Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Dezembro |
São Cromácio de Aquileia
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Onde realmente começa a minha liberdade?

BUTTERFLY

Serhii Brovko|Shutterstock

Jeanne Larghero - publicado em 24/02/21

Liberdade não significa ter infinitas opções, mas poder escolher o que é certo

Diz-se que “a liberdade de uma pessoa termina onde começa a da outra …” Mas de onde vem essa fórmula? É a melhor definição de liberdade?

Este ditado vem direto das chamadas filosofias “contratualistas” do Iluminismo. Ele pressupõe um mundo onde todos cuidam de si mesmos e onde todos têm as mesmas necessidades básicas. Nesse contexto, se todos adquirirem o hábito de fazer absolutamente o que gostam, ninguém terá muito ou nada.

Por exemplo: em um mundo onde todos esperam viver com boa saúde pelo maior tempo possível, é do interesse de todos parar de cuspir germes no rosto um do outro, mesmo porque ninguém gosta de cobrir o nariz com uma máscara de manhã até noite.

Liberdade e segurança

De fato, qualquer um pode entender o que Hobbes, Rousseau ou Kant quiseram dizer. A liberdade absoluta para todos é o fim da segurança de todos. Portanto, cada indivíduo deve renunciar à liberdade absoluta de vontade, tanto por interesse próprio quanto por ajuda mútua.

É preciso, então, adotar regras que garantam a segurança de todos e que nos protejam de nosso apetite pelo poder. Uma vez que essas regras tenham sido adotadas, a defesa das liberdades pode ser organizada: liberdades de opinião, expressão, associação, movimento e assim por diante.

A liberdade e o outro

Você pode fazer o que quiser, desde que não incomode ninguém?

Esta máxima visa o convívio em paz e permite que sejam lançadas as bases de um sistema democrático. Devemos nos surpreender que se tornou o início e o fim da conduta individual e coletiva.

Muitas pessoas parecem pensar: “Faça o que quiser, desde que não incomode ninguém!” Ou: “Explore todas as possibilidades, desde que a outra pessoa conceda consentimento”. De acordo com essa visão do mundo, “Eu sou livre” se traduz em “Eu faço tudo o que gosto, desde que não infrinja a liberdade dos outros”.

Essa ideia, entretanto, deixa de lado duas considerações críticas.

1 –  Compromisso

Primeiro, nossa liberdade não é automaticamente maior à medida que nosso campo de possibilidades se expande. Aquele que tem tudo ao seu alcance, mas nunca escolhe nada – diante de quem todas as portas se abrem, mas que nunca empurra nenhuma – está exatamente na mesma situação que um homem impedido de abrir qualquer porta.

Tal pessoa não faz nada, não porque a ação seja impossível, mas por impotência. Ele é incapaz de querer, de escolher, de se comprometer.

Na realidade, quanto mais livres queremos ser mais temos de ser capazes de nos comprometer. Uma capacidade forte, sólida e vigorosa de tomar decisões permite-nos escolher bem, e isso é a verdadeira liberdade.

2-  A serviço de um bem

Em segundo lugar, a liberdade não é medida pela quantidade de escolhas disponíveis para nós.

A pergunta que devemos fazer não é: “Até onde pode ir a liberdade – de opinião, de expressão, de movimento?” A única pergunta que realmente vale a pena fazer é: “Como devemos usar nossa liberdade de escolha?”

O que nos torna livres é a capacidade de criar e escolher projetos pelos quais valha a pena defender e lutar. Paradoxalmente, ser livre é estar sempre a serviço de um bem: luz para a inteligência e ímpeto para a vontade.

Portanto, vão vamos defender as liberdades com o objetivo estéril de autopreservação. A liberdade é comprovada e testada no compromisso, e o compromisso é acionado quando o amor entra em ação.

Assim, minha liberdade não termina onde começa a das outras pessoas. Ela termina quando não tenho nada para amar, quando não vejo mais nada que valha a pena salvar.

Decidir amar a vida e desejar um mundo onde cada um não cuide apenas de si mesmo é o coração da liberdade. É o valor de nossos objetivos que é a verdadeira medida de nossa liberdade.


STUDENT

Leia também:
Será que nós estamos educando para a liberdade?

Tags:
liberdadeRelacionamentoSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia