Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 19 Abril |
São Leão IX
home iconEstilo de vida
line break icon

Por que você deve compartilhar seus medos com seu cônjuge

Goodluz / Shutterstock

Isabelle De Ché - publicado em 08/03/21

A comunicação é a chave para a felicidade e o sucesso no casamento

“Eu não quero mais ter filhos. Não é negociável.” Quando Simon disse isso para sua esposa, Clarisse, ela ficou perplexa. Profundamente magoada por essa atitude de rejeição, perguntou ao marido os motivos de sua decisão. Graças à paciência de Clarisse, à escuta atenta e à ajuda de um terapeuta matrimonial, Simon reconheceu que tinha medo de outra gravidez.

Ele estava com medo de perder a liberdade que ele finalmente encontrara depois que seu filho mais novo cresceu. De fato, Simon tinha medo de ter discussões com sua esposa novamente por causa do cansaço que eles experimentariam nos primeiros anos de criação de outro filho.

Por que não compartilhamos nossos medos?

Muitas vezes, a razão pela qual não queremos expressar nossos temores ao nosso cônjuge é porque temos medo de mostrar nossa própria vulnerabilidade. “Será que meu marido zombará de mim se eu contar a ele meu medo de ficar sozinha? E se ele não me entender? E se ele começar a pensar que não sou a mulher forte com quem ele pensou que se casou?”, pensam algumas mulheres.

Para Claire Deprey, uma conselheira matrimonial, “esse medo de não ser ouvido ou compreendido reflete uma má imagem de si mesmo”. Além disso, o medo também pode ser amplificado por uma história familiar. Ou seja: alguns cônjuges têm medo de se abrir porque tal confissão poderia ser usada contra eles mais tarde, na forma de acerto de contas. Assim, esses sentimentos são frequentemente mascarados pela agressão, aborrecimento ou raiva.

Benefícios de compartilhar seus medos

Embora possa ser difícil, é muito benéfico compartilhar nossos medos com nosso cônjuge.

“Nossos medos pertencem a cada um de nós; eles não estão lá para colocar os cônjuges um contra o outro”, garante Marie-Aude Binet, que também é conselheira matrimonial.

Viver na verdade, portanto, é o primeiro benefício. Além disso, é um profundo sinal de confiança, que ajuda os cônjuges a fortalecerem seu vínculo.

Abrir-nos para nosso cônjuge nos libera e reforça nossa autoconfiança. Deprey diz que, quando confidenciamos todos os nossos sentimentos ao nosso cônjuge, ficamos mais cientes de sua origem.

Entretanto, as pessoas com personalidades fortes não estão necessariamente cientes de seus medos. Eles podem fugir deles ou tentar escondê-los.

Nesse caso, o outro cônjuge pode tentar ajudar, fazendo perguntas oportunas, como por exemplo:

  • De onde pode vir esse problema?
  • Como você explica sua insônia?
  • O que o impede de seguir seu desejo de mudar de emprego?

Quando somos nós que recebemos as confidências de nosso cônjuge, isso nos ajuda a sentir que desempenhamos um papel útil e somos valorizados em nosso papel de protetor. Ficamos comovidos com este gesto de confiança.

Como chegamos aqui?

Frequentemente, os casais se lembram de que, nos primeiros anos de relacionamento, “contávamos tudo um ao outro!”

Entretanto, o ritmo implacável da vida cotidiana, assim como o colapso do mito do cônjuge perfeito, podem secar o diálogo conjugal. “Dizemos a nós mesmos que estamos lidando com uma pessoa como outra qualquer e não ousamos mais ser tão transparentes como éramos no início do relacionamento”, diz Deprey.

E se compartilhar nossos próprios medos como casal significasse restaurar a comunicação? Falar de tudo permite um diálogo fluido, regular e transparente. “No entanto, tome cuidado para não se esconder por trás dessas discussões inofensivas. Colocar na mesa o que vai bem e o que está mais difícil faz parte da vida de um casal ”, aconselha Deprey.

Cônjuges não são psicólogos

Ao mesmo tempo, nossos cônjuges não são nossos psicólogos. Não é sua vocação resolver todas as dificuldades do outro. “Em vez disso, o papel deles é ajudar uns aos outros a revelar” o que está acontecendo, diz Deprey.

Compartilhar nossos medos é simplesmente uma forma de desabafar, sem necessariamente esperar por uma solução concreta. Mas, por meio da conversa, um caminho possível para uma solução pode ser aberto.

Depende da pessoa que está se abrindo entender – ou não. Por meio de um carinho, um olhar ou um sorriso podemos mostrar compaixão e restaurar a segurança emocional.




Leia também:
Preciso contar tudo o que acontece comigo para o meu cônjuge?

Tags:
CasamentoEspiritualidadeFamíliaRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
4
BENEDICT XVI
Reportagem local
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
7
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia