Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
home iconAtualidade
line break icon

15 anos de ação pró-aborto na Argentina até legalizá-lo, admite multinacional

Feminista pró-aborto na Argentina

Alejandro Chaskielberg | Emergentes-(CC BY-NC 2.0)

Francisco Vêneto - publicado em 06/01/21

Planned Parenthood apoiou rede de "parceiros na Argentina que, por sua vez, subsidiam outras 20 organizações de base em todo o país"

15 anos de ação pró-aborto na Argentina até legalizá-lo, admite multinacional: trata-se do conglomerado International Planned Parenthood Federation (IPPF), que controla uma ampla rede de clínicas de aborto e promove intenso ativismo pró-aborto no mundo. Mediante comunicado em seu site oficial, a organização reconheceu que, durante mais de 15 anos, prestou apoio direto a “sete parceiros na Argentina que, por sua vez, subsidiam outras 20 organizações de base em todo o país” com o objetivo de legalizar o aborto naquela nação sul-americana.

O objetivo foi atingido em 30 de dezembro de 2020, quando o senado argentino aprovou a legalização, insistentemente priorizada pelo atual governo de esquerda apesar da profunda crise econômica, social e sanitária que a Argentina atravessa. Por ocasião da legalização do aborto, a IPPF declarou que “é um momento histórico para a nossa região”.

Multinacional admite esforços pró-aborto na Argentina durante 15 anos

A multinacional afirmou que seus parceiros “têm-se mobilizado com atividades compartilhadas, como advogar junto aos legisladores e garantir comunicações fortes para manter o direito ao aborto em destaque no discurso público. Também estão planejando ativamente a melhor forma de ajudar na implementação da nova lei”.

A IPPF também afirmou esperar que “esta vitória histórica tenha um efeito cascata na região, que abriga algumas das leis de aborto mais draconianas do mundo”.

A propósito do financiamento do aborto por organizações multinacionais, o cientista político argentino Agustín Laje declarou em dezembro que “o aborto nunca foi uma demanda popular na Argentina” e que o grande empenho por legalizá-lo “foi obviamente muito bem financiado pelas organizações que agora o celebram: ONU Mulheres, Open Society Foundations, IPPF (International Planned Parenthood Federation) e todas as outras siglas que já conhecemos muito bem”. A afirmação foi feita à agência de notícias ACI Prensa. Saiba mais:


Argentinos contra o aborto

Leia também:
ONU e Fundação Soros comemoram aborto legalizado na Argentina

Manipulação da linguagem e dos fatos

Giselle Carino, diretora regional da IPPF, deixou claro em entrevista à rede CNN que a organização divulga o aborto como questão de “saúde pública” e de “salvar a vida da gestante”.

De fato, o livre extermínio de seres humanos em seus estágios iniciais de desenvolvimento precisa amparar-se em uma série de eufemismos e tergiversações da realidade biológica para prosperar junto à opinião pública. Afinal, trata-se de assassinato e é preciso maquiar esta realidade para que o assassinato seja visto como outra coisa. A ideologia pró-aborto precisa negar, portanto, que o ser humano eliminado seja de fato uma pessoa viva, mesmo que, para isto, tenha que atropelar toda a lógica e todos os fatos da biologia objetiva.

Segundo a ideologia pró-aborto, o que é eliminado não seria ainda um ser humano, mas apenas um “aglomerado de células”. Na vida real, porém, o embrião humano é um ser vivo e em ativo processo de desenvolvimento desde a concepção. Não existe nem faz o menor sentido afirmar que exista um “momento mágico” em que um suposto aglomerado aleatório de células que “não eram um ser humano” vão virar subitamente um ser humano com base numa data convencionada por parlamentares e variável de país para país.

Além da mentira anticientífica de que o embrião humano não é um ser humano vivo em estágios iniciais de desenvolvimento, a indústria do aborto também precisa apelar para outros discursos sem fundamento na realidade, como a contradição patente de que exterminar livremente milhões de vidas em gestação seria uma forma razoável de… proteger a vida. A própria alegação de que o aborto seja uma “questão de saúde pública” é posta em xeque pelas estatísticas corretamente contextualizadas, conforme se constata neste artigo.

A indústria do aborto e seus escândalos

O que há de real por trás das narrativas da indústria do aborto é que ela é, literalmente, uma indústria.

A própria Planned Parenthood possui quase 2 bilhões de dólares em patrimônio líquido, constituindo o maior conglomerado de clínicas de aborto dos Estados Unidos e executando cerca de 330 mil abortos anualmente só naquele país, onde suas afiliadas, que possuem administração comum, somam cerca de 16 mil funcionários. Aliás, nada disso impediu essa rede de tentar obter indevidamente, em plena pandemia do coronavírus, uma verba de 80 milhões de dólares do governo norte-americano, destinada a ajudar pequenas empresas e organizações sem fins lucrativos a manterem sua folha de pagamentos durante a crise provocada pela emergência da covid-19. Em 21 de maio de 2020, um grupo de 27 parlamentares dos EUA solicitaram que o Departamento de Justiça do país investigasse a Planned Parenthood por pedidos fraudulentos de empréstimos nesse programa.

Não é nem de longe, porém, o maior escândalo que atinge a rede. A Planned Parenthood nos EUA já foi acusada até de tráfico de órgãos e tecidos de bebês abortados em suas instalações, conforme se constata nos seguintes artigos:




Leia também:
Estarrecedor açougue humano: maior conglomerado abortista dos EUA vende órgãos de fetos assassinados




Leia também:
Mais uma vez, a ciência desmascara o açougue humano da rede abortista Planned Parenthood




Leia também:
Executivas de rede de aborto confessam venda de tecidos de bebês abortados

Tags:
AbortoIdeologiaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
2
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
3
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias dos EUA
4
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo com o Padre Pio
5
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
6
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
7
BLESSED CHILD
Philip Kosloski
Cubra seus filhos com a proteção de Deus através desta oração bíb...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia