Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconEstilo de vida
line break icon

Como um pai e uma mãe devem agir se o filho falar palavrão?

CRIANÇA SORRINDO COM A MÃO NA BOCA

fizkes I Shutterstock

Mathilde de Robien - publicado em 13/11/20

É normal que uma criança ouça palavrões no parquinho, mas isso não significa que os pais devam permitir

Mesmo que vocês, como pais, sejam exemplares quando se trata de não usar linguagem chula (o que nem sempre é fácil!), inevitavelmente chegará o dia em que seu adorável filho trará da rua ou da escola um palavrão ou algumas frases inadequadas. De fato, os insultos podem ser aqueles que você nem sabia que existiam.

Você pode se sentir preocupado, mas não fique muito preocupado. “O filho aprender palavrão no parquinho é normal!” explica Laure Dezert, psicóloga clínica especializada em paternidade, que também é mãe. Ela explica:

Dizer palavrão na escola é uma forma de integração no grupo. Qualquer um que não diga palavrões é considerado ‘bonzinho’. Os pais devem ter isso em mente: uma criança, especialmente um adolescente, não deseja ser condenado ao ostracismo.

Dito isso, embora seja normal e previsível para uma criança aprender e repetir palavras vulgares, é responsabilidade dos pais educar seus filhos e ensiná-los sobre a importância das palavras.

Muito mais do que uma questão de educação

O filho dizer ou não dizer palavrão não é apenas uma questão de educação. Embora seja verdade que crianças que se expressam corretamente serão chamadas de educadas e bem-educadas, essa atenção ao vocabulário vai muito além. Faz parte da educação social geral das crianças e de seu lugar na família e na sociedade.

Desde muito cedo, as crianças vivem em grupo, antes de mais nada dentro da família, onde começam a aprender a respeitar os outros. Assim, não xingar seus irmãos é um primeiro passo importante para respeitar a dignidade de seus semelhantes.

Reagir ao palavrão também é uma questão de fazer nosso filho entender a diferença entre as gerações. “Você não pode conversar com seus amigos da escola, seus irmãos e irmãs e seus pais, todos da mesma maneira”, enfatiza Laure Dezert.

Embora um pai possa impedir um filho que insulta seu irmão com palavrão simplesmente dizendo: “Existem maneiras melhores de falar com seu irmão”, uma reação mais firme é necessária quando os filhos insultam o pai ou a mãe. É uma forma de afirmar o lugar e a autoridade do pai ou da mãe como pais, não com base numa lógica autoritária ou patriarcal, mas tendo em vista o bem da criança e o bem comum.

Boa sociabilidade

Linguagem vulgar e o bem comum: qual é a relação entre esses dois conceitos? Para Laure Dezert, há uma conexão importante. Não aceitar palavrão vindo de seu filho é uma forma de servir ao bem comum. O bem comum significa trabalhar pelo bem de todo o grupo, ao mesmo tempo que pelo bem das pessoas.

Repreendendo – ou pelo menos desencorajando – a linguagem grosseira de nossos filhos, não apenas os ajudamos a crescer, mas também defendemos a posição da pessoa ofendida, bem como estabelecemos a autoridade adequada. “Ajudamos nossos filhos a crescer, forçando-os a superar o estágio impulsivo e a alcançar outro estágio de desenvolvimento mais construtivo, ao mesmo tempo em que resgatamos o conceito de respeito e autoridade certa, que hoje falta muito”, diz a psicóloga.

Por noção de autoridade justa, ela se refere àquela definida pelo filósofo católico Fabrice Hadjadj, que restitui a um pai seu papel de pai simplesmente porque é pai ou mãe (e não especialista). Na verdade, para Hadjadj, a relação de criação de filhos entre pais e filhos é baseada em uma “autoridade sem especialização”, apesar de suas falhas e fraquezas.

“A autoridade paterna e materna tem um valor em si mesma, e até mesmo um valor inestimável”, explica Fabrice Hadjadj. Ele diz que a autoridade do pai e da mãe vem de um dom de Deus.




Leia também:
TikTok: 3 regras que pais e filhos devem conhecer (e seguir)


MENINO EM CONFISSÃO AO LADO DO PADRE

Leia também:
As razões para iniciar seus filhos à confissão desde cedo

Tags:
EducaçãoFilhosVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia