Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 05 Dezembro |
São Saba
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Lições dos Padres do Deserto para superar o orgulho

GoodStudio I Shutterstock

Aliénor Strentz - publicado em 28/04/21

Se a queda de Satanás se deve ao seu orgulho, é essencial que o cristão rejeite esse veneno da alma se quiser permanecer unido a Deus

Os Padres do Deserto são homens que, apaixonados por Cristo, se retiraram para o deserto para viver de coração a coração com Deus, na solidão. Eles viviam nos primórdios do cristianismo (a partir do final do século III século), principalmente no Oriente Médio. 

Os padres mais famosos são os do deserto do Egito. Entre eles estavam os eremitas ou anacoretas, os que viviam sozinhos, e os cenobitas, os que viviam em comunidades. 

Vários fatores podem explicar a ruptura deles com a sociedade. Exemplos: as perseguições anticristãs organizadas pelo poder imperial, em particular entre 250 e 303, as lutas doutrinárias na jovem Igreja ou o desejo de seguir a Cristo.

O que se sabe sobre os Padres do Deserto

Pouco se sabe sobre os Padres do Deserto. Mas o certo é que os retiros que eles faziam os tornaram mestres no campo do discernimento espiritual. Frequentemente, jovens discípulos vinham vê-los para pedir “uma palavra” que iluminasse seus caminhos.

Eles nos deixaram sábios pensamentos, conjuntos de anedotas e palavras cuja sabedoria, edificava seus contemporâneos. Estas histórias foram compiladas, provavelmente no final do século V. Fazem parte do patrimônio literário cristão e até constituem um “tesouro ecumênico”, para usar a expressão da teóloga Marie-Anne Vannier.

A consciência muito aguda que os Padres tinham do pecado, começando pelos deles, mas também da perfeição e misericórdia de Deus, fez com que eles valorizassem a humildade mais do que qualquer outra virtude. Antônio, o Grande, por exemplo, disse.

“Vi todas as redes do Inimigo estendidas em direção à terra e disse, gemendo: quem vai passar? E ouvi uma voz me dizer: humildade. “

(Antoine, o Grande, 251-356)

Retenhamos aqui cinco lições que emergem da leitura de seus ditos e outros escritos, para superar o orgulho e cultivar a humildade diariamente.

1Meditar sobre os próprios pecados

upérèphania (orgulho) manifesta uma profunda ignorância da natureza humana. Como observa o Padre Jean-Yves Leloup, autor de uma obra inspirada na sabedoria dos Padres do Deserto ( Métanoïa: une Révolution Silente , 2020), o orgulho é certamente a “patologia mais óbvia do homem contemporâneo”.  O orgulhoso é autossuficiente; ele toma o lugar de Deus tanto em seus pensamentos e julgamentos quanto em suas ações. 

Portanto, o melhor remédio para contrariar essa tendência natural do homem é meditar sobre seu estado de pecador e sua incapacidade de fazer o bem a si mesmo.

Perguntaram a Abba Isaías: O que é humildade? E ele disse: Humildade é considerar-se mais pecador do que os outros homens e menosprezar-se por não estar fazendo nada de bom diante de Deus.”

2viver o Evangelho

Os Padres do Deserto não tinham uma “Bíblia” como nós. Mas consultavam fragmentos bíblicos em rolos de papiro ou os lembravam de quando ouviam na liturgia. Então, eles tinham o hábito, nas palavras de Abba Nesterios, de “retomá-los constantemente na memória.”

Esta “ruminação” diária da Palavra tinha o duplo propósito de evitar os maus pensamentos e também de deixar que a Palavra se enraizasse aos poucos até que se conformassem perfeitamente à própria vida de Cristo. A seguinte declaração de Aba Daniel nos mostra que os Padres tinham um desejo enorme de viver o evangelho até o fim. 

“Chegou o dia em que uma mulher possuída deu um tapa na cara do monge. O último imediatamente deu a outra face, de acordo com o preceito do Senhor. Torturado, o demônio exclamou: ‘Ó violência, a ordem de Jesus me expulsa. Imediatamente a mulher foi purificada. Quando os anciãos chegaram, eles foram informados do que havia acontecido e glorificaram a Deus, dizendo: É costume derrubar o orgulho do diabo pela humildade da ordem de Cristo.'”

3Manter bons pensamentos

O primeiro objetivo dos Padres era permanecer sempre com Deus em suas mentes. Eles, portanto, advogavam vigilância constante.

Estar atento a si mesmo, ter sempre Deus “diante dos olhos”, “violentar” o próprio pensamento e adquirir um “coração de aço” são os preceitos que souberam transmitir aos seus discípulos. Abba Théonas resume isso em uma frase: “ Quero encher minha mente de Deus!

4Desafiar-se a si mesmo e ao próximo

Ao contrário do homem orgulhoso que se arroga o direito de julgar seu irmão como se ele fosse Deus, o homem humilde desconfia de seu próprio julgamento. Os Padres do Deserto evitavam o orgulho do espírito sempre se referindo a um ancião e também reconhecendo quando um discípulo ou um leigo passava por eles. Esta frase do Abba Arsène atesta esta humildade de espírito para com o próximo:

“Enquanto Abba Arsene questionava um velho egípcio, outro, ao vê-lo, disse-lhe: ‘Abba Arsene, como você, que tem tal cultura romana e grega, questiona este camponês sobre seus próprios pensamentos? Ele respondeu: Certamente tenho cultura romana e grega, mas nem mesmo conheço o alfabeto deste camponês.'”

5Estar sempre alerta

Se os Padres do Deserto conseguiram adquirir uma “paternidade espiritual” reconhecida por todos, é porque passaram pelo cadinho da aniquilação do seu “ego”. Conscientes de sua pequenez, de seu “nada” diante da infinitude de Deus, tiveram a humildade de se considerar sempre noviços. Abba Sisoes, no momento de sua morte, teve esta experiência:

Disseram que Abba Sisoes quando ele estava para morrer, enquanto os Padres estavam sentados ao lado dele, seu rosto brilhava como o sol. E ele lhes disse: Aí vem Abba Anthony. Logo depois, ele disse: Lá vem o coro dos profetas. E novamente seu rosto brilhou e ele disse: Lá vem o coro dos apóstolos. O rosto dele redobrou de brilho e ele parecia estar conversando. E os anciãos lhe perguntaram: Com quem você está falando, padre? Ele disse: Aqui vêm os anjos para me levar, e imploro que me deixem fazer uma pequena penitência. Os anciãos disseram a ele: Você não precisa fazer penitência, padre. Mas Abba Sisoes disse-lhes: Na verdade, sei que estou ainda no início. E então todos sabiam que ele era perfeito.”

Aliénor Strentz é doutor em etnologia-antropologia, professor e fundador do blog “  Cristãos Felizes  ”.

Tags:
HumildadeVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia