Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Janeiro |
São Sebastião
home iconReligião
line break icon

Tentações: por que Deus permite que sejamos tentados?

KONFESJONAŁ

Studio777 | Shutterstock

Adilson Júnior - publicado em 11/01/21

Nosso Senhor, desejando conduzir-nos pelo caminho reto da Verdade, instituiu um sacramento indefectivelmente vinculado ao conhecimento por Ele detido a nosso respeito

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca.” Como estes dizeres, Jesus não apenas nos exorta à vigilância ou ao apreço pela vida de oração. Mais do que isso: Ele reconhece a fragilidade da natureza humana que, mesmo renovada pelo batismo e, por esse fato, partícipe da filiação divina, traz consigo tendências concupiscíveis – inclinações naturais à desvirtude.

Dessa forma, nota-se a imutável vinculância do pecado à inércia do homem. Isto é, não há virtude sem luta, não há salvação sem violência contra si próprio, contra a natureza corrompida e desordenada, como nos recorda o apóstolo: “o reino dos céus é dos violentos” (Mt 11, 12). Nesse sentido, eis a necessidade de inteirarmo-nos de nossa condição e, a partir do autoconhecimento, colocarmo-nos diligentes na busca pela virtude.

De fato, conhecermo-nos a nós mesmos é tarefa árdua, mas intrinsecamente necessária à busca da perfeição. Todavia, somente nos disporemos a trilhar esse caminho e nele perseverarmos impelidos por verdadeira humildade. É dela munidos que reconhecemos quão miseráveis, débeis e inconstantes somos, bem como a nossa impotência perante o maligno, de cujas insídias somente com o auxílio da graça poderemos eximir-nos para corresponder ao projeto salvífico de Deus em nossa história.

Por que Deus permite que sejamos tentados?

Diante dessas considerações, o “modus operandi” da alma que almeja a virtude tipifica uma ambiência de combate. E este não é uniforme, isto é, um soldado no campo de batalha é suscetível a quedas e a uma diversidade de lesões. Todavia, seus os ferimentos não significam, necessariamente, derrota. Pelo contrário, o mérito é proporcional à dificuldade do conflito. Que honra teria um soldado se deixasse o campo de batalha ileso, isento de um arranhão sequer? Do mesmo modo, que méritos teríamos se não fôssemos tentados, se nossa fidelidade a Deus jamais fosse provada?

É por isso que Ele permite as tentações. Mas, não é Deus o seu autor: “tentar é próprio do demônio”, como nos recorda Santo Tomás. Portanto, essa realidade espiritual a que estamos expostos não é obra divina, mas ação ordinária do Mal. E, segundo o mesmo santo, elas ocorrem, entre outros motivos:

  1. A fim de se reprimir a soberba: “para que a grandeza das revelações não me enchesse de orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás, para me esbofetear” (2Cor 12, 7);
  2. “A fim de que voltem mais fortes os cristãos, assim como voltam mais fortes da guerra os soldados”;
  3. “A fim de que reconheçam a sua dignidade, porque, quando o Diabo assalta alguém, isso é motivo de honra, dado o seu alvo serem os santos”

O que fazer após o pecado?

Assim, ao se reputar que “é uma luta a vida do homem sobre a terra” (Jó 7, 1), instaura- se a previsão racional acerca da possiblidade de queda, ou seja, é possível (e provável) que, mesmo após os votos do batismo e o recebimento das superabundantes graças dele oriundas, no âmbito do combate quotidiano, caiamos em determinadas ocasiões – seja por fraqueza, seja por vileza. Nesse contexto, resta-nos indagar: qual o situação do homem, uma vez vencido pela tentação e, por consequência, apartado da amizade para com Deus? Estaria porventura fadado a permanecer no chão, não havendo oportunidade de reerguimento? Seria pisoteado a bel prazer dos adversários, sem haver quem lhe estendesse a mão?

De fato, o mesmo Senhor, que é ofendido pelo pecado, está disposto a dar-nos Seu auxílio no momento da aflição. Para isso, é mister aproximarmo-nos de modo confiante do sacramento da penitência (confissão), preparados por verdadeiro arrependimento e dispostos a nos emendar de forma definitiva, isto é, a não mais reincidir nas faltas passadas.

Mas, afinal, como fazer uma boa confissão e qual a sua importância?

Eis, portanto, a presente verdade pela qual reconhecemos os desvios da natureza, as tentações que deles se servem para conduzir-nos ao pecado, bem como o dever do combate quotidiano. Desse modo, o sacramento da penitência firma-se um meio indeclinável do qual Deus dispõe para revigorar-nos em nossa decisão de viver segundo a Sua Lei e Vontade.

Contudo, não se pode aproximar do perdão de Deus com quaisquer disposições. Afinal, uma boa confissão é, primeiríssimo lugar, uma confissão válida, ou seja, aquela em que o penitente de fato é absolvido. Nesse viés, a Igreja é claríssima ao afirmar que, no tribunal da misericórdia, o réu deve acusar-se de todos os pecados graves cometidos desde a sua última visita ao confessionário – devidamente acompanhados das circunstâncias atenuantes ou agravantes, bem como de seu número aproximado. Ademais, é imprescindível a presença de arrependimento, mesmo que imperfeito isto é, aquele movido pelo temor; porque a contrição corresponde, em verdade, à matéria do sacramento – assim como o pão e o vinho são a matéria da santa missa e a água, do batismo. Portanto, sem arrependimento, não há absolvição válida; torna-se impossível lograr misericórdia da parte de Deus.

“Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” (Lucas 15:7)

Em verdade, grandessíssima é a alegria pai quando seu filho pródigo, contrito e humildemente pede-lhe perdão e renova seu compromisso de fidelidade. Esse filho bem- aventurado recebe senão os melhores presentes, a restituição da dignidade e uma portentosa festa em sinal de júbilo pelo seu retorno à casa paterna. É nesse sentido que os antigos denominavam esse sacramento de “segundo batismo” ou de “nova tábua da salvação”, pois nele o penitente encontra não apenas o perdão de suas faltas, mas a reconciliação com Deus, a graça santificante, a força do Espírito e uma nova oportunidade para reavivar o seu caminho batismal.

Recebamo-lo, pois, com humildade, dadas as nossas indizíveis pequenez e miséria diante da Majestade Divina; confiança, tendo em vista a infinita misericórdia de Deus para conosco e frequência, considerando os dizeres do Catecismo Maior de São Pio X: “confessar-se com frequência é coisa ótima, porque o sacramento da penitência, além de apagar os pecados, dá as graças necessárias para evita-los no futuro.”

Por fim, para afastar quaisquer dubiedades, lembremo-nos: Deus permite que sejamos tentados, mas nunca além das nossas forças e do auxílio de Sua graça: “Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapassasse as forças humanas. Deus é fiel: não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação, ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela.” I Coríntios, 10:13


Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados

Leia também:
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados


CONFESSION

Leia também:
Oração de ação de graças para rezar após a confissão

Tags:
ConfissãoPecadoSacramentos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
4
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
BLESSED CHILD
Philip Kosloski
Cubra seus filhos com a proteção de Deus através desta oração bíb...
7
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias dos EUA
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia