Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Outubro |
São Lucas
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Ditadura por decretos ameaça a população de bem

Ralf Liebhold / Shutterstock.com

Felipe Bertazzo Tobar - publicado em 31/03/21 - atualizado em 31/03/21

É de se lembrar que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo a não ser em virtude da lei

Os decretos sanitários de alguns Estados brasileiros tornaram-se – graças também a prefeitos com viés para tiranos – uma verdadeira ditadura a ameaçar a população de bem desejosa trabalhar honestamente. A questão que se põe é: tais decretos são legais?

Para responder à questão, parece ser importante distinguir dois pontos. O primeiro é o respeito às normas sanitárias (comércio com número reduzido de clientes, dispenser com álcool em gel na entrada, todos com máscaras etc.). Merecem acatamento. Quem desrespeita tais normas pode, como punição, receber multa administrativa ou mesmo a lacração do comércio. Aqui, já entra o segundo ponto – que, por ora, nos interessa – pois diz respeito às aberrações jurídicas que vêm sendo cometidas por agentes públicos.

Sim, tem sido comum que, no cumprimento do decreto do governador do Estado ou do prefeito, o agente público exagere na ação. Foi o que se deu, em Ribeirão Preto (SP), na prisão em flagrante de um comerciante insistente em manter o seu comércio aberto, apesar dos Decretos estadual e municipal. Alegava-se para validar legalmente a condução do homem à cadeia que ele atentou contra os artigos 268, 286 e 330 do Código Penal. Que dizem eles? – Transcrevamo-los: “Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa: Pena – detenção, de um mês a um ano, e multa”. “Art. 286 – Incitar, publicamente, a prática de crime: Pena – detenção, de três a seis meses, ou multa”. “Art. 330 – Desobedecer a ordem legal de funcionário público: Pena – detenção, de quinze dias a seis meses, e multa”.

Ora, o Dr. Giovani Augusto Serra Azul Guimarães, juiz de Direito, no Processo n. 1500681-23.2021.8.26.0530, entendeu que a prisão em flagrante foi manifestamente ilegal e, por isso, a relaxou, nos termos do art. 5º, inciso LXV, da Constituição da República (“a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária”) e do art. 310, inciso I, do Código de Processo Penal (“relaxar a prisão ilegal”). Quanto aos alegados artigos 268, 286 e 330 do Código Penal, o juiz assegura que “a Constituição da República, em seu art. 5º, reconhece, entre outros, os direitos fundamentais, inerentes à dignidade humana, à propriedade (caput), ao livre exercício do trabalho, ofício ou profissão (inciso XIII), à intimidade, à vida privada e à honra das pessoas (inciso X) e à livre locomoção no território nacional em tempo de paz (inciso XV)”. 

E continua: “Conforme ressabido, de acordo com os artigos 136 e 137 da Magna Carta brasileira, as únicas hipóteses em que se podem restringir alguns dos direitos e garantias fundamentais são os chamados Estado de Defesa e o Estado de Sítio, cuja decretação compete ao Presidente da República, com aprovação do Congresso Nacional, nos termos dos mesmos dispositivos constitucionais citados”. Como, “atualmente, não vigora nenhum desses regimes de exceção no Brasil, de modo que o direito ao trabalho, ao uso da propriedade privada (no caso, o estabelecimento comercial) e à livre circulação jamais poderiam ser restringidos, sem que isso configurasse patente violação às normas constitucionais mencionadas”, acrescenta o magistrado. Afinal, qualquer pessoa que tenha a mínima noção de Direito sabe que um decreto não pode contrariar a lei, ainda mais a Constituição Federal. Apesar dos constantes entendimentos estranhos do STF sobre alguns pontos dela, nestes, em específico, parece que ainda estamos seguros.

Ante tudo isso, é de se lembrar que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo a não ser em virtude da lei (cf. Constituição Federal art. 5º, inciso II). Logo, o que não está previsto em lei não é crime. Desse modo, o agente público que exorbita suas atribuições legais poderá – e até deverá – responder por abuso de autoridade (cf. Lei n. 13.869, de 5 de setembro de 2019). Em concreto: se você for vítima de um ato desses, mantenha a calma, filme toda a ação e dê ciência da filmagem aos agentes públicos, identifique-os e recorra – com ajuda de um bom advogado, se possível –, ao Poder Judiciário: se o decreto é do governador, ao TJ; se o decreto é do prefeito, à sua própria Comarca. Aos agentes da lei recomendamos bom-senso para que não se transformem, amanhã ou depois, em condenados. Reflitamos!




Leia também:
Contra a dignidade do trabalho honesto?

Tags:
CoronavírusPandemia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
3
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
4
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
7
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia