Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Qual é o sentido de renunciar a um desejo seu em favor do outro?

petite fille tentée par du chocolat

© marisc - shutterstock

Carlos Padilla Esteban - publicado em 28/03/21

Às vezes achamos que a renúncia significa apenas dor, ausência, perda, uma falta de plenitude que não tem sentido algum

Atualmente, muitas mães renunciam a estar com seus filhos para morar em outro lugar e ganhar um salário suficiente para sua educação futura. Este é um exemplo de como a renúncia é geradora de vida, ainda que traga consigo muita dor para ambas as partes.

Às vezes achamos que a renúncia significa apenas dor, ausência, perda, uma falta de plenitude que não tem sentido. Mas o plano de Deus encaixa tudo, ainda que na terra nos custe compreender sua vontade.

A renúncia é fonte de vida no coração de Deus: a renúncia de Maria foi para cuidar de Jesus; a renúncia de Jesus foi para salvar os homens; a renúncia de tantos santos ao longo da história da Igreja é uma renúncia feita no coração de Deus, com humildade, docilidade, para dar vida, para ser fecunda.

Dom de amor

Muitas pessoas recebem a vida de uma pessoa capaz de renunciar, por amor, a si mesma, aos seus planos, ao seu próprio caminho de felicidade, de autorrealização como pessoa – essa autorrealização que hoje em dia parece sagrada para todo mundo.

Atualmente, muitas pessoas buscam a si mesmas tentando realizar-se, encontrar o melhor lugar para desenvolver seus talentos e capacidades; reclamam quando não têm o emprego dos sonhos, a melhor casa, o melhor país… Quando seus sonhos não se realizam, elas não entendem que a renúncia pode ter um valor.

No entanto, também há pessoas capazes de renunciar por amor, de colocar a si mesmas em segundo lugar – como essas mulheres fortes que aprendem a viver em solidão para que seus filhos tenham uma boa educação e possam trilhar seu caminho. Entregam o que mais amam e aprendem, assim, a amar no silêncio, na solidão, muitas vezes na distância. Aprendem a educar de joelhos, como tantas outras mães, quando se sentem impotentes na hora de educar seus filhos.

Essa entrega pode ser o início de algo grande. Talvez de maneira pouco consciente, de forma simples e humilde. Mas podem mudar a vida para sempre.

Humildade

Renúncias assim nos fazem perguntar-nos se nós também somos capazes de renunciar, de colocar-nos em segundo plano, de alegrar-nos quando outros podem seguir seus caminhos e encontrar a felicidade, enquanto nós permanecemos ocultos.

Maria é um modelo a seguir. Ela aceitou a condição de serva, dando vida às palavras “Faça-se em mim segundo a tua palavra”. Ela se retirou, deixou que Jesus se fizesse carne em sua vida e mudasse para sempre seu caminho, seu destino, o rumo dos seus passos, seus próprios planos de vida. Trata-se de ser capazes de negar a nós mesmos para poder afirmar os outros.

“Sem lagar, não há vinho”, dizia o Pe. Kentenich. “Se o grão de trigo não cai na terra e morre, fica só”, diz Jesus. Renunciar a nós mesmos só tem sentido se for para que outros tenham vida em abundância. Este é o sentido de toda renúncia: uma morte para dar vida. Que os outros tenham mais vida, uma vida verdadeira e plena.

Nosso caminho de plenitude passa pelo caminho de plenitude daqueles a quem amamos.

E você, valoriza a renúncia? Entende que ela pode ser fonte de vida e fecundidade?

A que coisas você renuncia por amor?




Leia também:
Papa: para sairmos melhores desta crise, devemos fazê-lo juntos, não sozinhos

Tags:
AmorDeusVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia