Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
Santos Vardan e companheiros
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Como era e o que pensava o médico católico que descobriu a síndrome de Down

Jérôme Lejeune

Alain PINOGES/CIRIC

John Burger - publicado em 22/03/21

"Ele conseguia convencer os pais a levar seus bebês com Down para casa, ao invés de abandoná-los", revela Pilar Calva Mercado. Ela foi aluna de Jerome Lejeune, que está a caminho dos altares

No dia 21 de janeiro de 2021, o Vaticano anunciou um grande passo na causa da canonização de Jerome Lejeune, o médico francês que descobriu a causa genética da síndrome de Down.

De fato, a data era significativa para Aude Dugast, postulador dessa causa. Vinte e um é um número importante quando se fala sobre a síndrome de Down, que é causada por um terceiro cromossomo no 21º par de cromossomos.

É por isso que 21 de março – 21/3 – foi a data escolhida para o Dia Mundial da Síndrome de Down.

O trabalho de Lejeune em genética certamente se concentrou em números como esse. Mas. para Lejeune, seus pacientes eram tudo menos meros números.


Jérôme Lejeune

Leia também:
Descobridor da Síndrome de Down está em processo de beatificação

Dedicação aos pacientes

“Sua prioridade eram os seus pacientes”, disse a Dra. Pilar Calva Mercado, que estudou com Lejeune na década de 1980. Calva disse que ele passava “horas e horas com os pacientes” e levaria todo o tempo necessário para responder às perguntas de pais preocupados.

“Ele era muito dedicado aos seus pacientes”” disse Calva em uma entrevista. “Quando as coisas não iam bem para um paciente, ele realmente fazia parte da tristeza e das preocupações do paciente; ele fazia parte do sofrimento do paciente ”.

Em 1982, Calva era recém-formado em medicina pela Cidade do México e queria se especializar em genética. Com a ajuda de seu professor, ela conseguiu se mudar para Paris por oito meses para trabalhar e estudar sob a tutela de Lejeune, que já era uma renomada geneticista.

Lejeune deu a ela o tempo e o equipamento para fazer sua própria pesquisa, mas também queria que ela o “seguisse” enquanto ele tratava os pacientes.

Ela não era católica praticante na época e, como ela diz, “muito liberal” em relação ao aborto, contracepção e fertilização in vitro.

Mas o exemplo de Lejeune – sem que ele a procurasse abertamente – a levou a reconsiderar suas posturas.

“Eu queria aprender muita ciência”, disse ela. “Não o procurei porque ele era muito católico, mas porque era muito bom no que fazia, em genética clínica.”

Na verdade, assim que o conheceu, ela percebeu que ele era muito inteligente. Mas ela também teve a sensação, por algo em seus olhos azuis brilhantes, que ele também era um homem sábio.

Contando cromossomos

O que mais a impressionava, no entanto, foi como ele tratava seus pacientes.

“Ele mostrava por que eles eram tão especiais. Ele os levava para o laboratório. Existem microscópios onde duas pessoas podem olhar ao mesmo tempo, então ele se sentava com as crianças, contava os cromossomos e dizia: ‘Aqui estão os cromossomos’, e elas os contavam. Então, ele lhes mostrava os modelos e demonstrava por que elas eram tão especiais.”

Para pais desapontados, Lejeune tinha uma maneira de dar esperança explicando dados médicos e científicos complexos de uma forma acessível. Ele poderia gentilmente persuadir os futuros pais a receberem um bebê recém-nascido com síndrome de Down em sua casa, em vez de abandoná-lo na maternidade, como era permitido pela lei francesa. Ele costumava dizer que o que temos em capacidade de inteligência, as pessoas com Trissomia 21, outro termo para síndrome de Down, têm em “grandeza de amor”, lembra Calva.

Viagens misteriosas

De vez em quando, Lejeune “fazia essas viagens misteriosas” a Roma, lembra Calva. Anos antes, ele havia sido nomeado membro da Pontifícia Academia de Ciências pelo Papa Paulo VI. Ele não era o tipo de pessoa que ficava se gabando disso, mas a informava, por exemplo: “nesta sexta-feira você pode trabalhar mais no laboratório porque vou passar o fim de semana em Roma”.

Ele compartilhava com ela um pouco do que saía das reuniões e um documento que ele trouxe mudou o pensamento de Calva sobre sobre biologia, ciência e fé. Mais tarde, ela compreendeu que se tratava de “um documento que fundamentou bastante a Fides et Ratio, a encíclica sobre fé e razão do Papa São João Paulo II, de 1998.

“Pensava que você não poderia ser um católico e um bom cientista ou médico”, disse Calva, acrescentando: “Se você fosse praticar, você tiraria seu jaleco branco no domingo, colocaria sua cruz e seria católico, e no resto da semana, não faria nada a ver com sua fé.”

Questões de religião

Calva, que voltou a Paris em 1986 para estudar citogenética com Lejeune, disse que o mundialmente conhecido geneticista – sem nunca perguntar sobre sua filiação religiosa – influenciou seu pensamento em questões como o aborto e a fertilização in vitro, por exemplo. Ele disse a ela que, como a medicina estava usando sua descoberta genética para realizar diagnósticos pré-natais que poderiam levar à decisão de abortar um bebê com síndrome de Down, ele próprio participaria de um diagnóstico pré-natal apenas se fosse usado para ajudar o feto.

“Quando ele me disse por que não faria o diagnóstico pré-natal, isso me convenceu”, disse ela. “Ele me disse que não poderia colaborar com uma sentença de morte. Ele não ia fazer um aborto… Então, quando não se pode fazer nada para curar uma doença, tem-se que trabalhar mais para aliviar o sofrimento, mas não para matar o paciente. Isso foi algo que mudou completamente minha mente”, acrescentou a doutora.

Fomentando a fé

Além disso, ela confidenciou a ele que temia que sua fé recém-descoberta estivesse abalada e que ela pudesse ter dificuldades para perseverar quando voltasse para o México. Lejeune, que provavelmente foi um dos médicos mais ocupados do mundo, continuou a enviar seus livros e papéis para apoiar sua fé. E isso foi antes do e-mail.

Lejeune foi nomeado pelo Papa João Paulo II como presidente da recém-criada Pontifícia Academia para a Vida. Mas ele morreu de câncer apenas algumas semanas depois, no domingo de Páscoa de 1994.

Calva, que se tornou membro da Academia em 2002, dá continuidade ao legado de Lejeune hoje no México e em toda a América Latina, ensinando bioética e dando cursos para médicos e padres, além de ajudar pacientes terminais com problemas de fim de vida.




Leia também:
A jovem com síndrome de Down que luta contra o aborto de pessoas deficientes

Tags:
BebêsCanonizaçãoSíndrome de down
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia