Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
home iconEstilo de vida
line break icon

Como evitar a construção de muros entre os membros da família?

COUPLE ARGUMENT

fizkes | Shutterstock

Dolors Massot - publicado em 12/04/21

Aproximem-se uns dos outros seguindo essas dicas inspiradoras

Na vida familiar, é comum se dar melhor com uns e ter mais dificuldade com outros. É uma questão de “química”, de temperamento, de compartilhar opiniões e a forma como abordamos os assuntos.

Também é verdade que nem sempre nos damos bem uns com os outros da mesma maneira ao longo do tempo. Uma família é como um ser vivo: muda continuamente, cresce e se relaciona com outros seres vivos. Há momentos de paz e momentos em que tudo fica abalado.

É bom estar alerta para pequenas situações que parecem sem importância, mas que, quando somadas, criam um problema familiar.

Lembro-me de um chefe meu, casado e com filhos, que usou todas as suas economias e as de sua esposa para comprar uma casa nova. Era o sonho de ambos e eles colocaram todas as suas expectativas naquele projeto. Mas, de um dia para o outro, eles perceberam que haviam sido vítimas de um golpe imobiliário. Foi um choque.

Um dia, quando perguntei como eles estavam, ele respondeu: “Minha esposa e eu nem sequer nos falamos quando nos cruzamos no corredor.” O fato é que, quando há problemas, eles afetam a maneira como agimos e podem até afetar adversamente aqueles que mais amamos.

No entanto, isso ilustra como é importante estar alerta para situações que podem parecer sem irrelevantes, mas que na verdade são. Em uma família, pode haver obstáculos que parecem questões menores, mas acabam construindo muros que nos separam uns dos outros.

Por exemplo:

  • reações típicas de temperamento, das quais não falamos e que nos incomodam cada vez mais;
  • erros pelos quais não pedimos perdão a outro (ou erros de outros pelos quais não nos foi pedido perdão);
  • erros da outra pessoa sobre os quais preferimos manter em silêncio, mas que guardamos em nossa memória.

O momento em que a lista cresce e explode

Talvez aconteça conosco em nossa família como acontece com o caixa do supermercado. Ela está contabilizando as coisas na caixa registradora e, quando chega a hora de pagar, acabamos com uma lista muito longa e um preço alto que nos deixa perplexos. O fato é que muitas vezes, talvez sem estarmos muito conscientes disso, mantemos uma lista de ofensas que as pessoas cometeram contra nós.

No final, essas listas são como uma bomba que eventualmente explode.

São um muro que construímos e que nos separa de nossos entes queridos. Cada item “sem importância” da lista torna-se uma pedra com a qual, no final, construímos um muro que nos divide, separa e pode até acabar rompendo a relação.

Principalmente na vida familiar, é importante estar atento para evitar levantar, mesmo que seja um pouco, as paredes às vezes imperceptíveis que nos distanciam uns dos outros.

“Se, em vez de deixarmos de lado as coisas que nos incomodam, alimentarmos ressentimentos, o que em si é normal e inofensivo pode gradualmente obscurecer nosso coração”, alerta Carlos Ayxelà, sacerdote que trabalha na pastoral juvenil e familiar na Suíça.

O que podemos fazer para evitar a construção de muros em nossa família?

Há uma receita para evitar a construção dessas paredes que separam: é misericórdia.

“A misericórdia”, diz Ayxelà, “tira-nos do círculo vicioso do ressentimento, que nos leva a acumular uma lista de queixas em que o eu é sempre exaltado às custas das deficiências dos outros, reais ou imaginárias.”

Essa misericórdia, para um cristão, significa ter os mesmos sentimentos que Cristo ao olhar para os outros. Como Jesus olharia para minha sogra? Como Jesus olharia para aquela irmã ou cunhado, e aquele filho que te dá dor de cabeça? Para aprender a olhar para os outros como Jesus, devemos primeiro falar com Jesus.

Devemos falar sobre nossos conflitos? Sim, claro, mas com Deus antes de tudo. Ele fornecerá o filtro para sabermos como julgar esses fatos e ter as palavras adequadas para descrevê-los ao falarmos com outras pessoas.

Tags:
FamíliaRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia