Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 06 Agosto |
Santos Vardan e companheiros
home iconEstilo de vida
line break icon

Eu posso mesmo fazer o que quiser, desde que não machuque os outros?

TALKING

Shutterstock | fizkes

Jeanne Larghero - publicado em 24/02/21

A verdadeira justiça é, por essência, uma espécie de generosidade: vai além da lei

Será que eu realmente posso fazer o que quiser?

Às vezes, não entendemos realmente o significado das regras que nos são impostas, pois não conseguimos enxergar o quanto elas são úteis e podem nos proteger. Eu não estou falando apenas sobre ter que usar uma máscara em uma rua vazia ou ser impedido de ir para a escola usando um top curto e chinelos. Afinal, podemos ver como esses assuntos podem afetar outras pessoas.

Em vez disso, estou falando sobre todas as vezes em que queremos deixar de lado todas as demandas pessoais que parecem nos afetar apenas em particular.

Justiça para todos

A frase “Eu tenho o direito de …” expressa uma compreensão reduzida e limitada da lei e da justiça. É verdade que justiça consiste em ter nossos direitos e liberdades respeitados. Também é verdade que a justiça rege nossas relações com os outros: o que devo a eles e o que tenho o direito de exigir deles. Essa concepção muito válida é herdada de uma tradição antiga, que passou ao longo da história, de Aristóteles e São Tomás de Aquino aos moralistas e juristas modernos. Essa concepção é baseada em uma forte intuição: nós, humanos, somos “seres para os outros”. É por isso que eu não posso fazer o que quiser, o que me dá na cabeça.

A vida social é condição para a nossa sobrevivência, mas também para uma vida plena. Assim, a prática da justiça e do respeito pelo que é devido aos outros traz à tona esta semente profundamente arraigada em nós, que é a inclinação para a vida social.

Mas se enxergarmos a justiça como o respeito estrito do que cada um de nós deve aos outros, com toda imparcialidade, exatidão e reciprocidade, acabamos por entendê-la como algo exterior a nós mesmos.

Achamos que, se protestarmos e exigirmos indignados, a sociedade atenderá às nossas demandas. Por outro lado, pensamos que, contanto que eu não viole os direitos dos outros, eu posso fazer o que quiser.

Uma questão interna

A justiça tem sua fonte em nossos corações. Deve reinar em nossa interioridade. Justiça significa também saber reconhecer a disposição admirável de todo o nosso ser: uma inteligência apaixonada por descobertas e novos horizontes; uma vontade capaz de nos levar longe e transformar nossos sonhos mais loucos em projetos reais; uma imaginação sempre pronta para se alimentar de grandes histórias e apreciar a música, a beleza, a arte.

A primeira forma de justiça, então, é a justiça para conosco, quando amamos tudo o que somos, honrando tudo que nos compõe, cada elemento em seu lugar. É por isso que Platão e – mais tarde Santo Agostinho – viam na justiça uma espécie de ordem interior antes de tudo.

Quando abrimos as nossas mentes a estas duas visões complementares de justiça (interior e exterior, para nós e para os outros), compreendemos que nem tudo é permitido. A verdadeira justiça não encontra sua fonte principalmente nos vários tipos de legislação que regulam a vida em comum. A justiça encontra a sua fonte, acima de tudo, no coração de cada um de nós.

Portanto, a verdadeira justiça é, por essência, uma espécie de generosidade: vai além da lei. Ela se recusa a ser impessoal e fria. Então, a verdadeira questão não é: “Estou machucando alguém fazendo isso ou aquilo?”, mas “Para quem estou fazendo o bem?”

Direitos e deveres

É estranho, mas é assim. A lista de nossos direitos sempre será mais limitada do que a lista de nossos deveres, e o escopo de nossos deveres será sempre mais rico e inspirador do que o escopo de nossos direitos.

Tenho deveres para com os outros porque eles são meus irmãos e irmãs e preciso deles assim como eles precisam de mim. Não posso fazer o que quiser. Tenho deveres para comigo mesmo porque sou meu próprio reino e tenho deveres para com Deus, que é o Criador deste reino – e escolhi viver nele.




Leia também:
Como combater a injustiça? A Palavra de Deus nos mostra o caminho

Tags:
JustiçaRelacionamentoSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
CONFESSION
Philip Kosloski
Pecados que a maioria dos padres não pode absolver
6
Cura d'Ars
Aleteia Brasil
São João Maria Vianney, o “santo burro” e sua respost...
7
BAPTISM
Reportagem local
Padrinhos de batismo e consagração: existe diferença entre eles?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia