Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

Ditadura em nome da covid-19? Missa com fiéis pode agora dar cadeia na Irlanda

Ditadura em nome da covid-19 na Irlanda

ilovebutter - CC BY-NC 2.0

Reportagem local - publicado em 06/11/20

Constitucionalidade da medida é questionada: histeria e falta de embasamento científico para medidas desproporcionais é preocupante

Ditadura em nome da covid-19? A pergunta é cada vez mais pertinente em diversas regiões do planeta desde a eclosão da pandemia.

Na Irlanda, o novo despropósito é a ameaça de cadeia para padres que celebrarem Missas com fiéis, apesar de que não existem evidências científicas que comprovem alto risco de contágio em Missas celebradas conforme os protocolos de segurança sanitária.

Gritantes contradições

O que existe, mundo afora, é um assustador acúmulo de gritantes contradições.

No Canadá, por exemplo, o cardeal arcebispo de Québec, dom Gérald Cyprien Lacroix, já protestou publicamente contra a falta de diálogo e de coerência das autoridades da província, porque as restrições para se participar das Missas são mais rigorosas do que para jogar nos cassinos e até para comprar maconha.

Na Argentina, em nome simplesmente de uma suspeita, um pai foi impedido de se locomover pelo próprio país para visitar a filha, que morreu sem poder receber a sua visita. Isso depois que ele dirigiu 12 horas desde a Patagônia, no extremo sul, até a divisa com a província de Córdoba, onde as autoridades lhe informaram que ele simplesmente não poderia entrar. Ele mesmo relatou que foi tratado de modo humilhante e desproporcional, como se fosse um criminoso de alta periculosidade:

“O nosso carro foi acompanhado pela polícia de Córdoba e, depois, pelas polícias de cada província por onde passamos até a porta de casa, em Plottier, na província de Neuquén, na Patagônia. Não nos deixaram parar nas lojas de conveniência na estrada nem para ir ao banheiro”.

A falta de bom senso das autoridades argentinas, no fim das contas, não mostrou eficácia. O país adotou ainda em março uma das quarentenas mais longas e rígidas do planeta. Apesar disso, já é o 7º país do mundo em número de contágios, superando casos críticos como Itália, Reino Unido, México, Peru e Colômbia, e já acumula mais de 32 mil mortes, o triplo do Equador, que chegou ao colapso funerário antes da metade do ano.

Cabe perguntar, portanto, se o que funciona para reduzir a expansão da pandemia são mesmo as medidas ditatoriais histéricas contra a liberdade da população ou é o foco em protocolos sanitários sensatos e funcionais.

Ditadura em nome da covid-19?

As reações na Irlanda foram duras, questionando a constitucionalidade da medida contra os padres. Entre elas, o deputado Michael McNamara declarou:

“Os padres cometerão um crime se abrirem as portas de suas igrejas para a Missa. Sei que muitos sacerdotes não querem celebrar e não acham apropriado. É direito deles. Não sou assistente de Missa, mas sei que, na comunidade que eu represento, é importante para as pessoas poder ir à Missa, a uma igreja, ou à mesquita. O governo está impedindo isso. O governo vai mandar policiais atrás dos padres que decidirem celebrar a Missa? Se o governo estiver pensando nisso, eu tenho uma palavra a dizer: ‘Não!'”.

Stephen Donnelly, ministro irlandês da Saúde, negou as sanções criminais contra padres que celebrarem a Missa em público, mas o artigo oitavo da nova lei promulgada em 22 de outubro proíbe cerimônias religiosas públicas. Além disso, permite sanções penais ao organizador de qualquer evento que esteja agora proibido.

As críticas também enfatizam que o Ministério da Saúde não apresentou qualquer evidência científica de que as Missas celebradas conforme os protocolos sanitários representem risco real para a saúde pública.

Aliás, o que há são evidências na direção contrária: médicos da Áustria e da Itália se pronunciaram publicamente para declarar, inclusive, que a Comunhão na boca é mais segura do que a Comunhão na mão.




Leia também:
Cardeal canadense: igrejas sofrem mais restrições que cassinos e maconha

Tags:
Coronavíruscovid-19ditaduraJustiça
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia