Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Dezembro |
Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

O exemplo de Elizabeth Ann Seton: como correr riscos como um santo

Fred de Noyelle / GODONG

Michael Rennier - publicado em 04/01/21

A primeira santo nascida nos Estados Unidos, St. Elizabeth Ann Seton,  nos ensina como entrar no desconhecido e viver nossa vida plenamente

Pouco depois do Natal de 1803, a vida de Elizabeth Ann Seton desmoronou. Seu marido, William, morreu de tuberculose e ela teve que criar seus cinco filhos. A família já havia passado por tempos difíceis, decaindo da riqueza até a falência. Eles haviam deixado sua casa em Nova York e navegado para a Itália na esperança de que o clima ajudasse a restaurar a saúde de William. Em vez disso, Elizabeth voltou para Nova York viúva. Ela lutou para sustentar a família e deve ter visto o futuro com ansiedade. Ela escreveu em uma carta a um amigo: “Eu tenho estado em um mar de problemas” e comentou sobre a humilhação por ter que depender da caridade para sobreviver.

Suponho que, nesse tipo de situação, qualquer um se sentiria justificado em desistir. Elizabeth poderia facilmente ter sentido pena de si mesma e vivido na amargura. Ela poderia ter reclamado de sua má sorte e até mesmo sentido que a vida havia acabado antes mesmo de ter a chance de começar.

Em vez disso, ela escolheu um caminho notável

Ela voltou a se comprometer com sua fé religiosa. Maravilhada com a beleza e a riqueza da Igreja que experimentou na Itália, ela se tornou católica. Então, ela aceitou o convite para se mudar para Maryland e começar uma escola para meninas. Como se isso não bastasse, ela fundou uma ordem religiosa, as Irmãs da Caridade de São José, que foi a primeira comunidade religiosa fundada nos Estados Unidos. Hoje ela é uma santa canonizada.

Eu me pergunto que reserva interior de força ela possuía que a capacitou a correr riscos tão magníficos? O que deu a ela coragem? Ela não apenas não desistiu durante seu período mais sombrio, como emergiu dele positivamente zumbindo com energia.

Sair da zona de conforto

Eu sei que tive dias em que, por causa do estresse no trabalho ou de me sentir um fracasso como pai e marido, tudo que eu queria fazer era me isolar. Na minha vocação de padre, parte da minha responsabilidade é definir uma visão para a paróquia. Isso significa estender a mão com fé e assumir riscos. Essa responsabilidade pode ser um fardo pesado de se carregar. Como padre casado, quando volto para casa, também sinto o peso de ser pai.

É algo difícil ter de guiar pequenas almas à maturidade. Não quero dizer ou fazer nada que possa causar dor ou arruinar seu desenvolvimento. Aqui, também, é fácil seguir o caminho seguro, não dar a eles a orientação firme de que precisam ou deixar de demonstrar o tipo de amor de que precisam.

Penso muitas vezes no encorajamento que o Papa Bento XVI nos deu quando disse: “Você não foi feito para o conforto. Você foi feito para a grandeza.” Se quisermos atingir nosso potencial máximo, temos que estar dispostos a sair da nossa zona de conforto e correr riscos.

Como avaliar os riscos?

Há uma diferença, no entanto, entre correr riscos e ser imprudente. Como podemos saber se o risco vale a pena? Como Elizabeth Ann Seton sabia quais riscos eram os corretos?

Primeiro, ela passou um tempo rezando. Quando teve a chance de se mudar para Maryland e se tornar professora, ela soube que era um grande risco mudar sua vida de forma tão drástica. Era uma escola nova e poderia ter fracassado facilmente, então seu primeiro ato foi rezar. Depois de falar com Deus, ela sentiu que era um risco aceitável.

Em segundo lugar, ela confiou em seu sistema de apoio. Ao contemplar a ideia de começar uma nova ordem religiosa, ela pediu conselhos a vários padres e outros religiosos. Eles sabiam mais do que ela sobre quanto trabalho seria necessário para torná-la um sucesso. Com o incentivo deles, ela se sentiu pronta para assumir o risco.

Terceiro, o risco alinhado com seus dons e talentos. Ela não decidiu irracionalmente se tornar uma professora por desespero. Ela já sabia que tinha talento para ensinar. Tão importante quanto isso, ela diz que percebeu seu “profundo desejo de ensinar crianças pobres”. Portanto, parecia um risco que valia a pena correr.

Finalmente, ela explorou se havia uma necessidade que ela pudesse satisfazer. Havia necessidade de uma escola para meninas? Sim. Havia necessidade de uma ordem religiosa para atendê-las? Sim. Mesmo depois que os dois projetos foram bem-sucedidos, ela continuou a correr riscos medidos para ajudá-las a prosperar. Ela escreve: “Com o desenvolvimento de nossa missão, a comunidade assumiu novos riscos para responder às solicitações além do vale”.

Exemplos

Sou grato a exemplos como St. Elizabeth Ann Seton, que me ajudaram a avaliar os benefícios de assumir riscos responsáveis. Muito frequentemente, a tentação é desistir diante de condições adversas.

É muito fácil dar desculpas sobre como a vida tem sido injusta e se acomodar na mediocridade, ou reclamar do ano difícil que estamos enfrentando, ou nos convencer de que ir pelo caminho mais seguro é a única maneira de viver.

O fato é que não cresceremos se não nos desafiarmos, e a decisão de correr riscos depende somente de nós. Como Elizabeth Ann Seton entendeu muito bem, cabe a cada um de nós olhar para o futuro.


LONELY MAN,BEACH

Leia também:
8 grandes santos que tiveram depressão, mas nunca se renderam a ela


PROFESSIONAL,WOMAN,WORKING

Leia também:
Siga estes 2 passos e pare de procrastinar (agora!)

Tags:
SantosVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia