Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconAtualidade
line break icon

Uma pandemia de abortos vendida como se fosse vacina

Militantes pró-aborto

© Corinne Simon/Ciric

Francisco Vêneto - publicado em 31/12/20

O aborto proposital vem matando, a cada ano, 45 vezes mais do que o coronavírus matou em 2020

Uma pandemia de abortos vendida como se fosse vacina. É o que se comprova com base em números autoexplicativos, recordados com objetividade por um editorial publicado neste mês de dezembro pelo jornal O São Paulo, da arquidiocese paulistana.

O texto parte do fato de que, desde o seu começo, a pandemia de covid-19 já matou mais de 1,8 milhão de pessoas segundo as estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS):

“O dado é, sem dúvida, lamentável – mas ele muda um pouco de figura se colocado em perspectiva com as outras causas de morte. Com efeito, a mesma OMS informa que no ano passado houve no mundo um total de 55,4 milhões de mortes – mas este número não contabiliza os bebês que foram mortos no ventre de suas mães. Aqui, sim, o número é assustador: segundo a OMS (e os mesmos dados são confirmados pelo Guttmacher Institute), entre 2015 e 2019, ocorreram, A CADA ANO, 73,3 milhões de abortos não espontâneos”.

O editorial comenta então a aprovação, na Argentina, de um projeto de lei que legaliza o aborto até a 14ª semana de gestação, um morticínio que “não deveria ser, numa sociedade sadia, nem sequer aventado como proposta”.

Uma pandemia de abortos

O texto do jornal arquidiocesano de São Paulo prossegue:

“Em média, o aborto vem matando, anualmente, 45 vezes mais do que o coronavírus matou neste ano. Se o compararmos com a cardiopatia isquêmica – que depois dele foi a maior causa de letalidade em 2019, com 8,9 milhões –, o aborto ainda mata oito vezes mais. E, mesmo que confrontado com todas as outras mortes juntas (55,4 milhões), o aborto as excede em quase 20 milhões”.

É, de fato, uma pandemia de abortos, mas vendida como se fosse vacina.

As narrativas ideológicas do ativismo pró-aborto, fantasiadas de ciência e sociologia, tentam alegar que o aborto é um direito, é uma questão de saúde pública, é uma solução para o estupro, é um remédio mágico para problemas dos quais o bebê não é a causa nem tem qualquer culpa. Assim, o bebê é sacrificado como se o seu sangue realmente sanasse os traumas, combatesse os estupros, melhorasse a saúde pública e fizesse a humanidade progredir no respeito aos direitos humanos – negando o primeiro deles, que é o de viver. As incoerências e contradições abundam sob a verborreia da militância, com sua manipulação de números, sua generalização de casuísticas e sua tergiversação do conceito de ciência.

O aborto, afinal, justamente por abortar a racionalidade, também aborta a própria biologia. Para driblar o fato de que um aborto é o extermínio de um ser humano em seu estágio inicial de desenvolvimento, é preciso mentir que um ser humano não é ainda um ser humano, mas só virá a sê-lo, num passe de mágica, a partir da semana x ou y, conforme o arbítrio dos políticos deste ou daquele país. Em nome da ciência, a ciência é reduzida a magia – nada mais natural quando se eleva o assassinato de um inocente a um direito humano.

“O maior destruidor da paz hoje”

O editorial de O São Paulo prossegue recordando que a Câmara dos Deputados da Argentina aprovou a descriminalização do livre extermínio de seres humanos em seu estágio inicial de desenvolvimento num dia 11 de dezembro:

“Neste mesmo dia do ano de 1979, dizia a Madre Teresa de Calcutá, em seu discurso ao receber o Prêmio Nobel da Paz, que ‘o maior destruidor da paz hoje é o aborto (…) Muitas pessoas estão muito preocupadas com as crianças na Índia, com as crianças na África, que morrem em grande número, talvez por desnutrição, por fome, e assim por diante – porém, milhões de crianças estão morrendo deliberadamente pela vontade da mãe, e este é o maior destruidor da paz hoje”.

Embora a citação emblemática seja de uma santa canonizada, o texto recorda:

“A condenação do aborto não é, fundamentalmente, uma discussão religiosa – como, aliás, gosta de lembrar o Papa Francisco. A questão, na verdade, é bastante simples: por acaso, é justo que um ser humano elimine a vida de outro, inocente, para resolver um problema? Não é necessário ser religioso para enxergar que não – por isso, o aborto não é uma questão religiosa, é uma questão humana”.

“Várias formas de controle de natalidade”

Ainda assim, o jornal da arquidiocese paulistana não deixa de reforçar que estamos em pleno tempo de Natal. E convida os cristãos:

“Podemos muito bem meditar sobre o tema a partir da encarnação do Menino Deus, que também um dia foi feto e nascituro. Quando Ele se encarnou no seio da Virgem Maria, ela pôs-se a caminho da casa de Santa Isabel, para auxiliar sua idosa e gestante parenta. No instante mesmo em que Isabel ouviu a saudação de Maria, ‘a criança estremeceu no seu seio’ (Lc 1,41) – ou seja, um feto (São João Batista) reconheceu a presença de outro (Jesus) e exultou de alegria. Meses depois, quando Cristo nasceu em Belém, o tirano Herodes ordenou a chacina indiscriminada de todos os bebês inocentes da cidade. Comentando o episódio em seu ‘A vida de Cristo‘, o Venerável Fulton Sheen lamentava, irônico: ‘Há várias formas de praticar o controle de natalidade…'”.

A pior de todas, certamente, é vender uma pandemia de abortos como se fosse vacina.




Leia também:
“Fui estuprada violentamente aos 16, mas o aborto foi muito pior”


JENNIFER CHRISTIE

Leia também:
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nascido dessa violência

Tags:
AbortoCovidIdeologiaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia