Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 24 Setembro |
home iconReligião
line break icon

Moçambique: a situação é dramática em Cabo Delgado

MOZAMBIQUE

Johan Viljoen | ACN

Reportagem local - publicado em 25/04/21

Grupos terroristas têm atacado aldeias, vilas e cidades desde 2017 e já causaram mais de dois mil mortos e 700 mil deslocados

O tema de Cabo Delgado esteve em destaque ontem na apresentação em Lisboa do Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo da Fundação AIS. Guilherme d’Oliveira Martins, que apresentou o documento, classificou de “dramática” a situação que se vive nesta província no norte de Moçambique, e considerou essencial a cooperação entre todas as organizações presentes no terreno no apoio às populações. 

“A situação é dramática e é indispensável que todos ajudem estas populações, designadamente as instituições da sociedade civil e as organizações de base religiosa [que] não podem deixar de ter um papel positivo sobretudo na protecção das pessoas que estão vulneráveis e que são objecto de violência de morte.”

O administrador-executivo da Fundação Calouste Gulbenkian sublinhou durante a sessão de apresentação do Relatório, que decorreu ontem de manhã numa sessão virtual, o papel que o Estado moçambicano deve desempenhar neste conflito causado por grupos terroristas que têm vindo a atacar aldeias, vilas e cidades desde 2017 e que já causaram mais de dois mil mortos e mais também de 700 mil deslocados. 

Vazio de autoridade

“É indispensável que haja uma intervenção corajosa por parte da Estado moçambicano”, disse Oliveira Martins, acrescentando que “esta questão é absolutamente crucial para não gerar situações de vazio de autoridade”. “Deve haver [também] um apoio da comunidade internacional para que não haja um vazio de autoridade e para que haja a possibilidade efectiva de protecção e de salvaguarda das populações”, disse ainda.

Posição semelhante foi tomada por Catarina Martins de Bettencourt. A directora da Fundação AIS em Portugal enfatizou o papel da sociedade civil e da Igreja no trabalho crucial de apoio às populações deslocadas pelo conflito, lembrando que “Moçambique é um dos países mais pobres do mundo, e as pessoas desta região [de Cabo Delgado] são já de si muito pobres também…” 

Catarina Bettencourt lembrou ainda que a Fundação AIS pertence a uma “plataforma de várias organizações que está a tentar fazer um ‘lobby’ positivo no sentido de trazer esta questão para a agenda política de Portugal”, sublinhando ainda o papel que o governo de Lisboa pode desempenhar durante o primeiro semestre deste ano que corresponde à presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. 

Catástrofe humanitária

Sobre o trabalho efectivo da Fundação AIS na ajuda humanitária às populações de Cabo Delgado, lembrou que “já no fim do ano passado” foi enviada “ajuda de emergência para a Igreja alimentar, vestir, cuidar destes milhares e milhares de deslocados”, e que sem essa ajuda, que tem de continuar, “podermos assistir a uma calamidade, uma catástrofe humanitária ainda maior”.

O caso de Cabo Delgado foi discutido já na parte final da apresentação do Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, trabalho de investigação produzido a nível internacional pela Fundação AIS. Moçambique faz parte de um conjunto de países retratados a vermelho no Mapa do Relatório por causa da “perseguição” e “discriminação” aos crentes. É um mapa que engloba o Afeganistão, o Bangladesh, mas também a China, Mianmar, Irão, Coreia do Norte, Líbia ou Índia, num total de 26 países. O caso da Índia mereceu comentários por parte de Guilherme d’Oliveira Martins, em resposta a uma questão colocada no final da sessão de apresentação do Relatório. O facto de estar agendada para a cidade do Porto uma cimeira entre a União Europeia [EU] e a Índia, no âmbito da presidência portuguesa, pode ser importante para o debate das questões relacionadas com os direitos humanos. 

(Com Fundação AIS)

Tags:
PerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Reportagem local
Milagre do sangue de São Januário volta a ser registrado em Nápol...
2
Vulcão Cumbre Vieja
Violeta Tejera
Vulcão Cumbre Vieja obriga pároco a evacuar capela às pressas
3
Jim Caviezel
J-P Mauro
Jim Caviezel presta uma homenagem eletrizante a Maria
4
Maria Paola Daud
O dia em que Nossa Senhora parou a lava do vulcão Etna
5
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
6
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
7
Oração católica para pedir chuva
Reportagem local
Existe oração católica para pedir chuva? Sim, e aqui vai ela
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia