Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 19 Junho |
São Romualdo
home iconCultura e Viagem
line break icon

Como é ter os Museus Vaticanos só para você?

SISTINE CHAPEL

RPBaiao | Shutterstock

I.Media para Aleteia - publicado em 10/02/21

Uma visita solitária à Capela Sistina e ao lar das grandes coleções de arte dos papas deixa a pessoa em algum lugar entre a tristeza e o estupor

Você já visitou a Capela Sistina em completo silêncio? Esta é a experiência única que um punhado de visitantes sortudos teve em 1º de fevereiro de 2021, dia da reabertura dos Museus Vaticanos. Menos de 400 pessoas contemplaram de forma privada a grande coleção de arte os museus dos papas contêm.

Em frente aos afrescos da Sala de Constantino – uma das quatro salas de Rafael – Marina deixa escapar um suspiro de admiração. Para esta professora e guia turística, conhecedora de museus, esta situação é no mínimo excepcional.

“Parece que estamos em um universo paralelo, outro mundo. É muito bonito admirar afrescos sem ninguém”, ela sussurra. “Na Galeria de Mapas Geográficos, pude parar para ler as descrições e lembrar do meu latim. É um sonho, algo irreal.”

Mais guardas que turistas

Neste primeiro dia de reabertura dos Museus Vaticanos, você tem que se aventurar entre as inúmeras galerias para ver alguns turistas, em número menor que os guardas. As poucas centenas de pessoas que vieram para esta reabertura – muitas delas preferindo vir pela manhã – eram um grupo muito pequeno em comparação com o público habitual (23.000 pessoas por dia em 2019), mas um sinal encorajador para alguns funcionários, aliviados ao ver os visitantes voltandom após essas longas semanas de fechamento.

“Achávamos que haveria muito pouca gente e na verdade o afluxo foi bom”, diz Claudio, responsável pelo abastecimento das máquinas de café de todo o complexo. A proibição contínua de viagens turísticas para a Itália e o fato de ser um dia de trabalho para muitos romanos mantiveram os números baixos, mas promissores.

“As pessoas vão voltar”, diz um funcionário responsável pela distribuição dos audioguias. Muitos não estão cientes dessa abertura ou ainda estão com medo.” Em frente à Biblioteca do Vaticano, uma vendedora está maravilhada com as primeiras vendas que conseguiu fazer esta manhã.

Esperança

Entre aqueles que aproveitaram esta oportunidade única estão muitos guias turísticos que estão desempregados há um ano. Com um bastão de selfie, Harvey gosta de filmar detalhes de obras antigas. “Como guia, vivemos pela cultura e os museus estão fechados há meses. É triste para nós. Eu vim aqui desde o primeiro dia da reabertura porque me sinto em casa. Venho ver todos os meus lugares favoritos, para absorvê-los. Amanhã vou ao Fórum e ao Coliseu. Os turistas vão voltar mais tarde… ”

Valentina, dona de uma agência de viagens, também não consegue trabalhar há mais de um ano. Ela está tentando ver lado bom da situação. “Como temos tempo, viemos hoje para ver as obras e esta visita me dá uma emoção única”, afirma. “Acho que esta é uma oportunidade que provavelmente nunca mais acontecerá na minha vida.”

Mesmo sabendo que teve sorte, sua amiga expressou seu desconforto diante dessa situação. “Acho triste que não haja ninguém, espero que todas essas obras possam ser admiradas novamente.” Este sentimento foi partilhado por alguns romanos que tiveram um dia de folga e aproveitaram para fazer algumas visitas turísticas – uma forma, segundo eles, de ajudar a economia do seu país.

Oportunidade única

Este dia também foi uma grande vantagem para os muitos alunos que frequentemente ficavam presos atrás de suas telas porque não podiam assistir às aulas. Chiara e Sephano decidiram celebrar o fim dos exames de direito mergulhando no coração das maravilhas do Vaticano. É um momento que eles nunca vão esquecer. “Todas as obras de arte parecem estar aqui apenas para nós!” – eles se alegram.

Mas o destaque do show é sem dúvida a visita à Capela Sistina, na mais completa calma. Não há guias turísticos barulhentos ou problemas de locomoção. Todos podem admirar livremente Michelangelo e Botticelli e – o máximo do luxo – sentar e olhar para cima para admirar o teto. Até mesmo os responsáveis ​​por este local reconhecem: “esta é uma oportunidade única”.


POPE FRANCIS

Leia também:
Uma peregrinação às Sete Igrejas de Roma (parte 1)

Tags:
ArteVaticanoViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia