Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 17 Abril |
Santa Catarina Tekakwitha
home iconAtualidade
line break icon

As necessárias vacinas e a solidariedade 

VACCINE

Image Point Fr | Shutterstock

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 10/01/21

Nota vaticana esclarece que as pessoas não podem ser obrigadas a se vacinar. Contudo, deve-se levar em consideração a exigência superior do bem comum

A população brasileira, nessa passagem de ano, está indo da euforia à apreensão com a vacinação contra a Covid-19. Não bastasse as dúvidas sobre a eficácia e mesmo sobre os riscos das diferentes vacinas (em grande parte oriundas de fake news e alarmismos infundados, que já abordamos em outro artigo), agora temos também a dúvida sobre sua disponibilidade para a população. Primeiro, o problema parecia ser burocrático, de lentidão de aprovação pela agência reguladora nacional, a Anvisa, depois vieram as dúvidas sobre a viabilidade de distribuição de algumas marcas que precisam ser armazenadas a baixas temperaturas, a falta de seringas e até a proibição de exportações por parte de países onde as vacinas estão sendo produzidas. Tudo isso no meio de bate-bocas entre políticos, disputas de egos e batalhas comerciais.

A Nota sobre a moralidade do uso de algumas vacinas anticovid-19

Em meio a tudo isso, a Congregação para a Doutrina da Fé publicou uma Nota sobre a moralidade do uso das vacinas, já apresentada em outros artigos da Aleteia. Em síntese, o documento esclarece que o fato de algumas vacinas terem sido desenvolvidas com experimentos que usavam células humanas, obtidas, vários anos atrás, a partir de abortos provocados, não implica em cooperação para com o aumento de abortos. Em outras palavras, não haverá mais abortos, no presente, porque as pessoas estão usando vacinas que, ao serem criadas em laboratório, empregaram essas células. Importante frisar que o material advindo dos abortos não é diretamente empregado na produção da vacina.

Além disso, a Nota esclarece que as pessoas não podem ser obrigadas a se vacinar. Contudo, deve-se levar em consideração a exigência superior do bem comum. Uma pessoa não deve por em risco toda a sua comunidade e, por isso, a Nota indica que aqueles que não se vacinarem devem ter cuidado redobrado para não se tornarem transmissores da Covid-19.

Uma questão de tempo

O início das campanhas de vacinação não nos livrará da necessidade de usarmos máscaras e manter o distanciamento social. A vacina protege a pessoa, que uma vez infectada pelo vírus conseguirá resistir, mas não impede que ela carregue esses vírus por certo tempo, podendo transmiti-lo para as demais. Somente quando grande parte da população estiver vacinada teremos a tão falada “imunidade de rebanho”, isso é, o vírus terá muito pouca possibilidade de encontrar pessoas suscetíveis à doença e não teremos mais surtos epidêmicos (as famosas “ondas” da doença).

Para chegarmos a esse nível de imunização da população, será necessário tempo. Particularmente num país de grandes proporções e muito populoso, como o Brasil, o fator tempo é ainda mais crítico. Não é só uma questão de vontade política ou de competência técnica, as dificuldades de logística e investimento financeiro são objetivas. Além disso, dependeremos não só de produção nacional, mas também de importações, um fator complicador a mais.

Evidentemente, consideradas todas essas dificuldades, quanto menos politicagem, mais competência e maior volume de recursos investidos, menos tempo será necessário para alcançarmos um grau satisfatório de imunização da população.

A solidariedade continua necessária

Sendo assim, a vacinação não nos desobriga da solidariedade. Em primeiro lugar, continuando a seguir as regras de distanciamento social e a usar máscaras (ainda com mais rigor se somos do grupo que não quer se vacinar). Mas não só isso…

Enquanto a vacinação não é acessível para toda a população, temos que batalhar para que ela esteja disponível para aqueles que enfrentam mais riscos por sua ocupação. Profissionais da saúde, professores e mesmo trabalhadores que têm muitos contatos interpessoais (como entregadores, motoristas de ônibus, garçons, etc.) terão que ter uma prioridade em relação àqueles que podem trabalhar em suas casas. Seguindo a mesma lógica, se houverem vacinas com graus diferentes de eficiência, é justo dar as vacinas mais eficientes àqueles que correm mais riscos. Idosos, indígenas e populações confinadas, como os presos, também tem direito a atendimento prioritário (e isso pode ser muito questionado, pelos que tem uma posição anticristã, particularmente em relação aos presidiários).

A comercialização também pode levar a uma corrida pelas vacinas e, caso seu preço seja definido pelas leis de oferta e procura, os ricos acabarão tendo acesso à vacinação em detrimento dos pobres, independentemente dos interesses do bem comum. Isso não implica que particulares não possam fazer a distribuição da vacina, mas devem ser criadas normas que garantam o acesso de todos à vacinação.

O Estado tem um papel em todo esse processo, mas os cidadãos também têm sua contribuição a dar. Quanto mais reconhecermos e defendermos que as regras de distribuição das vacinas devem levar em conta o bem comum e atender àqueles que estão em maior risco ou são mais suscetíveis à doença, mais facilmente esses critérios serão adotados pelos governantes.


VACCINE

Leia também:
A vacina da Pfizer é segura e ética?


Padre microbiologista Nicanor Austriaco, OP

Leia também:
Padre microbiologista está criando vacina barata contra covid-19

Tags:
CoronavírusCovid
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia