Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconAtualidade
line break icon

Moçambique: religiosa descreve cenário de terror em Cabo Delgado

MOZAMBIQUE;CABO DELGADO

Aid to the Church in Need

Fundação AIS - publicado em 17/11/20

“Hoje toda a região norte da província está praticamente tomada pelos terroristas, que regam a seca terra com o sangue inocente"

“Não posso calar mais este grito de dor e indignação”, diz a Irmã Blanca, “com a forma vil e cruel com que os nossos irmãos desta região estão a ser despejados das suas próprias terras, despojados de tudo, mesmo do dom mais precioso que é a vida”.

A mensagem, publicada ao fim da tarde, é uma denúncia e um pedido de ajuda. A irmã Carmelita fala no sofrimento do povo desta região que desde há três anos tem sido forçado – pelos ataques de grupos armados que reivindicam pertencer ao Daesh, o Estado Islâmico – a dormir “ao relento, escondendo-se entre arbustos, vendo as suas precárias casas a serem queimadas, sofrendo de fome e sede”. São pessoas, escreve a Irmã Blanca, “cheias de medo e espanto”.

A irmã interroga-se como é que este “conflito”, que começou aparentemente por ser uma questão tribal, ganhou tal dimensão. E pergunta como é possível “a passividade e indiferença daqueles que têm a obrigação de salvaguardar e proteger o povo”.

A situação é gravíssima e, tal como a Fundação AIS tem denunciado sistematicamente, está a deteriorar-se de dia para dia. Na semana passada a Fundação AIS acolhia a denúncia do Padre Edegard Júnior, missionário saletino que falava também de ”muitas mortes, pessoas decapitadas, pessoas raptadas”, num ambiente assustador. “Nas aldeias não tem mais ninguém”, explicava ao telefone este missionário brasileiro há três anos a viver em Cabo Delgado. “Todos têm medo e eles [os terroristas] estão muito violentos nestes ataques. Então, as pessoas estão ou no mato ou já conseguiram chegar a alguma cidade…”

Um relato que agora é sublinhado pelas palavras escritas pela irmã Carmelita Teresa de São José no Facebook. “Hoje toda a região norte da província está praticamente tomada pelos terroristas, que regam a seca terra com o sangue inocente de um povo que só pede uma coisa: queremos viver em paz! Pobres mas livres.””

Os ataques terroristas a Cabo Delgado tiveram início em Outubro de 2017 mas têm vindo a aumentar de intensidade especialmente desde Janeiro deste ano. Mocimboa da Praia – que está ocupada pelos terroristas desde o passado mês de Agosto – Quissanga, Macomia e Muidumbe têm sido palco dos ataques dos terroristas ou insurgentes, como localmente também são conhecidos.

A Irmã Blanca Castaño fala numa “densa sombra de morte” que se espalhou por toda a região de Cabo Delgado, “deixando à sua passagem milhares de mortos, assassinados selvaticamente sem que entendamos porquê”. E acrescenta, explicando que os ataques provocaram já “incontáveis desaparecidos e sequestrados”, assim como “mais de 400 mil deslocados na cidade de Pemba e nos distritos e províncias vizinhas”. Deslocados que viveram, faz questão de dizer, “verdadeiros dramas humanos, que ultrapassam e em muito, qualquer filme de terror”.

A mensagem é elucidativa do drama humanitário que se está a viver. “Milhares de homens e mulheres com a dor marcada nos seus rostos e com os seus pequenos filhos nos braços, desfalecidos de fome. Alguns ficaram no caminho. Anciãos, viúvas, órfãos, doentes, percorrendo a pé inúmeros quilómetros… Mulheres grávidas, algumas dando à luz nas estradas poeirentas. Adolescentes e jovens vagueando pelos montes, desconhecendo o paradeiro de seus entes queridos. Outros fogem para o mar desprovidos de segurança. Muitos morreram em naufrágios inevitáveis…”

Este é o cenário de terror que se vive em Cabo Delgado nas palavras cheias de lamento e revolta desta religiosa carmelita. A Irmã Blanca pergunta mesmo “onde estão os defensores dos direitos humanos, onde estão os organismos internacionais” que têm por missão zelar pelo respeito e dignidade dos povos…

Perguntas que ficam, para já, sem resposta cabal. A irmã agradece toda a ajuda que pessoas e instituições têm procurado dar “para atenuar esta situação”, lamentando a desventura de um “povo inocente” que “teve a má sorte de ter nascido em cima de uma das maiores reservas de gás (…) e pedras preciosas e ouro”, e que está a ser massacrado…

A Fundação AIS desde há meses que tem procurado denunciar também esta situação terrível que está a afectar toda a população de Cabo Delgado no norte de Moçambique. Na semana passada, a Fundação AIS decidiu apoiar as dioceses envolvidas no acolhimento aos deslocados com uma ajuda de emergência no valor de 100 mil euros.

É uma ajuda que, como explicou Regina Lynch, chefe de Departamento de Projectos da Fundação AIS a nível internacional, “procura aliviar o sofrimento e trauma” destas populações que têm sido vítimas da violência mais brutal. Regina recorda o rasto de destruição e medo causado pelos terroristas desde Outubro de 2017 quando começaram os ataques.

Tal como a Irmã Blanca, também esta responsável da Fundação AIS lembra a quase total indiferença com que a comunidade internacional tem lidado com esta situação. “Queimaram igrejas e destruíram conventos, e também raptaram duas irmãs religiosas. Mas quase ninguém prestou atenção a este novo foco de terror e violência jihadista em África, o qual está a afectar todos, tanto Cristãos como Muçulmanos. Esperemos que haja finalmente uma resposta a esta crise no norte de Moçambique, em nome dos mais pobres e mais abandonados.”




Leia também:
Cristãos são os que sofrem mais perseguição religiosa no mundo


Exorcista padre José Antonio Fortea

Leia também:
Demônio e queima de igrejas: exorcista diz que haverá “perseguição generalizada”

Tags:
PerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia