Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 02 Março |
Santa Inês de Boêmia
home iconAtualidade
line break icon

Objeção de consciência faz 50% de médicos recusarem aborto em hospital argentino

médicos

Monkey Business | Depositphotos

Francisco Vêneto - publicado em 08/02/21

Eles se amparam num direito garantido pela ética geral e pelos próprios códigos de ética da medicina, que os obrigam a salvar vidas

Objeção de consciência leva 50% dos médicos do hospital público Alberto Antranik Eurnekian, na Grande Buenos Aires, a recusarem o aborto.

A objeção de consciência, grosso modo, é um direito de toda pessoa a não ser forçada a agir de modo incompatível com as suas mais sinceras e profundas convicções morais, éticas ou religiosas em matérias graves relacionadas com a preservação da própria vida e da própria integridade física e psicológica, bem como com a preservação da vida e da integridade alheia. De modo geral, costuma entrar na discussão sobre a aplicabilidade da objeção de consciência a diretriz moral de que tais convicções não devem causar a essas pessoas nem a terceiros um mal maior do que aquele que pretendem evitar, priorizando-se como critério a preservação integral da vida e da sua melhor qualidade. A legislação de vários países prevê o direito à objeção de consciência, por exemplo, em casos como a obrigatoriedade de prestar serviço militar ou de doar órgãos. Também há casos em que esse direito se estende à recusa a trabalhar no dia sagrado segundo a própria religião.

No caso dos médicos, o direito à objeção de consciência é garantido tanto pela ética geral quanto pelos próprios códigos de ética da medicina. Por esse direito, todo profissional médico pode negar-se a realizar procedimentos incompatíveis com as suas convicções de defesa da vida, o que inclui a recusa ao aborto provocado propositalmente e não como consequência inevitável e indesejada de um procedimento necessário à salvação da vida tanto da gestante quanto do bebê.

Esse direito de consciência, portanto, está de pleno acordo com o compromisso essencial da medicina, que é justamente o de empenhar os máximos esforços para salvar a vida do(s) paciente(s). De fato, é precisamente para salvar as duas vidas, a da gestante e a do bebê, que esses profissionais médicos argentinos estão se recusando a eliminar a vida da criança em gestação nos casos em que não existem circunstâncias ineludíveis que provoquem o aborto como consequência não procurada de um esforço por salvar a vida da gestante e do bebê.

Nos casos de grave risco de vida para a gestante, a própria ética geral prevê o “princípio do mal menor”: em situações extremas, nas quais estejam esgotadas todas as possibilidades plausíveis de salvar todas as vidas em risco, devem aplicar-se todos os esforços para salvar aquelas que puderem ser salvas. Neste cenário, pela própria impossibilidade objetiva de salvar a todos, infelizmente não se consegue salvar alguém apesar de todas as tentativas. Não se trata, portanto, de uma “escolha”: trata-se da própria “falta de escolha”. É importante ressaltar que, mesmo nesses casos, o foco está sempre em salvar o máximo possível de vidas e nunca em provocar ou acelerar a morte de alguém. A morte de algum dos pacientes, em tal cenário, só ocorre como consequência inevitável e não desejada do esforço por salvar a todos.

Deste ponto de vista, o profissional médico já é obrigado pela ética geral e pelo próprio código de ética da medicina a empenhar todos os recursos disponíveis para salvar todas as vidas em risco. Portanto, em tese, nem sequer deveria ser necessária a existência de legislação que obrigasse um médico a salvar a gestante, pois este dever já faz parte da própria essência da vocação médica e da ética geral.

Objeção de consciência

O que é patentemente contrário a toda ética é forçar um médico a agir para eliminar propositalmente a vida de uma pessoa. Este caso se torna ainda mais grave quando nem sequer existe risco de vida para outros pacientes envolvidos, pois, em tais circunstâncias, não se pode alegar a aplicação do princípio do mal menor. Uma lei que obrigue um médico a eliminar uma vida sem haver circunstâncias extremas que impossibilitem o seu salvamento é uma lei intrinsecamente perversa e oposta aos próprios propósitos da medicina.

É com base nestes princípios de ética geral e no compromisso fundamental de todos os médicos em defesa da vida que cerca da metade dos profissionais do Hospital Alberto Antranik Eurnekian estão se recusando a praticar abortos.

Juan Ciruzzi, diretor desse hospital situado no município de Ezeiza, na Grande Buenos Aires, declarou ao jornal argentino Clarín que os profissionais da entidade estão tecnicamente preparados para realizar abortos, mas muitos deles demonstram forte oposição ética:

“Entre os servidores da área de Ginecologia e Obstetrícia, que estão envolvidos nesses casos, há 50% que se declararam contra o procedimento”.

Segundo a nova legislação argentina sobre o aborto, aprovada em 30 de dezembro de 2020 após intenso lobby de organizações internacionais e apesar da contrariedade da maioria da população do país, todas as mulheres argentinas maiores de 16 anos e mentalmente capazes têm o assim chamado “direito” de abortar, até a 14ª semana de gestação, sem necessidade de apresentar quaisquer justificativas. As menores de 16 anos também têm o mesmo “direito”, mas precisam do consentimento dos pais.


ARGENTINA

Leia também:
Médicos de hospital da Argentina avisam: “Não somos obrigados a fazer abortos”


Manifestantes pró-vida na Argentina

Leia também:
Médico argentino recusa aborto: “Explico a verdade. Podem me processar”

Tags:
AbortoIdeologiamedicinaSaúdeVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
3
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
6
Kathleen N. Hattrup
O homem que beijou a testa do Papa diz que se curou em Lourdes
7
PRAY YOUNG
Arquidiocese de São Paulo
Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia