Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 16 Maio |
home iconEstilo de vida
line break icon

11 passos para tornar sua filha uma mulher decidida e confiante

READ

Monkey Business Images | Shutterstock

Dolors Massot - publicado em 30/04/21

Dra. Meeker, mãe e pediatra com 30 anos de experiência, escritora de best-seller, propõe como educar meninas

Você quer ser um pai ou uma mãe que educa bem suas filhas para que amanhã elas sejam mulheres decididas e confiantes? Em seu livro “Raising Strong Daughters in a Liquid Society”, a Dra. Meg Meeker propõe 11 dicas para você – mamãe e papai – levar em consideração.

Sua opinião, baseada em 30 anos de experiência em consultoria de pacientes, é inestimável.

1. Conheça o seu coração

Para que o amor materno/paterno seja verdadeiro e para que haja compreensão entre pais e filhas, devemos primeiro conhecer as filhas. Como está seu temperamento, seu caráter e – acima de tudo – o que move seu coração.

Para fazer isso, a Dra. Meeker indica que os pais devem passar mais tempo com suas filhas e que sua presença é essencial. “O objetivo não é ser perfeito, mas estar presente – física, mental e emocionalmente – e proporcionar-lhes uma experiência geral de amor e compreensão.”

Sobre a presença do pai e da mãe, Meeker alerta que não se trata apenas de “estar lá”. Deve haver uma presença ativa, real, operativa, consciente, criativa, afetiva, que oriente e dê referências, que registre, olhe, veja, ouça, sinta, entenda, toque, ame.

Presença implica que pai e mãe (ambos) dêem carinho e compreensão, em equilíbrio com a imposição das regras adequadas à convivência familiar.

Se necessário, deve haver sanções quando as filhas não cumprirem a norma.

2. Responda estas quatro perguntas essenciais

De acordo com a Dra. Meeker, toda filha precisa de uma resposta para estas quatro perguntas essenciais.

“De onde venho?”. A resposta, segundo a autora, deve se basear no plano espiritual, pois, segundo ela, “as meninas que têm fé são imensamente mais felizes e mais fortes”.

“Eu sou importante (especialmente para meus pais)?” É importante que cada filha se sinta única diante dos pais. Assim você terá autoestima, terá um desenvolvimento equilibrado. Quando não há abandono, evitam-se dependências emocionais no futuro ou outras patologias. A autoestima de uma filha aumenta sabendo que seus pais gostam de estar com ela.

“Existe um padrão moral?” O comportamento do pai e da mãe é sua principal referência. O exemplo pessoal e a consistência com os princípios ensinados são essenciais.

“Para onde vou?”. Os pais não devem cair no protecionismo. Devem dar à filha autonomia e independência pessoal para construir seu próprio projeto de vida. Desde o primeiro momento, pai e mãe devem orientar a filha para um justo distanciamento emocional e físico.

3. Mãe: mentora e aliada

Meeker ressalta que o vínculo materno é insubstituível como modelo para as filhas: “As mães guiam suas filhas de uma maneira que a maioria dos pais não consegue”.

Isso se deve à empatia, qualidade em que a mulher se destaca acima do homem. “Se você é mulher, foi programada para garantir a manutenção da harmonia social”.

4. Pai: exemplo de amor, proteção e liderança

«Os pais são o modelo a partir do qual as meninas obtêm o seu modelo de masculino… A experiência de uma filha com o seu pai biológico irá afetar todas as relações que ela terá com os homens durante a vida (…) Meninas que mantêm um forte vínculo com o pai crescem mais autoconfiantes».

É importante que as meninas tenham a aprovação e o reconhecimento de seus pais. O pai será a “medida” na relação que ela tiver com os outros homens: elas vão querer um homem que a trate como o pai trata, respeita e ama a mãe dela.

Portanto, todo pai deve se esforçar para ser como gostaria que o futuro marido de sua filha fosse, porque esse é o modelo que ela inconscientemente buscará.

Quando isso não ocorre, as filhas apresentam um déficit amoroso na maturidade. “Todas as mulheres com baixa autoestima contam histórias das quais se deduz uma relação filial difícil ou insatisfatória com o pai: falam de um pai ausente, incapaz de gestos afetuosos, às vezes abertamente desdenhoso”.

5. Ajude-a a controlar as telas

Nessa sociedade digitalizada, Meeker nos alerta que “as meninas buscam aprovação, e as plataformas sociais são um meio de obtê-la. Uma vez que sejam aceitas e obtenham curtidas suficientes, serão consideradas valorizadas. Estudos têm mostrado uma ligação clara entre o uso de redes sociais e depressão entre mulheres jovens (…) Fotos e textos não são um substituto para relações humanas reais”.

6. Ensine a ela feminismo saudável

“Parece haver”, diz Meg Meeker, “uma ligação muito real entre o triunfo social do feminismo e uma cultura de solidão, ansiedade e depressão maior do que nunca.” A autora ressalta que impor parâmetros masculinos a si mesma acaba prejudicando as mulheres. Mulheres e homens não são motivados da mesma forma, embora tenhamos igual inteligência e capacidade de ação. Não valorizamos o sucesso profissional ou seu impacto na vida familiar e pessoal da mesma forma.

Meeker aponta questões que foram vendidas como avanços, mas impedem o verdadeiro feminismo: a contracepção sistemática e constante desde a puberdade, o aborto como método anticoncepcional generalizado, a pornografia, a obsessão com a perfeição do corpo e para evitar o envelhecimento, as barrigas de aluguel que degradam a dignidade das mulheres.

Quando se trata de ideologia de gênero, Meeker é muito crítica. Ela ressalta que é ela ideologia é culpada de que, por exemplo, nos Estados Unidos, tenham crescido casos de “disforia de gênero” entre as meninas, que acham que trocar o corpo pelo de menino resolverá seus problemas.

A autora fala de um feminismo “saudável”, que entende que a feminilidade é algo positivo e maravilhoso; isso inclui a maternidade, que é sua expressão mais importante.

7 Nutrição e imagem corporal equilibrada

A obsessão pela imagem pessoal é uma nova escravidão. Meeker alerta para a futilidade das mães exemplares que não aceitam a passagem do tempo em seu corpo e o modificam a todo custo.

Quanto ao pai, ela explica que quando sua presença é fraca ou turva, já se pode falar de uma “orfandade”: as filhas não se sentem validadas ou valorizadas. Isso as leva à insegurança, a não gostar do outro, a se preocupar excessivamente com o físico. Pode levar a distúrbios alimentares como anorexia e bulimia.

8. Confie na sua fé em Deus

Meeker lembra que “93% dos estudos científicos mostraram que a fé dá às pessoas mais significado e sentido em suas vidas… e 78% mostraram que pessoas com crenças têm menos ansiedade.”

9. Ajude-a a desenvolver uma sexualidade saudável

Antes de entrar na adolescência, as crianças aprendem uma ideia fundamental: sua sexualidade é a parte mais significativa de sua identidade e define quem são… a insistência de nossa sociedade em sexualizar as crianças está minando o desenvolvimento sexual saudável, minimizando sua complexidade e obrigando as crianças a tomarem decisões sobre sua identidade enquanto ainda estão desenvolvendo autoconsciência, com consequências terríveis.

A sexualidade está dissociada de sua dimensão afetiva e reprodutiva. Eles são incentivados a agir o mais rápido possível, com o primeiro parceiro a agir. Qualquer relação sexual é válida se for “segura” do ponto de vista da saúde física. A prevenção da AIDS e do papilomavírus humano se tornaram a desculpa para se intrometer violentamente na vida íntima das crianças.

Meeker diz que para as filhas serem realmente fortes, o foco deve ser cultivar o autocontrole, a valorização da dignidade pessoal e o respeito pelos sentimentos dos outros. Os pais devem favorecer a força e a temperança, em vez de aceitar a visão de uma sexualidade adulta egoísta, narcisista e autodestrutiva. Existe um paradoxo: falamos mais do que nunca sobre os direitos das crianças, mas o seu direito à privacidade é violado. A ideologia de gênero na escola é uma ingerência indevida e ilegítima do Estado em um assunto que deveria ser reservado exclusivamente à família.

Meeker aponta claramente: «Muitas meninas que foram sexualmente ativas, especialmente com muitos parceiros, sofrem de depressão em maior ou menor grau … quando uma relação sexual termina, a menina sofre de falta de compromisso e perde a auto-estima, confiança, afeto e intimidade, o que causa depressão”.

Em contraste, “as filhas que recebem afeto, respeito e aceitação dos pais correm menos risco de serem sexualmente ativas prematuramente e têm uma autoconfiança e autoestima que não precisa da afirmação de nenhum namorado sexualmente agressivo”.

10. Ajude-a a encontrar bons amigos

Para as filhas e mulheres em geral, uma rede de boas amizades garante qualidade de vida. Permite exercitar uma boa comunicação, o que beneficia a saúde mental e a autoestima.

A maioria das mulheres associa o amor a conversa e comunicação verbal. Especialmente na puberdade, quando os estrogênios inundam o cérebro feminino, os hormônios levam as meninas a se conectar: ​​compartilhar experiências pessoais, longas conversas ao telefone e se preocupar com os problemas de outras pessoas.

Meninas desde muito novas sentem um alívio biológico ao se comunicarem. “Quando as meninas se tornam amigas íntimas, seu mundo emocional se expande rapidamente com os segredos, pensamentos e sentimentos que compartilham… ter o apoio de algumas amigas próximas é essencial para as meninas… elas aprendem a lidar com conflitos, ser mais assertivas e se conhecerem melhor… “.

11. Ajude-a a ser uma mulher decidida e forte. Não é uma vítima

“Felicidade e autoestima”, diz Meeker, “são consequências da responsabilidade pessoal, trabalho árduo, fé, esperança, do desenvolvimento do controle pessoal e da independência… mas em vez de ensiná-las a serem independentes, fazemos as coisas por elas, pedimos desculpas quando elas cometem erros e as impedimos de assumir total responsabilidade por seus erros… também achamos difícil impor disciplina e regras porque preferimos evitar confrontos.

A conseqüência de tal educação é que as meninas se tornarão fracas: sempre olharão para a culpa, pensarão que o mundo é injusto com elas, serão incapazes de assumir suas próprias responsabilidades.

A melhor medida de proteção é capacitar as filhas para que sejam capazes de lidar com as dificuldades da vida. Dê-lhes coragem para enfrentar o mundo real. Aumente suas capacidades e pontos fortes. Entre pai e mãe, o equilíbrio certo deve ser encontrado para proteger as filhas e, ao mesmo tempo, encorajá-las.

Dr. Meeker alerta para a superproteção. Acreditando que demonstramos amor pelas filhas, cortamos suas asas. Os pais devem se esforçar para torná-las autônomos e independentes.

Meeker propõe, por exemplo, incentivá-los a realizar tarefas por conta própria e a se virarem, o que as obrigará a desenvolver suas próprias habilidades. Não se trata de poupar esforço e sofrimento, mas de saber como lidar com eles.

Tags:
EducaçãoFamíliaFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
3
Nossa Senhora de Fátima pede rezar o terço
Padre Reginaldo Manzotti
As 3 principais atitudes que Nossa Senhora de Fátima nos pediu
4
Soutane de Jean Paul II/attentat
Marzena Wilkanowicz-Devoud
Onde está a batina manchada de sangue de João Paulo II?
5
Nossa Senhora de Akita
Reportagem local
O grave alerta de Nossa Senhora de Akita sobre o maligno infiltra...
6
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: ...
7
FATIMA
Reportagem local
Uma carta da Irmã Lúcia, vidente de Fátima, sobre a grandiosidade...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia