Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 19 Abril |
São Leão IX
home iconReligião
line break icon

Papa sobre viagem ao Iraque: minha alma está cheia de gratidão

Reportagem local - publicado em 10/03/21

"Experimentei o forte sentido penitencial desta peregrinação: não podia aproximar-me daquele povo martirizado, daquela Igreja mártir, sem carregar, em nome da Igreja católica, a cruz que eles carregam há anos"

O Papa Francisco dedicou sua catequese de hoje à sua recente viagem apostólica ao Iraque de 5 a 8 deste mês.

Nos últimos dias, o Senhor concedeu-me visitar o Iraque, realizando um projeto de São João Paulo II. Nunca antes um Papa tinha estado na terra de Abraão; a Providência quis que isto acontecesse agora, como sinal de esperança, após anos de guerra e terrorismo e durante uma dura pandemia.

“Depois desta Visita, a minha alma está cheia de gratidão”, afirmou o Papa.

Experimentei o forte sentido penitencial desta peregrinação: não podia aproximar-me daquele povo martirizado, daquela Igreja mártir, sem carregar, em nome da Igreja católica, a cruz que eles carregam há anos; uma grande cruz, como aquela colocada à entrada de Qaraqosh. Senti-o de forma particular quando vi as feridas ainda abertas da destruição, e ainda mais quando conheci e ouvi as testemunhas que sobreviveram à violência, à perseguição e ao exílio… E ao mesmo tempo vi ao meu redor a alegria de acolher o mensageiro de Cristo; vi a esperança de se abrir a um horizonte de paz e fraternidade, resumida nas palavras de Jesus, que foram o lema da Visita: «Sois todos irmãos» (Mt 23, 8). Vi esta esperança no discurso do Presidente da República, encontrei-a em muitas saudações e testemunhos, nos cânticos e nos gestos das pessoas. Li-a nos rostos luminosos dos jovens e no olhar vivaz dos idosos. Gente que esperava o Papa há cinco horas, em pé… inclusive mulheres com os filhos no colo… aguardavam, e nos seus olhos havia esperança.

Paz

O Papa afirmou que “o povo iraquiano tem o direito de viver em paz, tem o direito de voltar a encontrar a dignidade que lhe pertence”.

As suas raízes religiosas e culturais são milenares: a Mesopotâmia é berço de civilização; na história, Bagdad foi uma cidade de importância primordial, que durante séculos albergou a biblioteca mais rica do mundo. E o que a destruiu? A guerra. A guerra é sempre o monstro que, na medida em que os tempos mudam, se transforma e continua a devorar a humanidade. Mas a resposta à guerra não é outra guerra, a resposta às armas não são outras armas. E perguntei-me: quem vendia as armas aos terroristas? Quem vende hoje as armas aos terroristas, que estão a perpetrar massacres noutras partes, pensemos na África por exemplo? É uma pergunta à qual gostaria que alguém respondesse.  A resposta não é a guerra mas a resposta é a fraternidade. Eis o desafio para o Iraque, mas não só: é o desafio para muitas regiões de conflito e, definitivamente, é o desafio para o mundo inteiro: a fraternidade. Seremos capazes de fazer fraternidade entre nós, de fazer uma cultura de irmãos? Ou continuaremos com a lógica iniciada por Caim, a guerra? Irmandade, fraternidade.

Ur

Por isso, cristãos e muçulmanos, encontrámo-nos e rezámos com representantes de outras religiões em Ur, onde Abrão recebeu a chamada de Deus há cerca de quatro mil anos. Abrão é pai na fé porque ouviu a voz de Deus que lhe prometia uma descendência, deixou tudo e partiu. Deus é fiel às suas promessas e ainda hoje guia os nossos passos de paz, orienta os passos daqueles que caminham na Terra com o olhar voltado para o Céu. E em Ur, enquanto estávamos juntos sob aquele céu luminoso, o mesmo céu em que o nosso pai Abrão viu a nós, sua descendência, no nosso coração parecia ressoar esta frase: Sois todos irmãos.

Bagdá

Uma mensagem de fraternidade emanou do encontro eclesial na Catedral sírio-católica de Bagdad, onde em 2010 quarenta e oito pessoas, incluindo dois sacerdotes, foram assassinadas durante a celebração da Missa. A Igreja no Iraque é uma Igreja mártir e naquele templo, que tem inscrita na pedra a memória daqueles mártires, ressoou a alegria do encontro: o meu entusiasmo por estar no meio deles fundia-se com a sua alegria de ter consigo o Papa.

Mossul e Qaraqosh

Transmitimos uma mensagem de fraternidade de Mossul e de Qaraqosh, na margem do rio Tigre, próximo das ruínas da antiga Nínive. A ocupação do Ei provocou a fuga de milhares de habitantes, entre os quais muitos cristãos de diferentes Confissões e de outras minorias perseguidas, especialmente os yazidis. A antiga identidade daquelas cidades foi destruída. Agora, com grande dificuldade, procura-se reconstruir; os muçulmanos convidam os cristãos a regressar e, juntos, restauram igrejas e mesquitas. Fraternidade é isto. E continuemos, por favor, a rezar por estes nossos irmãos e irmãs tão provados, para que tenham a força de recomeçar. E pensando nos numerosos emigrantes iraquianos, gostaria de lhes dizer: deixastes tudo, como Abrão; como ele, mantende a fé e a esperança, e sede tecelões de amizade e de fraternidade onde quer que estejais. E, se podeis, regressai.

Erbil

Uma mensagem de fraternidade emanou das duas Celebrações eucarísticas: a de Bagdad, em rito caldeu, e a de Erbil, a cidade onde fui recebido pelo Presidente da região e pelo seu Primeiro-Ministro, pelas Autoridades – agradeço a quantos me vieram receber – e também o povo me acolheu. A esperança de Abrão e da sua descendência realizou-se no mistério que celebramos em Jesus, o Filho que Deus Pai não poupou, mas ofereceu para a salvação de todos: pela sua morte e ressurreição, Ele abriu-nos a passagem para a terra prometida, para uma nova vida onde as lágrimas são enxugadas, as feridas curadas, os irmãos reconciliados.

O Papa Francisco pediu ao final que “continuemos a rezar por aquela Terra e pelo Médio Oriente”.




Leia também:
Papa no Iraque: 10 imagens que entrarão para a história




Leia também:
Iraque: Papa alerta sobre o poder destruidor da violência, do ódio e da guerra

Tags:
IraquePapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
4
BENEDICT XVI
Reportagem local
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
7
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia