Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 11 Abril |
Santo Estanislau de Cracóvia
home iconAtualidade
line break icon

China condena jornalista a 4 anos de cadeia por informar sobre covid em Wuhan

China

© Nicolas Raymond / CC

Francisco Vêneto - publicado em 29/12/20

A jornalista Zhang Zhan, de 37 anos, tinha denunciado violação a direitos humanos durante início da doença em Wuhan

China condena jornalista a 4 anos de cadeia por informar sobre covid em Wuhan: a repórter condenada é a ex-advogada Zhang Zhan, que é de Xangai e tem 37 anos. Em fevereiro de 2020, ela viajou até Wuhan para fazer reportagens sobre a covid-19 e sobre a situação nos hospitais daquela cidade, que, na época, era o epicentro da epidemia que viria a se tornar pandemia.

Nesta segunda-feira, 28 de dezembro, a justiça do regime comunista chinês condenou Zhang Zhan a nada menos que 4 anos de prisão porque ela divulgou nas redes sociais a situação hospitalar dramática de Wuhan.

De fato, a metrópole chinesa de mais de 11 milhões de habitantes registrou quase 4 mil mortes decorrentes de covid-19, num total de pouco mais de 4.600 óbitos contabilizados no país inteiro entre janeiro e maio, segundo os dados oficiais de Pequim.

China condena jornalista a 4 anos de cadeia

Durante o julgamento de Zhang Zhan em Xangai, jornalistas e diplomatas estrangeiros que se dirigiram ao tribunal foram impedidos de entrar na sala de audiências. Simpatizantes da ré foram afastados pela polícia do regime.

Segundo a agência de notícias France Presse, um dos advogados da jornalista, Ren Quanniu, se disse muito preocupado com o estado psicológico da cliente, que “parecia muito abatida quando a sentença foi anunciada”.

O secretismo do regime comunista chinês no tocante à pandemia chamou atenções mundiais desde o início. Médicos que mencionaram o surgimento de um “vírus misterioso” chegaram a ser interrogados pela polícia e acusados de “propagar boatos”.

A própria Zhang Zhan foi presa em maio sob a acusação de “provocar distúrbios” e divulgar “informações falsas”. Ela havia denunciado “graves violações dos direitos humanos” no confinamento imposto pelo regime a Wuhan e região.

Em junho, a jornalista fez greve de fome como protesto pela prisão, mas, segundo denúncias de seus advogados, acabou sendo alimentada à força por uma sonda.

Pelo menos outros três jornalistas chineses, Chen Qiushi, Fang Bin e Li Zehua, também foram presos por terem noticiado sobre o que acontecia em Wuhan.

Críticos do regime comunista chinês afirmam ser frequente a condenação de opositores durante as festas de fim de ano, porque, nesse período, as atenções do resto do mundo estão mais dispersas.




Leia também:
Com cristãos confinados, governo da China continuou destruindo igrejas e cruzes

Tags:
comunismoCovidIdeologiamidiaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia