Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 24 Junho |
São Rumoldo
home iconAtualidade
line break icon

Síria: “há já quem passe fome”, alerta religiosa ante agravamento da crise

CHŁOPIEC Z SYRII

AA/ABACA/Abaca/East News

Fundação AIS - publicado em 01/02/21 - atualizado em 01/02/21

Fruto não só de uma década de guerra mas também das sanções económicas impostas ao regime de Bashar al Assad e às consequências também da pandemia do coronavírus

“A situação está cada vez pior, as pessoas estão quase a passar fome, há já [mesmo] quem passe fome…”, diz, ao telefone para Lisboa, a irmã Maria Lúcia Ferreira que pertence à Congregação das Monjas da Unidade de Antioquia.

Desde o mosteiro onde vive, na vila de Qara, relativamente perto da fronteira com o Líbano, esta religiosa portuguesa explica que a crise económica se tem vindo a agravar na Síria de dia para dia, fruto não só de uma década de guerra mas também das sanções económicas impostas ao regime de Bashar al Assad e às consequências também da pandemia do coronavírus.

Difícil viver

Diz a irmã Myri – como também é conhecida a religiosa – que “tudo está cada vez mais caro”, e que, a assim, “é muito difícil viver”. A crise económica está a atingir toda a sociedade. No relato enviado para a Fundação AIS, a irmã explica que são muito frequentes e prolongadas as quebras no fornecimento de electricidade, mas também é cada vez mais difícil encontrar combustíveis para os automóveis mas também para o aquecimento das casas.

“A electricidade às vezes passa 12 horas sem vir e quando vem às vezes é só por meia hora”, diz, acrescentando que “também é muito difícil encontrar gasolina… as pessoas estão na fila à espera e não encontram”. “Também o ‘mazut’ [óleo] para as pessoas se aquecerem é muito difícil… Tudo o que é carburantes é muito difícil [de encontrar], assim como aqui na região não há muita madeira.”

Falta tudo

Semelhante ao relato da religiosa portuguesa, a irmã Annie Demerjian, da Congregação de Jesus e Maria, disse ao secretariado britânico da Fundação AIS que “as pessoas estão com fome, não têm o que comer”. E destaca, tal como a irmã Myri, as falhas constantes no fornecimento da energia. “Apenas a cada duas horas temos uma hora de electricidade. Isso não é suficiente para aquecer uma casa. Não há gás suficiente para cozinhar alimentos.”

As palavras da irmã Annie, responsável há quase uma década pelas campanhas da Fundação AIS nas cidades de Aleppo e Damasco, são um sinal de alerta para um país que está em crise e que vê essa situação a agravar-se. “O mundo começou a esquecer-se da Síria e isso é doloroso.”

Perante este cenário descrito pelas duas religiosas, as irmãs Annie Demerjian e Maria Lúcia, ganha ainda mais relevo o trabalho humanitário que a Fundação AIS tem vindo a promover na Síria, permitindo que famílias mais empobrecidas possam ter acesso a bens essenciais como leite para as crianças, alimentos, medicamentos e acesso a cuidados de saúde e produtos de higiene pessoal.

Ajudas

A ajuda da Fundação AIS abrange actualmente 273 famílias em Aleppo e mais de uma centena em Damasco, a capital da Síria. “Graças ao apoio da Fundação AIS, podemos dar-lhes todos os meses ajuda de subsistência básica, incluindo vales para a compra de artigos essenciais como comida e gás para cozinhar”, explicava a irmã Annie em Novembro, quando a Fundação AIS lançou a campanha de Natal em que se ofereceram blusões a milhares de crianças que vivem nas cidades de Damasco e Aleppo, mas também em Homs, Kameshli, Hassakeh, Swidaa e Horan.

Na mensagem, a irmã Annie referia que a ajuda disponibilizada através da Fundação AIS tinha também muito presente as necessidades das populações mais idosas. “ Agora, com o Inverno, compramos esterilizadores e medicamentos. Também ajudamos em algumas cirurgias essenciais. Às vezes isso inclui itens básicos, mas indispensáveis, como fraldas para incontinência para pessoas doentes e idosas”, explicava a religiosa que já esteve no nosso país a convite da Fundação AIS e que não perde uma ocasião para dizer que tem Portugal e os portugueses no seu coração.




Leia também:
Síria: famílias cristãs vivem em condições desumanas, diz religiosa

Tags:
GuerraPobrezaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
3
CARLO ACUTIS
Francisco Vêneto
Corpo incorrupto: quais foram os tratamentos aplicados ao rosto d...
4
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
5
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
6
lenda São Cipriano Santa Justina
Aleteia Brasil
São Cipriano era mesmo bruxo?
7
COMMUNION
Philip Kosloski
Antes da Comunhão, reze este ato de fé na presença real de Cristo
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia