Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Dezembro |
São João Damasceno
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Aborto não pode ser política pública, dizem Faculdades de Direito na Argentina

ARGENTINA

Marcha Por La Vida Córdoba

Reportagem local - publicado em 23/11/20

"Saúde pública integral que regula eliminação de seres humanos inocentes é repugnante contradição e agravo à dignidade humana"

Aborto não pode ser política pública, declararam várias Faculdades de Direito da Argentina após o recente anúncio do presidente Alberto Fernández de legalizar a prática no país.

As faculdades em questão publicaram declaração afirmando que o aborto não pode ser justificado como direito e que não deve haver políticas públicas para promovê-lo e financiá-lo, porque a saúde pública não pode “regular a eliminação dos seres humanos mais inocentes: é um agravo à dignidade humana”.

As mesmas faculdades reforçam o que já tinham alertado em 27 de fevereiro deste ano: o fato de que o poder executivo nacional estava “claramente decidido a fazer do aborto uma política pública”, com base resoluções do Ministério da Saúde e em falas de Fernández, como a sua afirmação de que “a possibilidade de abortar deve ser garantida à mulher que queira abortar”.

Rejeitando a fundamentação deste alegado “direito”, as Faculdades de Direito retrucam:

“As políticas públicas devem ter sempre como objetivo transcendente o bem comum e, indiscutivelmente, a preservação da vida do ser humano – de todo ser humano – e o seu pleno desenvolvimento na sociedade. Uma política de ‘saúde pública integral’ cujo objetivo inclui ‘regular’ a eliminação dos seres humanos mais inocentes não só é uma contradição em si mesma, mas um inqualificável agravo à dignidade humana, repugnante a toda consciência reta. É isto, porém, o que se pretende ratificar: consolidar legislativamente o aborto como um direito cujo exercício deve ser garantido pelo Estado Federal em todos os níveis”.

Os assinantes repudiam a negação do direito à vida do nascituro, “cuja sobrevivência dependerá de um suposto direito subjetivo da mãe de dispor dele”.

Os expoentes das Faculdades de Direito que firmam o documento dizem considerar como seu dever o de reiterar uma “resposta jurídica sobre a importância do direito à vida desde a concepção e a sua proteção na ordem constitucional argentina”.

O documento é assinado por Pablo María Garat (Facultad de Derecho de la UCA Buenos Aires), Martín Acevedo Miño (Facultad Teresa de Ávila, Paraná), Luis María Caterina (Facultad de Derecho y Ciencias Sociales UCA Rosario), Julieta Gallino (Facultad de Derecho y Ciencias Sociales de la Universidad Católica de Córdoba), Miguel González Andía (Facultad de Derecho y Ciencias Políticas – Universidad Católica de La Plata), Ricardo von Büren (Facultad de Ciencias Jurídicas, Políticas y Sociales – Universidad del Norte Santo Tomás de Aquino), Livia Mercedes Uriol (Facultad de Ciencias Jurídicas – Universidad del Salvador), María Paula Giaccaglia (Facultad de Ciencias Jurídicas y Sociales – Universidad Fasta), Carina Fernández (Facultad de Derecho y Ciencias Sociales – Universidad Católica de Cuyo, Sede San Luis), José Luis López Cerviño (Facultad de Derecho y Ciencias Sociales – Universidad Católica de Cuyo, Sede San Juan), Eduardo Jesús Romani (Facultad de Ciencias Jurídicas – Universidad Católica de Salta), Enrique Carlos Müller (Facultad de Derecho y Ciencia Política – Universidad Católica de Santa Fe), Liliana Abdala (Facultad de Ciencias Políticas, Sociales y Jurídicas – Universidad Católica de Santiago del Estero) y Manuel García Mansilla (Facultad de Derecho – Universidad Austral).


Alberto Fernández

Leia também:
Aborto legal na Argentina, “prioridade” presidencial em meio ao pico de covid-19

Tags:
AbortoIdeologiaJustiçaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia