Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 23 Fevereiro |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Uma peregrinação inspirada na mártir moderna Maria Goretti

Maria Goretti

Pietro|Wikimedia|CC BY-SA 4.0

Bret Thoman, OFS - publicado em 10/02/21

Faça uma peregrinação de Corinaldo a Nettuno, Itália, e aprenda sobre os extraordinários dons de misericórdia e perdão desta santa

A história de Maria Goretti – uma camponesa inocente e simples que morreu como uma mártir moderna enquanto perdoava seu agressor – cativou os corações dos fiéis de uma forma poderosa.

O começo humilde de Maria

Maria nasceu em 16 de outubro de 1890, na aldeia italiana de Corinaldo. Seus pais, Luigi e Assunta, eram simples arrendatários. Superficialmente, parecia que não havia nada de extraordinário em Maria. Como outras crianças, ela era devota e fazia suas orações diárias. Gentilmente, porém, o Espírito Santo estava trabalhando, preparando-a com graças extraordinárias para enfrentar as tragédias que ela veria em breve.

A vida na Itália era difícil para a maioria das famílias naquela época. Quando Maria tinha seis anos, a situação econômica da família não era mais sustentável. Os Goretti se tornariam uma das três famílias italianas forçadas a emigrar naquela época. O pai de Maria, Luigi, tinha conhecidos na área conhecida como Agro Romano, na região de Lazio. Se soubesse do trágico destino que o aguardava, certamente teria feito uma escolha diferente.

Veja a galeria de fotos:

A pobreza leva a família a emigrar para uma terra sem lei

Foi durante sua primeira passagem por um município chamado Palliano que a família Goretti teve contato com a família Serenelli, que também era da região. As condições cada vez mais precárias obrigaram as duas famílias a emigrar para ainda mais longe de sua terra natal – para a área notória ao sul de Roma: os Pântanos Pontinos.

Os Pântanos Pontinos eram conhecidos como terras áridas, onde a ilegalidade e o banditismo não eram controlados. Talvez pior ainda, sua elevação abaixo do nível do mar tornou-o pantanoso, fazendo dali um paraíso para a propagação da temida malária.

Dificuldades e morte

De fato, dois anos após a chegada da família, Luigi foi vítima da doença e morreu. A mãe de Maria, Assunta, foi deixada para cuidar sozinha de seus cinco filhos e assumir o trabalho do marido no campo. Maria, a mais velha das meninas, assumiu com prazer as tarefas domésticas.

Assunta nunca confiou em nenhum dos homens Serenelli – o pai era um bêbado e o filho Alessandro costumava sair à noite para farrear. Mas ela estava presa a eles. Ela precisava deles para o trabalho árduo nos campos. Após a morte de Luigi, os antigos parceiros de trabalho mudaram para pior. O pai e o filho começaram a beber mais, brigar e praguejar na frente dos outros. Pior, eles se tornaram predadores. Enquanto o pai avançava em direção a Assunta, Alessandro o fazia em direção a Maria.

Em 1902, quando Maria tinha 12 anos e Alessandro 20, isso aconteceu três vezes. Nas duas primeiras vezes, Maria resistiu ao ataque e ele foi embora. Na terceira vez, entretanto, Alessandro havia decidido o que faria se ela se opusesse novamente.

A arma era um furador, uma ferramenta agrícola longa, pontiaguda e em forma de espigão usada para fazer buracos na madeira. Ele a colocou em um baú dentro da cozinha. Enquanto todos os outros debulhavam favas, ele puxou Maria do patamar para a casa da fazenda. Quando ela começou a resistir ao seu ataque sexual, ele ficou furioso. Alessandro Serenelli esfaqueou Maria Goretti 14 vezes no abdômen e no torso. Mais tarde, ele testemunhou que fez isso, “como você faz quando bate no milho”.

Maria foi levada a cavalo e de carruagem para um hospital em Nettuno. Ela passou 20 horas em agonia. Os médicos tentaram uma cirurgia, mas não puderam fazer nada para ajudá-la. O tempo todo ela estava preocupada com o estado da alma de Alessandro e continuamente gritava: “Por quê? Alessandro? Por quê? Você irá para o Inferno!”

Um mártir e um santo

Um padre foi chamado e Maria recebeu a unção dos enfermos. Ela morreu no dia seguinte, 6 de julho de 1902, de peritonite séptica e hemorragia interna. A história desta jovem “mártir e santa” espalhou-se pela cidade de Nettuno, depois pela região.

Alessandro foi condenado a 30 anos de trabalhos forçados na prisão. Nos primeiros três anos, ele não se arrependeu. Então Maria Goretti apareceu para ele em um sonho. Ela estava pegando flores de uma cesta e jogando-as no chão. Isso iniciou uma conversão dramática em Alessandro. Depois de cumprir 27 anos, ele foi solto. Seu primeiro ato foi ir até a mãe de Maria, Assunta, e pedir que ela o perdoasse. Ela fez isso. Posteriormente, tornou-se associado leigo em um convento franciscano capuchinho, onde trabalhou como jardineiro e faz-tudo. Ele morreu lá em 1970.

Maria foi beatificada em 1947 e canonizada em 1950. Sua mãe e seus irmãos compareceram às duas cerimônias em Roma.

A vida de Santa Maria Goretti reflete o Evangelho em muitos níveis. As extraordinárias virtudes defendidas por esta jovem mártir – preocupada acima de tudo com que Alessandro não perdesse sua alma por agredir seu corpo – são poderosas em si mesmas. Talvez mais impressionante seja a corrente de perdão e misericórdia que seguiu seu exemplo.

Maria Goretti é a santa padroeira da castidade, dos adolescentes, dos jovens e das vítimas de estupro. Sua festa é celebrada em 6 de julho.




Leia também:
A carta-testemunho arrepiante do assassino de Santa Maria Goretti aos 80 anos

Tags:
SantosViagem
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia