Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 15 Abril |
São Damião Veuster
home iconEstilo de vida
line break icon

Possessão diabólica se confunde com epilepsia? A medicina explica que não

RITE,EXORCISM,EVIL

Shutterstock

Vitor Roberto Pugliesi Marques - publicado em 04/03/21

Estejamos em comunhão com a Igreja. Saibamos que existem, é óbvio, doenças neurológicas e psiquiátricas, mas que também há a ação do demônio neste mundo de vários modos

A existência real do demônio é verdade de fé católica desde os tempos bíblicos. Conforme nos ensina o Magistério da Igreja, ele é um anjo criado bom por Deus, todavia perverteu-se pelo pecado. Nos tempos modernos de antropocentrismo e de tendências a se negar os princípios cristãos de sempre, há quem afirme que, na verdade, as possessões demoníacas são manifestações de diversas doenças psiquiátricas e/ou neurológicas, tais como a epilepsia. Ora, baseado nos conceitos atuais da medicina, pretendemos demostrar que não há como sustentar que esses fenômenos espirituais são manifestações epilépticas.

Epilepsia

Conceitualmente, a epilepsia é “um transtorno do encéfalo caracterizado por predisposição persistente de gerar crises epilépticas, e pelas consequências neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e sociais dessa condição” (cf. Conceito de epilepsia da International League Against Epilepsy e da International Bureau for Epilepsy). Quando tem início em uma região cerebral específica e, depois, propaga-se, é denominada epilepsia focal; quando iniciada em determinada região cerebral, mas há uma propagação imediata das descargas por todo o circuito cerebral (de modo a parecer que ocorre em todo o encéfalo ao mesmo tempo) é denominada epilepsia generalizada. Desse modo, conforme seu local de início e sua propagação, a atividade epileptiforme (nome que recebe a atividade cerebral anormal que ocasionam as crises epilépticas) gera no indivíduo uma variada quantidade de manifestações clínicas, sejam elas motoras, sensitivas ou autonômicas, com consequências cognitivas, sociais e psicológicas a estes.

Manifestações

As manifestações epilépticas – que são mais retumbantes e que causam maior impacto social – são as que ocasionam intensos abalos musculares, sendo denominados movimentos tônico-clônicos. Estas podem ser decorrentes tanto de epilepsias focais quanto generalizadas e exigem que se preste socorro imediato ao indivíduo, pois podem ocasionar traumatismos diversos, tais como traumatismos cranianos e fraturas ósseas. Atualmente, há um arsenal técnico sofisticado para se estudar as epilepsias, com especial destaque ao exame de eletroencefalograma e de ressonância magnética de encéfalo. Por meio da correlação vídeo-eletroencefalográfica, pode-se estabelecer, com precisão, como é o quadro clínico de cada tipo de epilepsia, bem como documentar que, de fato, há uma atividade elétrica encefálica anormal concomitante ao evento. Essas manifestações são de certo modo “estereotipadas”, pois se sabe que, conforme cada zona epileptogênica (ou seja, cada região do encéfalo na qual se iniciam as crises), há manifestações clínicas que já são esperadas. 

Possessões demoníacas

Quando os transtornos sob estudo não estão associados a uma atividade epileptiforme, deve-se seguir a investigação com a finalidade de esclarecer outros diagnósticos possíveis para o quadro, tais como transtornos do movimento e transtornos do sono, ou verificar se se trata de uma manifestação psiquiátrica, que é denominada crise não epileptogênica psicogênica (CNEP). Esta, vale destacar, perfaz um número apreciável dos diagnósticos nos serviços especializados. Ora, quando se fala em possessões demoníacas, descrevem-se fenômenos de alterações somáticas (como mudanças da cor dos olhos, surgimento de estigmas ou outras “inscrições” cutâneas, alteração de voz), força incompatível com o físico da pessoa (titanismo), levitação, falar em línguas desconhecidas pela pessoa, ler pensamentos alheios etc. (cf. Possessão demoníaca: os sinais que a medicina não consegue explicar, publicado no Aleteia, por Gelsomino Del Guercio, em 11/08/17). Por mais que se perscrute a semiologia da epilepsia, nenhum desses fenômenos podem ser atribuídos a manifestações epilépticas. Da mesma forma, as crises não epileptogênicas psicogênicas são claramente justificadas por um transtorno psiquiátrico subjacente do indivíduo, pelo seu contexto sociocultural, ou pelo seu porte físico (por exemplo, o titanismo é algo que não é documentado nesses transtornos). 

Situações totalmente distintas

É verdade que há epilepsias que são por demais interessantes, tais como as denominadas epilepsias com automatismo religioso. Nessas epilepsias, iniciadas no hemisfério cerebral direito, o indivíduo inicia a crise convulsiva com repetidos movimentos religiosos automáticos, tais como benzer-se com o sinal da cruz de forma sequencial. Curiosamente, ao contrário das possessões demoníacas, em que se tem aversão aos símbolos religiosos, essa epilepsia parece ser bem católica! Assim, tendo um estudo básico de epileptologia, pode-se concluir que não há como atribuir às manifestações epilépticas a etiologia das possessões demoníacas; são situações totalmente distintas. Ao que nos parece, esse “forçar a barra” para dizer que as possessões não existem tem origem em uma má formação católica ou em uma intenção de colocar no homem na origem de tudo, de modo a delegar o plano transcendental aos bastidores da humanidade ou, então, à sua inexistência. 

Estejamos em comunhão com a Igreja. Saibamos que existem, é óbvio, doenças neurológicas e psiquiátricas, mas que também há a ação do demônio neste mundo de vários modos, inclusive por meio de possessões. Sabendo discernir as diversas situações (de preferência com a ajuda de um padre exorcista, que é o sacerdote especializado na área) poderemos, de fato, exercer a caridade de corpo e de alma para com o nosso próximo. 




Leia também:
O holocausto e o “vigiai e orai”


BABY

Leia também:
A você que atua em hospitais ou nas ruas: o Batismo em caso de necessidade

Tags:
DemônioSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
4
LOVE AND MERCY FILM
Aleteia Brasil
O filme sobre Santa Faustina e a Divina Misericórdia já está disp...
5
DIVINE MERCY
Reportagem local
Como obter indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia...
6
agnus Dei
Catholic Link
Filme “Agnus Dei”: o dilacerante calvário das freiras...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia