Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

“Homem e mulher Deus os criou” 

jessica-da-rosa-YgJn5cVmErg-unsplash.jpg

Jessica Da Rosa | Unsplash

Vanderlei de Lima - publicado em 31/01/21

Livro preenche uma lacuna sobre a temática da homossexualidade e a moral católica em nosso país

O Pe. Davi Francesquini, zeloso sacerdote brasileiro, nos oferece o livro de título acima. É obra, fiel à Igreja, que preenche, certamente, uma lacuna sobre a temática da homossexualidade e a moral católica em nosso país. 

Para bem expressar a sua sintonia com o Catecismo da Igreja Católica n. 2357-2358, o Padre David redige uma longa e importante nota na página 7, que diz o seguinte: “Nos documentos oficiais da Santa Sé, em seu texto em português, as palavras ‘homossexualismo’ e ‘homossexualidade’ são empregadas usualmente como sinônimas. Porém, ao longo deste trabalho, e seguindo um costume que vai se tornando cada vez mais frequente entre os que escrevem sobre esse tema (v., por exemplo, Mons. José Luiz Villac, A Palavra do Sacerdote, Catolicismo n. 553, janeiro de 1997, p. 7-8), far-se-á sistematicamente a seguinte distinção: – a palavra ‘homossexualismo’ será empregada exclusivamente para referir-se à prática pecaminosa de relações homossexuais e à promoção das ditas relações; – a palavra ‘homossexualidade’ será empregada exclusivamente para referir-se à atração sexual por pessoas do mesmo sexo – ou tendência homossexual – pela qual a pessoa que sente não pode ser responsável. Analogamente, ao usarmos os substantivos ‘homossexual’ e ‘homossexuais’ num contexto condenatório referimo-nos sempre exclusivamente a pessoas que praticam e endossam o homossexualismo. Ficam por isso absolutamente excluídas dessa condenação aquelas pessoas que, embora sentindo em si uma tendência homossexual, esforçam-se por não lhe dar curso, a fim de salvaguardar a virtude da castidade, merecendo desse modo todo o nosso apoio e respeito.”

Doutrina e normas

Quanto aos objetivos da obra em si, escreve o autor: “Este opúsculo é um estudo destinado a relembrar aos fiéis católicos a doutrina e as normas da Igreja sobre o pecado contra a natureza denominado homossexualismo. Fundamentado no Supremo Magistério da Igreja, nos escritos de santos e de teólogos universalmente aceitos pela Igreja como fidedignos, utiliza também informações contidas em conceituadas publicações. Moveu-nos a redigi-lo e publicá-lo o zelo pela salvação das almas, pois os fiéis católicos têm hoje dificuldade em obter orientação segura para os problemas morais com que se defrontam diariamente. Seja para a orientação pessoal, seja visando à educação e formação dos filhos, seja ainda na ação de esclarecer os parentes e amigos, nada melhor do que basear-se no que a Santa Igreja ensina desde todo o sempre. A desorientação atual é grande, e devemos aderir em tudo à palavra do Divino Mestre, pois stat crux volvitur orbis – enquanto o mundo gira, a cruz permanece inabalável” (p. 8). Mais: “Queremos ainda ressaltar que a divulgação do presente trabalho não tem como objetivo difamar ou injuriar ninguém. Não nos move o ódio pessoal contra quem quer que seja. Nossa posição às pessoas e organizações promotoras do movimento homossexual visa defender o matrimônio, a família e as preciosas instituições e normas da civilização cristã na sociedade” (p. 10).

Isso posto, sugeriremos três observações ao livro Homem e mulher Deus os criou: 1) Por que a bibliografia é predominantemente norte-americana? Porque, explica o autor, “os textos aqui apresentados foram em grande parte colhidos no livro Defending a Higher Low, editado pela TFP norte-americana” (p. 10). Todavia, o autor poderá, nas próximas edições, dizer, por exemplo, que o livro de Gerard J. M. van der Aardweg, intitulado The Battle for Normality, está traduzido pela Editora Santuário, de Aparecida, SP, com o título A Batalha pela normalidade sexual. 2) Na questão 13 (p. 20), poderia ter incluído algo sobre a tão debatida questão de gênero. 3) Seria interessante que o autor, juntando as respostas das questões 1 (p. 11) e 105 (p. 100), tivesse explorado, de modo sucinto e didático, a objeção de consciência, pois ela pode ser obscura aos leitores. A título de esclarecimento diremos que Objeção de consciência é o nome dado à recusa ética que um cidadão faz de obedecer a certas leis civis imorais de seu país. 

O livro pode ser baixado em: https://biblioteca.ipco.org.br/downloads/homem-e-mulher-deus-os-criou/




Leia também:
Vítima da ideologia de gênero

Tags:
homossexuaismoral
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia