Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 19 Abril |
São Leão IX
home iconEstilo de vida
line break icon

Por que é tão difícil ser uma boa pessoa?

MŁODA KOBIETA

Mark Alexandrovich/Unsplash | CC0

Michael Rennier - publicado em 01/03/21

Ser uma boa pessoa significa estar vulnerável a todo e qualquer tipo de desgosto. E será que estamos dispostos a pagar este preço?

Não seria tão exagerado dizer que sou uma boa pessoa. Estou bem, eu acho. Na maioria das vezes, porém, meu dia é organizado de acordo com o que é mais conveniente para mim. Eu evito discussões. Eu sou legal porque quero que as pessoas sejam legais em troca. Se eu fizer a coisa certa, pode ser mais por um senso de dever do que por um compromisso interno que incentiva a bondade simplesmente pela bondade. O ego e o egoísmo de minhas escolhas estão implícitos.

Não estou me gabando de inaptidão moral como se isso fosse uma espécie de supervilão implacável. Quero realmente pensar nas outras pessoas primeiro, ser implacavelmente generoso, gentil e atencioso. Eu quero que a virtude da bondade tome conta de mim e motive todas as minhas ações. Quando fico complacente com esse compromisso, a Quaresma está sempre lá para me lembrar. Aliás, a Quaresma é um momento para levar a sério a saúde emocional e espiritual. Então eu pego as disciplinas da Quaresma – oração, jejum, esmola – e espero que as mudanças se tornem permanentes.

Eu geralmente falho. Na quarta-feira de cinzas deste ano, por exemplo, eu fiquei com tanta fome durante o jejum que desenvolvi um aborrecimento genuíno com Deus. Essa atitude, de fato, rapidamente derrotou o propósito de todo o exercício. Mas lá vou eu novamente em confissão, assim como em cada Quaresma, contar ao sacerdote como minhas grandes esperanças de finalmente amadurecer como uma pessoa boa foram frustradas e como cedi às tentações.

Você é uma boa pessoa?

Na minha experiência, a grande maioria das pessoas, quando questionadas, afirmará que é uma “pessoa muito boa”. De uma perspectiva, essa resposta faz sentido. Afinal, não somos ditadores do mal ou assassinos em série. Cometemos nossa cota de erros, claro, mas quem nunca?

De outra perspectiva, no entanto, é totalmente incorreto para qualquer um de nós afirmar que somos bons. Todos nós cometemos erros todos os dias, fazendo e dizendo coisas que, embora possam não parecer um grande negócio no momento, se fôssemos olhar para nós mesmos com atenção, deveriam nos preocupar muito.

Ser verdadeiro, honesto e bom no dia a dia, de forma consistente, em cada interação, é quase impossível. Enquanto examino minha própria vida e enfrento mais uma falha, me pergunto por que é tão difícil ser uma boa pessoa.

O orgulho

Ocorre-me que o orgulho desempenha um papel importante. O orgulho me leva à ilusão, sussurrando em meu ouvido que minhas intenções eram boas, meus motivos puros, meus erros não tão grandes. O orgulho é um dispositivo de proteção, e, enquanto esse escudo estiver no lugar, poderei fingir ser uma boa pessoa sem experimentar nenhuma vulnerabilidade. Sem exame de consciência, desculpas ou culpa. Minha suposta bondade se torna uma armadura que ninguém pode perfurar, pois, se eu for bom, ninguém tem permissão para me questionar ou julgar.

Claro, isso não é nada bom. Considere pessoas que são realmente boas. O que isso custa para elas? Cristo foi morto por isso. Pedro foi morto por isso. A Virgem Maria chorou diante de seu filho. E a lista continua. Considere as melhores partes de sua vida – as pessoas que você ama com mais pureza e como esses relacionamentos são repletos de bondade. Esses mesmos relacionamentos nos deixam vulneráveis, certo? Esse é o custo da bondade.

Bondade X fragilidade

Esta é a chocante, mas inegável verdade sobre a bondade – ela está entrelaçada com a fragilidade. Para sermos boas pessoas, devemos ser vulneráveis. Às vezes, nossos esforços serão totalmente infrutíferos ou mesmo recebidos com hostilidade. A bondade nos deixa vulneráveis ​​a todos os tipos de desgosto. A filósofa Martha Nussbaum coloca isso de forma poderosa quando diz: “A condição de ser bom é que sempre deve ser possível para você ser moralmente destruído por algo que você não poderia evitar. Ser um bom ser humano é ter uma espécie de abertura para o mundo…”

De fato, a pergunta que estou me fazendo nesta Quaresma é se estou disposto a ser frágil. Não há como alcançar o bem sem fragilidade porque não há outra maneira de estar aberto para a vida. Seja o que for que a vida tenha reservado para mim, eu gostaria de recebê-lo com bondade. Não porque eu seja invulnerável, mas porque o risco necessário para descobrir o bem vale a pena, e com a fragilidade vem a esperança.

Tenho esperança de que a bondade deste mundo não ficará para sempre sem recompensa, que não se canse e envelheça. Se eu consentir em finalmente lutar pelo bem, não porque é conveniente, mas porque o bem vale a pena pelo seu próprio bem, quem sabe o que vai resultar disso? Como o universo será alterado?

Talvez este seja o caminho para finalmente se tornar uma boa pessoa. Saber que minha alma está em conflito. Provavelmente nunca vou chegar ao fim dessa jornada sem ajuda. Mas tudo bem! Realmente estou pronto para aceitar a fragilidade de saber que, mesmo que só consiga um pouco de bondade aqui ou ali, sempre poderei me levantar, sacudir a poeira e continuar tentando.




Leia também:
Tá difícil ser uma boa pessoa? Então tente rezar esta oração

Tags:
EspiritualidadeQuaresma
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia