ries/?p=episode&name=2011-08-06_d-cd-2011-04-09.mp3].

Tags:
Seitas
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia