Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Dezembro |
São João Damasceno
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Uma coisa que os sábios fazem (e os tolos evitam)

WORKGROUP

Pexels

Chris Lowney - publicado em 30/04/21

"Os projetos malogram por falta de deliberação; conseguem bom êxito com muitos conselheiros" (Provérbios 15, 22)

Um executivo de sucesso me lembrou de uma lição de 3.000 anos que tornará você um pai/mãe, amigo ou empresário mais sábio. Ignorar a lição? Isso pode torná-lo um “tolo” na visão de uma autoridade divinamente inspirada.

A lição envolve ouvir, então deixe-me chamar sua atenção enquanto eu conto uma história e refletimos sobre sua mensagem.

Quando entrei pela primeira vez na equipe de trabalho de um executivo, há muitos anos, eu o conhecia apenas pela reputação: ele era um líder autoconfiante e decidido que herdou uma grande empresa, mas de baixo desempenho, de nosso grupo empresarial e em pouco tempo a transformou em uma jóia próspera. Eu estava ansioso para saber como ele havia realizado essa façanha e para absorver seus conselhos sobre como liderar equipes e organizações.

Ele me surpreendeu

Mas, no início, algo estranho aconteceu: ele me pediu conselhos e sugestões. E isso continuou acontecendo. Em caso de dúvida: não imagine que eu sou um estrategista brilhante. Ele era muito mais astuto do que eu, então muitas vezes me perguntei por que ele se daria ao trabalho de me consultar e de consultar outros membros da equipe, como descobri.

No meio de um bate-papo casual e individual, ele direcionava a conversa para alguma questão importante de trabalho: “Ei, estou pensando em fazer x ou y: qual é a sua opinião?” Ele ouvia com atenção, nunca atacando se eu discordasse do que ele pensava.

O que não quer dizer que ele não tivesse convicções próprias, ou que não pudesse se decidir: quando chegou a hora de agir, ele se moveu, e com decisão. Ele articularia sua decisão com confiança e, fora da equipe, iria executar.

Estilo de liderança

Seu estilo consultivo acabou me levando a examinar minha própria abordagem de vida. Até aquele ponto, meu padrão era exatamente o oposto do dele. Diante de uma escolha importante, seja uma questão de negócios, mudança de carreira ou questão de dinheiro, eu normalmente manteria minha própria convicção, raramente pedindo a opinião de amigos ou mentores.

Afinal, pensava: é a minha vida, e quem conhece minhas próprias circunstâncias melhor do que eu? Além disso, eu estava confiante na minha capacidade de descobrir as coisas: não sou Einstein, mas sou pelo menos tão inteligente quanto qualquer outra pessoa. Mesmo assim, meu chefe era mais inteligente, mais experiente e muito confiante, mas buscava conselhos. O que isso poderia dizer sobre mim?

Um insight desagradável surgiu: talvez o meu estilo não significasse autoconfiança, mas sim o oposto, insegurança. Talvez eu, inconscientemente, temesse que pedir conselhos aos outros me fizesse parecer fraco ou indeciso.

Em contraste, talvez a autoconfiança desse executivo fosse precisamente o que o deixava tão confortável em pedir contribuições. Claramente, não ameaçava seu ego fazer isso, nem reconhecer quando alguém tinha uma ideia melhor.

Lição antiga

Daí uma lição de 3.000 anos. Ao fazer uma leitura bíblica não faz muito tempo, sorri e me lembrei de meu ex-chefe quando me deparei com esta joia do livro de Provérbios (19, 20):

“Ouve os conselhos, aceita a instrução: tu serás sábio para o futuro”

Enquanto vasculhava os Provérbios, descobri outras passagens nesse teor:

“Os projetos malogram por falta de deliberação; conseguem bom êxito com muitos conselheiros” (Prov. 15, 22)

Já se passaram quase três milênios desde que esses textos foram escritos, e nós, humanos, não mudamos muito, ao que parece: muitos de nós ainda somos muito teimosos para pedir conselhos, ou muito inseguros para fazê-lo. Em contraste, as pessoas realmente sábias e autoconfiantes estão regularmente solicitando os pontos de vista de colegas, amigos, familiares e paroquianos.

Um quarto dos norte-americanos sente que não tem ninguém em quem confiar, mas se você tiver a sorte de ter amigos e confidentes, seja grato por essa bênção e tire proveito dela, pedindo a opinião deles de vez em quando.

Tags:
TrabalhoVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia