Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 04 Março |
São Casimiro
home iconAtualidade
line break icon

O diálogo e o desejo mais profundo do coração

BARI,POPE FRANCIS

Antoine Mekary | Aleteia

Children free a dove as Pope Francis, background center, is flanked by Orthodox patriarchs and Catholic leaders outside the St. Nicholas Basilica on the occasion of a daylong prayer for peace in the Middle East in Bari, southern Italy, Saturday, July 7, 2018.

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 14/02/21

A Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano, antes mesmo de começar já provocava polêmicas e divisões

Dialogar e buscar a unidade com quem pensa diferente não é tarefa fácil. A Campanha da Fraternidade Ecumênica desse ano, com o tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor” e o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef 2,14), antes mesmo de começar já provocava polêmicas e divisões.

De um lado, temos aqueles que realmente nunca quiseram dialogar. De outro, os que desejam instrumentalizar o diálogo para impor suas próprias opiniões. Entre eles, os cristãos de boa vontade, que são a grande maioria (felizmente!), ficam muitas vezes sem saber como proceder. Mas a dificuldade de uma tarefa necessária deveria ser um estímulo para nos dedicarmos mais ainda a ela – e o diálogo é uma necessidade tanto para a ordem social e o bem comum quanto para a prática do amor.

A construção do diálogo pode passar por duas estratégias. A “horizontal”, por assim dizer, trata-se de evitar os pontos de atrito e começar a trabalhar a partir dos pontos consensuais – para depois enfrentar os conflitos. Na “vertical”, o esforço é mergulhar, junto com nosso interlocutor, na compreensão das ideias, necessidades e ações que nos dividem, procurando entender qual é o desejo de bem que move a cada um de nós. Descobriremos sempre que, no fundo, todos nós compartilhamos um mesmo desejo de bem, ainda que cada um o entenda de forma diferente.

Os dois métodos têm suas vantagens e suas desvantagens…

Aparando arestas

Esse método “horizontal” é o mais comum. Procuramos aplicá-lo sempre que estamos diante de alguma situação conflituosa, num ambiente onde temos que procurar a união. Todos os dias o praticamos, com maior ou menor frequência, na família, no ambiente de trabalho e com os amigos. Ele é também o mais fácil, exige apenas que os interlocutores estejam dispostos a abstrair – ao menos por alguns momentos – suas diferenças e procurar avançar em suas concordâncias.

Sua desvantagem é a de facilmente gerar apenas pactos de convivência pacífica. Se nenhuma das partes se convence dos argumentos do outro, se não cresce uma simpatia mútua, o diálogo se resume a uma negociação formal. Não é um perigo abstrato: muitos casamentos chegam a naufragar porque o diálogo se restringe a esse tipo de negociação; nas arenas políticas de nossa sociedade, essa é a situação mais comum.

Negociações e pactos são necessários em muitas situações. Em si, não são um mal. Contudo, seu alcance é limitado e acabam permitindo o conflito e o rompimento de relações quando os desacordos se tornam maiores que os acordos – como acontece em situações muito polarizadas como a atual.

Nunca devemos desistir desse método horizontal de construir o diálogo, mas temos que ter consciência dessa sua limitação.

Indo a fundo nas questões

O método “vertical” é muito mais exigente, mas constrói diálogos mais profundos, onde uma certa compreensão do outro e uma simpatia mútua se tornam inevitáveis. Não excluí o entendimento “horizontal”, mas pode criar vínculos mais profundos e superar confrontos aparentemente insolúveis.

Todos nós, seres humanos, temos um mesmo conjunto de exigências inerentes e fundamentais. Assim como precisamos de alimento, também precisamos de paz, liberdade, beleza, verdade, justiça, alegria, amor, felicidade. O padre católico Luigi Giussani definia esse conjunto de exigências como “experiência elementar” (no sentido de ser uma experiência fundamental, básica, de toda pessoa), lembrando que a Bíblia se refere a ela com a palavra “coração”. Mas, se essas exigências são universais, as formas como as compreendemos e as tentativas de satisfazê-las são muito diferentes. Todos desejamos coisas belas, mas cada um vê beleza numa coisa diferente. Ninguém quer ser enganado, mas nos perdemos em intermináveis debates sobre quais são as “fake news”. Todos queremos ser felizes, mas cada um procura a felicidade a sua maneira.

Buscar o diálogo a partir dessa “experiência elementar” significa procurar entender as razões que levam uma pessoa a buscar satisfazer essas exigências de uma forma ou de outra – e a partir daí começar um caminho de entendimento compartilhado sobre as questões polêmicas. Trata-se de uma experiência menos frequente do que a do diálogo “horizontal”, mas que também é feita habitualmente por nós. Muitas vezes perguntamos sinceramente a uma pessoa querida, que parece estar tomando alguma decisão tresloucada: por que você quer fazer isso? Quando essa pergunta é sincera, corresponde a um desejo nosso de entabular um diálogo que aprofunde tanto as nossas razões quanto as do outro, um diálogo que leve a uma compreensão e uma comunhão mais profundas.

Todo diálogo exige amor

Seja o caminho “vertical”, seja aquele “horizontal”, todo diálogo exige não só um esforço intelectual, mas também um gesto primeiro de amor. Temos que demonstrar afeto pelo outro para que ele se disponha realmente a seguir conosco num caminho de diálogo, que leve ao verdadeiro encontro e à unidade (ainda que limitada).

Geralmente, cobramos um gesto de abertura do outro, para depois nos abrirmos. Como o outro tem a mesma postura, o diálogo não avança. Aquele que ama dá o primeiro passo e, com isso, descobre novos amigos e novas belezas. Que, nessa Quaresma, descubramos ainda mais a misericórdia que Deus tem por nós e, nos percebendo amados com misericórdia, possamos viver a alegria de amar nossos irmãos e dialogar com eles.

Nota

Para quem quiser aprofundar o conceito de experiência elementar, sugiro a leitura das obras:

GIUSSANI, L. O senso religioso. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

MAHFOUD, M. Experiência elementar em psicologia: aprendendo a reconhecer. Brasília: Universa, 2012.

Tags:
DiálogoEcumenismoIgreja Católica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
3
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
4
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
5
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
6
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
7
A Fé Explicada
Quais são os erros litúrgicos mais comuns na missa?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia