Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Eu nasci mais ou menos em 1988: os 27 anos da busca de um menino pela mãe

Folheto divulgado por Antônio Carlos da Silva

Antônio Carlos da Silva / Divulgação

Folheto divulgado por Antônio Carlos da Silva

Reportagem local - publicado em 26/11/20

Antônio Carlos dormiu num ônibus aos 6 anos de idade. Quando acordou, estava perdido a 400 quilômetros de casa

Eu nasci mais ou menos em 1988: foi com as imprecisas lembranças de um menino de 6 anos de idade que Carlos reconstruiu a própria história ao longo de 27 anos, até que as peças finais da sua trajetória o reconectaram finalmente ao seu passado – um passado que sempre foi mais presente que o próprio presente.

Quando tinha 6 anos, Carlos fugiu de casa, assustado após presenciar uma agressão de seu padrasto contra sua mãe. O menino caminhou até o terminal rodoviário, em Juazeiro do Norte, Ceará. Sem ninguém perceber, ele entrou num ônibus e lá ficou escondido até adormecer. Quando acordou, estava em Fortaleza, a 400 quilômetros de casa, sozinho e perdido da família.

De abrigo em abrigo

O ano era 1993. O motorista do ônibus registrou junto à empresa que a criança tinha viajado escondida. Como não se sabia em qual cidade da rota ele tinha entrado no ônibus, o pequeno Carlos foi levado a um abrigo de crianças órfãs.

A partir de então, ele foi passando por vários outros abrigos, além de perambular também pelas ruas da capital.

Finalmente, foi acolhido pela Associação Beneficente Pequeno Nazareno, na Grande Fortaleza. O fundador da associação, o ex-frade alemão Bernardo Rosemeyer, acabou por adotá-lo.

27 anos em busca da família

O pequeno sabia o seu nome completo: Antônio Carlos da Silva. Ele se lembrava do nome da mãe, Geane, e sabia que tinha três irmãos e um tio, Nino, que lhe fazia carrinhos de barro. Era tudo. Com as carências técnicas da época, não eram peças suficientes para montar o quebra-cabeças.

Antônio Carlos tem hoje 32 anos, é motorista, casado e pai de uma filha. E ele nunca desistiu de se reencontrar, reencontrando a mãe, os irmãos e o tio.

“Você vá, mas volte”

E foi justamente um irmão que ele nem conhecia, porque tinha nascido depois do seu desaparecimento, quem completou os elos perdidos que separavam Carlos da família.

Clécio, que é enfermeiro, estava em viagem quando pegou um panfleto no Hotel Municipal de Araripe. Acabou por perdê-lo, mas, à noite, numa rede social, voltou a ver exatamente o mesmo panfleto e então o leu com atenção. Ele contava uma história familiar: a mesma relatada por sua mãe, Geane. Ela costumava dizer a Clécio quando ele saía:

“Você vá, mas volte. Perdi um filho, não aguento perder outro, não”.

“Eu nasci mais ou menos em 1988”

Os panfletos tinham sido distribuídos por Carlos e por um amigo em postos de gasolina, recepções de hotéis, churrascarias… De cidade em cidade. “E coloquei nas redes sociais”, conta o amigo, que, aliás, também se chama Carlos. O folheto traz duas fotos do Carlos desaparecido, uma de 1996 e a outra de 2020, além das informações de que ele se lembrava sobre a família:

Meu nome é Antônio Carlos da Silva. O nome da minha mãe é Jeane ou Geane da Silva. O nome do meu irmão é Diego. O nome de meu tio é Nino, que é artesão. Eu nasci mais ou menos em 1988 na cidade de Juazeiro do Norte ou nas cidades perto de Juazeiro. Eu me perdi quando tinha 6 anos de idade, pois peguei um ônibus que me levou até a cidade de Fortaleza, onde moro até hoje. Vou ficar grato eternamente a quem puder me ajudar a encontrar a minha família biológica!

O título do folheto deixava clara a maior das buscas do jovem:

“Procuro a minha Mãe”.
Antônio Carlos da Silva
Antônio Carlos da Silva / Divulgação
Folheto divulgado por Antônio Carlos da Silva

O milagre

Nesta última terça-feira, 24 de novembro, Carlos recebeu uma ligação.

A conversa com Clécio foi suficiente para que uma frase explodisse repetidamente, entre júbilo, incredulidade, lágrimas:

“Cara, tu é meu irmão! Eu não tô acreditando!”

Neste fim de semana, Carlos viajará a Juazeiro do Norte para conhecer o irmão caçula e reencontrar a avó e os outros irmãos.

A mãe, porém, ele ainda terá de esperar para poder abraçar, e será na eternidade. Geane faleceu em 2017, vítima de um câncer de mama.

Apesar da devastadora confirmação de que não voltará a vê-la nesta vida mesmo após 27 anos de espera e procura, Carlos enxerga no reencontro com a família um milagre que o enche de alegria:

“Em um ano de pandemia, de tantas tragédias, um milagre”.

Os irmãos têm conversado por telefone e chamadas de vídeo desde terça-feira e estão ansiosos pelo reencontro que deve ocorrer neste fim de semana. Francisca da Silva, a avó, estará presente. E Clécio avisa:

“Vai ser muita emoção para ela”.

Para todos! Que seja uma nova etapa de alegrias, paz e união para essa família, cujo filho perdido finalmente foi reencontrado.

Infelizmente, essa história sofreu uma triste reviravolta:


Folheto divulgado por Antônio Carlos da Silva

Leia também:
Brasileiro que pensou ter achado família após 27 anos foi enganado por falso irmão

Tags:
EsperançaFamíliaFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia